47 – O Fantasma de Frankenstein (1942)

the-ghost-of-frankenstein-movie-poster-1942-1020143650


The Ghost of Frankenstein


1942 / EUA / P&B / 67 min / Direção: Erie C. Kenton / Roteiro: W. Scott Darling, Eric Taylor (história original) / Produção: George Waggner / Elenco: Lon Chaney Jr., Bela Lugosi, Cedric Hardwicke, Ralph Bellamy, Lionel Atwill


 

E lá vamos nós com mais uma sequência dos filmes de Frankenstein. O Fantasma de Frankenstein já é o quarto da série. É tipo o Sexta-Feira 13, A Hora do Pesadelo e Jogos Mortais da época!

Também é o primeiro em que Boris Karloff não interpreta o monstro, tendo pulado do barco (sabiamente) antes de afundar em O Filho de Frankenstein. Agora quem herda o papel da criatura é Lon Chaney Jr., credenciado pelo seu papel em O Lobisomem, e claro, por ser filho de Lon Chaney, o Homem das Mil Faces. Em compensação ali está o decadente Bela Lugosi, atuando em uma franquia decadente também.

Dirigido por Erie C. Kenton, de A Ilha das Almas Selvagens, aqui Lugosi reprisa o papel de Ygor, que fez tanto sucesso no filme anterior, escrito especialmente para ele, que novamente o personagem foi utilizado em O Fantasma de Frankenstein. E o filme já começa com Ygor e o monstro fugindo da velha turba enfurecida, com seus forcados e tochas (que originalidade!!!), enquanto eles estão explodindo de vez o castelo e laboratório do Dr. Frankenstein. Ou seja, tanto Ygor não morreu levando tiros no último filme, como a criatura ao cair no poço.

Chaney é o novo Karloff

Chaney é o novo Karloff

E lá vão ambos para um novo vilarejo atrás de outro filho do Barão Frankenstein, dessa vez Ludwig, para que ele possa curar o monstro, único amigo do escroque. Só que como bem sabemos, todos os Frankensteins tem um parafuso a menos, e claro que ao invés de destruir a criatura, ele vai dar um jeito de continuar os experimentos do pai. Só que dessa vez ele tem uma estapafúrdia ideia de trocar o cérebro do monstrengão por outro renomado médico, que era uma espécie de desafeto de Frankenstein. Auxiliado pelo Dr. Bohmer (interpretado por outro famoso ator dos filmes de terror, Lionel Atwill), o plano dá errado quando Bohmer utiliza então o cérebro de Ygor, ao invés do doutor, seduzido pelas promessas de poder do vilão. Daí veremos um monstro de Frankenstein inteligente, perverso e falando com sotaque húngaro!

Chaney não chega nem aos pés de fazer a criatura como Karloff, desculpem. É até um insulto ver outro ator no papel do monstro com a cabeça quadrada, andar duro e pinos no pescoço. Se Karloff não quisesse mais fazer o papel, não fizessem mais continuações, oras! Mas vai falar isso para as caixas registradoras da Universal. Além disso de novo vamos ver a mesma situação manjada dos filmes anteriores: alguém da família Frankenstein sem um pingo de juízo, moradores revoltosos, a amizade do monstro com uma criança… Fora isso todo o aspecto atormentado que ele carregou nos outros filmes, aqui vai para o ralo, e ele transforma-se em um simples autômato mudo (até receber o cérebro de Ygor), que não desperta aquele sentimento dúbio que tínhamos antes por ele.

Para mim, O Fantasma de Frankenstein é o ponto que decreta o final da Era de Ouro dos Monstros da Universal. As infindáveis sequências conseguiram tirar todo o brilho dos filmes do estúdio. Claro que algumas conseguiram ser interessantes como A Noiva de Frankenstein e A Volta do Homem Invisível, e o original O Lobisomem, mas tudo que vier daqui para frente será com uma qualidade muito inferior e completamente desnecessário, até chegarmos ao filme derradeiro desse ciclo da Universal, O Monstro da Lagoa Negra, lançado em 1954. Que também gerou continuações, óbvio!

Abre a porta Lugosi... Eu não abro, não...

Abre a porta Lugosi… Eu não abro, não…



Marcos Brolia
Marcos Brolia
Jornalista, editor e idealizador do 101HM, é fanático por filmes de terror (ah, vá!) desde que se conhece por gente, dos classudos aos mais bagaceiras. Adoraria ter um papo de boteco com H.P. Lovecraft e virar um shot toda vez que ele falasse a palavra “indizível”.

0 Comentários

  1. […] Chaney já havia feito o papel principal em O Lobisomem, vivido o monstro de Frankenstein em O Fantasma de Frankenstein e aqui se enrola nas ataduras e interpreta Kharis (que também já foi vivido por Tom Tyler em A […]

  2. […] é um mero coadjuvante, sendo que o lobisomem de Chaney (que também viveu o monstro no posterior O Fantasma de Frankenstein) é o personagem principal e toda a trama é centrada nele. Na verdade, Frankenstein Encontra o […]

  3. […] imagem. Daí para frente o monstro se tornaria uma alegoria, resumindo-se a um simples assassino em O Fantasma de Frankenstein e A Casa de Frankenstein, e chegando até a sair na mão com o lobisomem em um crossover do […]

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *