467 – Christine – O Carro Assassino (1983)

url

Christine

1983 / EUA / 110 min / Direção: John Carpenter / Roteiro: Bill Phillips (baseado no livro de Stephen King) / Produção: Richard Kobritz, Larry Franco (Co-produtor), Barry Bernardi (Produtor Associado) / Kirby McCauley e Mark Tarlov (Produtores Executivos) / Elenco: Keith Gordon, John Stockwell, Alexandra Paul, Robert Prosky, Harry Dean Stanton

 

Christine – O Carro Assassino é uma das adaptações mais bacanas de um livro de Stephen King para as telas, e uma das preferidas do próprio escritor. Dirigido pelo mestre John Carpenter, a história do garoto e seu carro demoníaco é um daqueles filmes que temos orgulho em dizer que gostamos, ainda mais por ele estar envolto em tanto saudosismo (passava à exaustão no SBT, no Cinema em Casa. Até chegou a passar na sessão vespertina da emissora em pleno 2011, a última vez que vi rolando na TV aberta, além das infindáveis reprises no TCM).

Para começar temos uma deliciosa trilha sonora, repleta de clássicos do rock ‘n’ roll (o carro foi construído na década de 50 e só toca rock clássico no seu auto rádio) com bandas como Rolling Stones, Ritchie Valens, Dion & The Belmonts e Buddy Holly, entre outros, além da emblemática Bad to the Bone de George Thorogood & The Destroyers, que caiu como uma luva, para mostrar que o carro é mau até os ossos, ou melhor, até os pistões.

Christine é um Plymouth Fury 58 vermelho, que desde que saiu da linha de montagem, é um carro maldito, tendo um poder sedutor sobre aquele que é seu dono, e uma assassina fúria incontrolável contra quem se põe em seu caminho (e de seu proprietário). E é esse relacionamento de amor doentio que o carro possui por Arnie Cunningham (Keith Gordon), um fracassado nerd, daquele estilo bem zero à esquerda, criado com leito com pera, que nunca beijou uma garota, possui pais controladores e é vítima de bullying no colégio.

A fúria

A fúria

Certo dia depois de ter apanhado igual um saco de pancada pelo valentão da escola (que acabou sendo suspenso) Arnie e seu melhor amigo, Dennis Guilder (John Stockwell), encontram Christine toda detonada e caindo aos pedaços, no quintal de um velho maluco, que o vende por 250 dólares. Foi amor (e obsessão) a primeira vista. Porém, Arnie não sabe do histórico do carro, que o antigo proprietário, Roland De Bay, irmão do tal velho, havia se suicidado dentro dele, ligando a mangueira no escapamento e se asfixiando com o monóxido do carbono no interior do veículo. Isso depois dele ter perdido a mulher e filhas do mesmo jeito.

A meta de vida de Arnie é consertar Christine e deixá-la como nova, então ele coloca em prática todo seu conhecimento em mecânica e passa horas e horas no ferro velho de Will Darnell (Robert Prosky), onde deixa também o carro estacionado, por seus pais o proibirem de deixar o carro na garagem de casa. Arnie deixa o carro impecável e como consequência, vai ficando cada vez mais obcecado por ele, além e uma enorme mudança de atitude. De um perfeito panacão, Arnie começa a se transformar em um arrogante e agressivo delinquente, cheio de marra e autoconfiança, e como se não bastasse, ele até começa a pega a menina mais gata do colégio, Leigh Cabot (Alexandra Paul).

Então tudo bem né? O cara tem um carrão, uma garota, deixou de ser um loser. Christine só fez o bem para ele né? Não é bem por aí, porque Arnie passa a destratar os pais, tornar-se violento, afasta-se do seu melhor amigo e até age como um verdadeiro cafajeste com Leigh (que quase morre engasgada dentro do carro). E para piorar, aquele valentão do começo do filme e sua gangue descobrem onde ele guarda Christine e arrebentam com a máquina, deixando-a completamente destruída, para se vingar da expulsão. A coisa é tão feia que eles chegam a defecar no painel.

No sufoco!

São Brás, São Brás…

Daí o espírito maligno de Christine toma forma, e percebe-se que o carro tem vontade e vida (!!!???) própria, começando a matar um por um dos seus detratores, utilizando Arnie como fantoche. Cabe a Dennis e Leigh, que terminou com Arnie e está saindo agora com seu melhor amigo, que desconfiam de um quê sobrenatural na máquina, tentar impedir que o carro continue seu rastro de matança sem freios (trocadilho infame, hein?).

A parte mais dolorosa dessa história toda é que foram destruídos por volta de 13 a 16 veículos, de 25 utilizados, durante as filmagens. E o Plymouth Fury só teve 5.300 unidades fabricadas, é objeto raro de colecionador. Por isso em algumas cenas de destruição foram usados modelos Dodge Belvedere, semelhantes aos Plymouths. E é claro, que um carro como Christine, sempre foi o sonho de consumo sobre quatro rodas, de qualquer fã de filmes de terror.

Christine – O Carro Assassino é um filme redondo. Funciona muito bem, com cenas de suspense bem construídas, e algumas até impressionantes, como quando o carro mostra seus poderes e começa a se reconstruir depois de completamente danificado. A direção de Carpenter é precisa, sem inventar muito, mas também sem deixar nada devendo. Além disso, o roteiro é muito fiel ao livro de Stephen King. Livro esse que por incrível que pareça (a premissa de um carro assassino, qualé?) é muito bom, envolvente e instigante, principalmente quando nos conta a degradação psicológica de Arnie, que não é assim tão bem aproveitada no longa, e sua possessão pelo espírito do antigo dono, Ronald Le Bay, ignorada no filme, para dar mais espaço às espetaculares cenas com o carro possuído perseguindo seus algozes.

Tá precisando de um martelinho de ouro

Tá precisando de um martelinho de ouro

Serviço de utilidade pública:

Compre o DVD de Christine – O Carro Assassino aqui.

Download: Torrent + legenda aqui.

 

 


Marcos Brolia
Marcos Brolia
Jornalista, editor e idealizador do 101HM, é fanático por filmes de terror (ah, vá!) desde que se conhece por gente, dos classudos aos mais bagaceiras. Adoraria ter um papo de boteco com H.P. Lovecraft e virar um shot toda vez que ele falasse a palavra “indizível”.

0 Comentários

  1. fabão disse:

    Esse filme é realmente foda. Assisti pela primeira vez quando eu tinha 5 anos de idade e me apaixonei por este filme. Estava esperando por essa resenha faz tempo, até porque seria uma justa homenagem. Muito obrigado por lembrar deste filme que tanto amo. Obrigado.

  2. Andrigo Mota disse:

    saudoso e assustador…uma obra prima

  3. […] por John Carpenter, que já se aventurara na direção de uma adaptação de Stephen King no ótimo Christine – O Carro Assassino. O problema é que os executivos da Universal o tiraram do projeto por conta do fiasco nas […]

  4. […] perseguido por um São Bernardo raivoso (Cujo) e quase é atropelado por um Plymouth Fury vermelho (Christine – O Carro Assassino). Vamos acompanhar o animal em três histórias completamente diferentes, viajando pelos EUA até […]

  5. […] adaptações de seus livros ao cinema, satisfeito com raras exceções como Carrie – A Estranha e Christine – O Carro Assassino, puto com o que Kubrick tinha feito em O Iluminado, e depois de uma enxurrada de filmes de […]

  6. antonio carlos prata disse:

    Assisti e gostaria de ver de novo

  7. […] 09 – Christine, O Carro Assassino (1983) […]

  8. […] vale para os fãs do escritor, a tonelada de autoreferências, tanto a si mesmo quanto seus livros (Christine é a mais […]

  9. Saulo Vale disse:

    A trama envolvendo o carro possuído pelo espírito do dono foi abandonada porque viram semelhança com “Um Lobisomem Americano em Londres”, em que o protagonista é atormentado pelo espírito do amigo. No filme o mal parece emanar do próprio carro.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

%d blogueiros gostam disto: