48 – Sangue de Pantera (1942)


Cat People


1942  / EUA / P&B / 73 min / Direção: Jacques Tourneur / Roteiro: DeWitt Bodeen / Produção: Val Lewton / Elenco: Simone Simon, Tom Conway, Kent Smith, Jane Randolph


 

Sangue de Pantera, o clássico do diretor Jacques Tourneur, é um filme que gira em torno de sexualidade e repressão feminina transbordando da figura interpretada pela bela e exótica atriz Simone Simon, a tal mulher pantera do título em português.

Para contextualizar historicamente o filme, o mercado hollywoodiano de filmes de terror era amplamente dominado pela Universal e seus monstros Drácula, Frankenstein, A Múmia, O Lobisomem, etc. Com grandes orçamentos e sucessos de bilheteria, restava aos outros estúdios fazerem os filmes B. E daí que entra na jogada a RKO Radio Pictures, responsável outrora por grandes produções, entre elas Cidadão Kane, de Orson Wells, mas que estava em péssimas condições financeiras e precisava fazer dinheiro rápido com custos baixíssimos de produção, algo que gastasse no máximo 150 mil dólares, imagine. O produtor Val Lewton foi o escalado para cuidar do departamento de filmes de terror da RKO, e o primeiro deles, foi Sangue de Pantera.

E o filme virou um sucesso de público e crítica, começando o movimento de tirar o estúdio do buraco e financiar outras produções de terror. Na história, Irena Dubrovna é uma imigrante sérvia que trabalha com design de moda e se envolve com o engenheiro naval americano Oliver Reed. Conquistado pela beleza peculiar e pelo jeito introspectivo da garota (que confidencia a ele que não tem amigos americanos, ao convidá-lo para uma xícara de chá em seu apartamento) logo eles se apaixonam e consumam o matrimônio.

Porém, Irena acredita descender de uma linhagem mítica de mulheres panteras, que se transformam na criatura ao se relacionarem sexualmente ou sentirem-se ameaçadas. Segundo a lenda, as mulheres panteras são descendentes de bruxas executadas pelo Rei João da Sérvia (o qual Irena tem uma estátua em sua sala) durante a Idade Média, e suspeita-se que seu pai foi assassinado por sua mãe, logo após o ato sexual. Tenso!

Hey, sabia que você é uma GATA?

O casamento dos dois vai bem mal das pernas, já que há muita frustração sexual entre o casal, e se complica ainda mais quando dois elementos entram na história: Alice, companheira de trabalho de Reed, que o vê cada vez mais infeliz na relação e o ama secretamente e o Dr. Louis Judd, psiquiatra que Reed contrata para tratar de Irena, mas que também acaba envolvido pela sedução intrigante da estrangeira.

Dado certo momento, a tensão crescente entre esse quarteto e o ciúme que Irena começa a sentir, vai saindo do seu controle e toda a sua repressão começa a despertar a “felina” dentro dela. Duas cenas são particularmente memoráveis: Nas duas, a rival Alice é perseguida e ameaçada por Irena, inclusive a clássica cena da piscina, porém tudo de uma forma subentendida, apenas através de vultos e rugidos do animal. E começa aí uma nova escola de filmes de terror, de não escancarar o monstro no plano principal e deixá-lo no imaginário do espectador, técnica essa emprestada dos filmes de suspense e noir.

Tourner quase abandonou o barco antes de terminar as filmagens, devido a uma pressão da RKO para que uma pantera de verdade aparecesse em duas cenas no lugar da atriz. Mas no final, mantém-se o apelo do inconsciente e a aparição do animal em cena, mesmo com o baixo orçamento do filme e a falta de recursos animatrônicos na época, acaba não atrapalhando, graças à forma como as cenas são conduzidas pelo diretor.

Quarenta anos depois, em 1982, Paul Schrader dirigiu uma nova versão misógina e sexualizada, estrelado por Nastassja Kinski e Malcom McDowell, que aqui no Brasil recebeu o nome de A Marca da Pantera, que assisti muito antes de ver o original, em algum Supercine ou Corujão da vida.

Uma mulher com ciúmes que vira uma fera. Qualquer semelhança com a realidade é mera coincidência



Marcos Brolia
Marcos Brolia
Jornalista, editor e idealizador do 101HM, é fanático por filmes de terror (ah, vá!) desde que se conhece por gente, dos classudos aos mais bagaceiras. Adoraria ter um papo de boteco com H.P. Lovecraft e virar um shot toda vez que ele falasse a palavra “indizível”.

0 Comentários

  1. […] poético da safra produzida por Val Lewton para a RKO Radio Pictures. Após o inesperado sucesso de Sangue de Pantera, o produtor teve carta branca e mais uma vez chamou o diretor Jacques Tourner, junto com os […]

  2. […] Val Lewton e durante seu período na RKO, dirigiu A Maldição do Sangue de Pantera (sequência de Sangue de Pantera) e O Túmulo Vazio. Isso o credenciou a MGM a contratá-lo para levar às telas a adaptação do […]

  3. […] o surpreendente sucesso de Sangue de Pantera, o produtor Val Lewton responsável pelo recém criado departamento de filmes de terror da RKO […]

  4. […] um filme de terror poético da safra produzida por Val Lewton para a RKO Radio Pictures (assim como Sangue de Pantera e O Homem Leopardo, ambos também dirigidos por Jacques Tourneur). O produtor já com carta branca […]

  5. […] Robson seguiu a cartilha que Jacques Torneur havia criado nos filmes anteriores para a RKO, como Sangue de Pantera, A Morta-Viva e O Homem Leopardo, utilizando muito bem o jogo de luz e sombras e mensagens […]

  6. […] se aproxima, e todos esses personagens, incluindo o Dr. Parry (interpretado por Kent Smith, de Sangue de Pantera), apaixonado por Helen que tenta ajudá-la a recuperar sua voz, estarão ligados dentro desse […]

  7. […] RKO de Val Lewton, responsável por alguns dos melhores filmes de terror da década de 40, como Sangue de Pantera, A Sétima Vítima e A Morta-Viva, tem na direção o diretor Robert Wise, o mesmo de filmes como […]

  8. […] Tourneur, que já havia emplacado alguns dos principais filmes de terror feitos até então: Sangue de Pantera, A Morta-Viva e O Homem Leopardo. O roteiro do filme, escrito por Charles Bennett, que comprou os […]

  9. […] Val Lewton e durante seu período na RKO, dirigiu A Maldição do Sangue de Pantera (sequência de Sangue de Pantera) e O Túmulo Vazio. Isso o credenciou a MGM a contratá-lo para levar às telas a adaptação do […]

  10. […] diretor Jacques Tourneur entregou como primeira produção da RKO, o clássico P&B Sangue de Pantera, um dos marcos do gênero e uma aula de suspense, criando o ensaio do subconsciente dos filmes de […]

  11. […] Twin Peaks: Os Últimos Dias de Laura Palmer, e presente na trilha sonora de tantos outros, como de Sangue de Pantera, de Paul […]

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *