471 – Fome de Viver (1983)

url

The Hunger

1983 / Reino Unido / 97 min / Direção: Tony Scott / Roteiro: Ivan Davis, Michael Thomas (baseado no livro de Whitley Strieber) / Produção: Richard Shepherd / Elenco: Catherine Deneuve, David Bowie, Susan Sarandon, Cliff De Young, Beth Ehlers, Dan Hedaya

 

Uma classuda história de vampiros, com um apelo gótico, sombrio e sexual, a cara da cultura pós-punk / industrial dos anos 80. Isso é o cultuado Fome de Viver, filme de debute de Tony Scott, irmão de Ridely Scott, morto recentemente, que traz em seu elenco ninguém menos que Catherine Deneuve, Susan Sarandon e o camaleão David Bowie.

E esse toque de classe dado pela direção, fotografia de Stephen Goldblatt, design de produção e pela trinca de atores, retira os vampiros do clichê sob os quais eles haviam sido trabalhados nas últimas três décadas, desde os cafonas e deliciosos filmes da Hammer até as vastas produções eróticas dos anos 70. Dá um toque moderno, blasé e fetichista para as criaturas sanguessugas, que agora vão em clubes noturnos para encontrar suas vítimas e as arrastam para seus apartamentos com cortinas esvoaçantes no centro da cidade.

Em seu lançamento, Fome de Viver não foi muito bem recebido pela crítica e pelo público, muito pelo filme ser claramente influenciado pela estética visual de comerciais, oriunda da experiência anterior de Scott. Baseado no livro de Whitley Strieber, Fome de Viver tem todo uma concepção estilizada única dessas criaturas (apesar do termo vampiro nunca ser usado, eles não possuírem presas e andarem numa boa na luz do sol) para trazer uma história de perdas e danos no mundo vampiresco, onde a imortalidade não é uma benção, como se imagina e criador possui laços definitivos com a criatura até a página dois.

Cochichos

Cochichos

Bom, Miriam Blaylock (Deneuve) é uma vampira secular, colecionadora de antiguidades, amante e criadora de John Blaylock (Bowie). O tal lance de viverem juntos por toda a eternidade seduzindo pobres mortais e se alimentando de seu sangue aqui não funciona muito bem, já que de um momento para o outro, John passa a envelhecer de uma só vez tudo aqui que não envelheceu durante anos e anos de suposta imortalidade. E isso é algo recorrente, pois vários companheiros anteriores de Miriam padeceram da mesma doença degenerativa.

Na busca sem sucesso de ajuda contra a terrível doença, eles procuram pela Dra. Sarah Roberts (Sarandon) que atua com pesquisas na área do sono à procura de uma receita da longevidade. Quando John vai ao encontro de Sarah em seu consultório e ela o deixa plantado na sala de espera por duas horas, confundindo-o como um velho louco qualquer, vemos a cena mais impressionante e marcante do filme, quando Bowie começa a envelhecer mais e mais a cada minuto que passa, até ficar completamente irreconhecível.

Não dá outra, logo John dá adeus a essa vida (de novo) e é colocado em um caixão junto com todos os outros ex-amantes de Miriam, que começa a procurar um substituto, e vê na figura de Sarah, a parceira perfeita, usando todo seu poder hipnótico de sedução para transformá-la em vampira, ou o que quer que eles sejam, em uma das mais eróticas, sexuais e voluptuosas cenas lésbicas de todo o cinema, com Denueve no auge da sua maturidade e Sarandon no auge de sua juventude, ao som de The Flower Duet ao fundo. É uma daquelas cenas que marcam a juventude de toda uma geração.

Maracujá de gaveta

Maracujá de gaveta

E falando em música, é um dos pontos chaves de Fome de Viver, retratando muito bem aquele período específico da década de 80. A cena de abertura, por exemplo, editada entre o processo de Deneuve e Bowie de se alimentar de suas vítimas, o descontrole de um dos macacos de teste da equipe de Sarandon e uma performance gótica em um clube noturno, tem Bela Lugosi’s Dead de Bauhaus. E a trilha sonora toda é tomada por sons eletrônicos industriais, escolhida perfeitamente por Howard Blake para dar o clima certo ao filme.

Algumas cenas também funcionam muito bem e são bastante impactantes para contribuir com o resultado final, muitas delas sangrentas (como todo filme de vampiro que se preze), como esses ataques da cena inicial, ou quando Bowie mata uma criança, ou mesmo a assustadora cena quando Miriam é aterrorizada por todos os seus antigos parceiros putrefatos que levantam de suas tumbas.

Mais uma vez vale aquele comentário focado para fãs da Saga Crepúsculo, que porventura quiserem se aprofundar e se interessar mais no universo dos vampiros em geral, além daquela mediocridade sem tamanho: assistam Fome de Viver, para descobrirem que o mundo desses mortos-vivos não se resume a um amor adolescente cafona, assexuado e brilhar ao sol. Há muito mais tragédia e sensualidade por trás das sombras da noite que essas criaturas vivem.

Mordida de lábio

Mordida de lábio

Serviço de utilidade pública:

Compre o DVD de Fome de Viver aqui.

Download: Torrent + legenda aqui.

 

 


Marcos Brolia
Marcos Brolia
Jornalista, editor e idealizador do 101HM, é fanático por filmes de terror (ah, vá!) desde que se conhece por gente, dos classudos aos mais bagaceiras. Adoraria ter um papo de boteco com H.P. Lovecraft e virar um shot toda vez que ele falasse a palavra “indizível”.

6 Comentários

  1. Marcus Vinícius disse:

    Quando vai ter novos HORRORVIEW e TOP 5? E vão ser repostos os que foram excluídos?

  2. […] como Sombras da Noite (o original, não a babaquice de Tim Burton), A Sentinela dos Malditos, Fome de Viver, Scanners – Sua Mente Pode Destruir, Viagens Alucinantes, e nada mais nada menos que O Exorcista, […]

  3. […] aparece é o personagem Cesare do Gabinete do Dr. Caligari, além de integrar a trilha sonora de Fome de Viver, com David Bowie. Para quem gosta de um som mais pesado, vale a pena conferir a versão que a […]

  4. […] para o cinema de terror e fantástico foi inestimável, atuando em filmes como o cult vampiresco Fome de Viver, além de Labirinto e Twin Peaks: Os Últimos Dias de Laura Palmer, e presente na trilha sonora de […]

  5. Matheus L. CARVALHO disse:

    Um dos melhores filmes de vampiro de todos os tempos.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

%d blogueiros gostam disto: