465 – O Terror da Serra Elétrica (1982)

pieces_1982_poster

Mil gritos tiene la noche / Pieces

1982 / Espanha, EUA, Porto Rico, Itália / 85 min / Direção: Juan Piquer Simón / Roteiro: Dick Randall, Joe D’Amato, Juan Piquer Simón (não creditado) / Produção: Stephen Minasia e Dick Randall / Elenco: Christopher George, Lynda Day, Frank Baña, Edmund Purdom, Ian Sera, Paul L. Smith, Jack Taylor

 

Fã do gore, celebre a existência do transgressor O Terror da Serra Elétrica. Filme retardado, violento ao extremo, cheio de nudez, litros e litros de sangue despejados na tela, gente sendo desmembrada, decapitada, cortada ao meio. Absolutamente tudo que nos choca e delicia.

Essa preciosidade do mau gosto dirigida pelo espanhol Juan Piquer Simón e saída da cabeça depravada do italiano Joe D’Amato (que escreve o roteiro sob o pseudônimo de John Shadow) caminha entre uma linha tênue que o separa do slasher americano (por conta do ambiente universitário, belas jovens de pouca roupa sendo assassinadas por um assassino psicopata e rapazes um mais bobo que o outro) e o giallo italiano (voyerurismo e presença de um sujeito vestindo capote, chapéu e luvas pretas – inspirado no personagem O Sombra da DC Comics), com um psicopata sexual matando a galera com uma motosserra (tanto que o slogan do filme dizia que não era preciso você ira até o Texas para ver um massacre com uma serra elétrica).

Logo no começo, O Terror da Serra Elétrica começa chutando o balde. No ano de 1942 em Boston, um garotinho de 10 anos chamado Timmy toma uma bronca de sua mãe que o pega no flagra montando um quebra-cabeças com uma garota nua (misteriosamente a moça do quebra-cabeça tem um visual dos anos 80, ano em que foi lançado o longa e nem parece nada de longe as pinups dos anos 40, mas tudo bem). O que o pequeno Timmy faz? Estraçalha a mãe a machadadas. A polícia chega ao local após ninguém atender a porta, e Timmy finge demência se metendo a chorar dentro do armário dizendo que um homem havia entrado e esquartejado sua mãe.

Passam-se quarenta anos, e o menino cresceu como um psicopata que ataca o campus em busca de partes (daí o título em inglês, Pieces) das universitárias, para montar um quebra-cabeça humano e assim remontar o cadáver de sua falecida mãe. E é isso. O desenrolar beira o mambembe. Roteiro com mais buracos que as estradas brasileiras, diálogos canhestros, situações inverossímeis (como os policiais inúteis implorando pela ajuda de um jovem universitário e metendo uma ex-tenista como professora de tênis infiltrada na universidade, ou o bruto jardineiro que parece uma cópia do Bud Spencer dos filmes do Trinity), atores de quinta categoria, mas muito, muito, muito gore, vísceras, sangue, sadismo, mortes violentas e por aí vai.

Toma!

Toma!

Atormentado por suas memórias infantis de assassinato e com toda sua psicopatologia sexual à flor da pele, o maníaco à solta começa a chacinar as beldades: a primeira é decapitada enquanto tomava sol no jardim da universidade (assim, em plena luz do dia em um local público); a segunda é arrastada de uma piscina por aquelas redinhas e feita em pedaços pela motosserra; a terceira é uma dançarina que tem os braços decepados em um elevador; a quarta é esfaqueada em uma cama de água, com uma facada final atravessando sua nuca até a boca; e a última garota é o ponto alto da selvageria gráfica, quando uma moçoila tenista é trancada no vestiário feminino de topless e é literalmente cortada ao meio. Nesta violenta cena, uma carcaça de porco foi utilizada para o close.

Uma força tarefa formada pelo tenente Bracken (Christopher George – da série Ratos do Deserto) e Mary Riggs (Lynda Day George – da série Missão Impossível) e o estudante Kendall (Ian Sera) tenta descobrir quem é o assassino, com a ajuda do esquisito professor de anatomia, Prof. Brown (Jack Taylor) e do reitor da universidade (Edmund Purdom). Não antes do fetichista ter conseguido arrancar as partes das garotas e montar seu quebra-cabeça de carne e osso. O final ainda revela uma cena absurda de uma genital masculina sendo mutilada por uma mão nua, quando já pensamos que o assassino está mortinho da silva, mas é apenas uma liberdade poética para encerrar a grosseria com chave de ouro.

Absolutamente não se atente a nenhum outro aspecto de O Terror da Serra Elétrica que não a matança e a violência. A fita de Simón é cultuada por fãs e cineastas ao redor do mundo. Eli Roth, diretor de Cabana do Inferno e O Albergue exclama como “uma obra-prima do sórdido começo dos anos 80” e Brad Jones considera seu filme favorito, assim como um dos melhores filmes de terror daquela década.

Se você quiser saber absolutamente TUDO que um vídeo precisa para entrar na lista proibida dos nasty videos, é só assistir O Terror da Serra Elétrica, por conta da crueldade e verossimilhança de suas cenas de mutilação. A fita também foi deixada em pedaços pela censura (RÁ) e proibida em diversos países. A versão uncut foi lançada nos EUA apenas em 2008, distribuída pela Grindhouse Releasing.

Em pedaços

Em pedaços

Serviço de utilidade pública:

O DVD de O Terror da Serra Elétrica não foi lançado no Brasil.

Download: Torrent + legenda aqui.

 


Marcos Brolia
Marcos Brolia
Jornalista, editor e idealizador do 101HM, é fanático por filmes de terror (ah, vá!) desde que se conhece por gente, dos classudos aos mais bagaceiras. Adoraria ter um papo de boteco com H.P. Lovecraft e virar um shot toda vez que ele falasse a palavra “indizível”.

0 Comentários

  1. Allan disse:

    O terror da serra, que não é elétrica, ehehe.
    Filme brutal, vale muito pela carnificina, e quase só isso.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

%d blogueiros gostam disto: