485 – Natal Sangrento (1984)

silent-night-deadly-night-1984-poster1

Silent Night, Deadly Night

1984 / EUA / 79 min / Direção: Charles E. Sellier Jr. / Roteiro: Michael Hickey, Paul Caimi (história) / Produção: Ira Barmak, Scott Schneid e Dennis Whitehead (Produtores Executivos) / Elenco: Lilyan Chauvin, Gilmer McCormick, Toni Nero, Robert Brian Wilson, Britt Leach, Nancy Borgenicht, H.E.D. Redford

 

Paz na terra aos homens de boa vontade uma ova! Natal Sangrento é o politicamente incorretíssimo slasher oitentista que mete um machado nas mãos de um maluco psicopata vestido de Papai Noel nas proximidades da Noite Feliz, que sofreu todo tipo de abuso físico e psicológico durante a infância e tem seus 15 minutos de parafuso solto maníaco.

Fato que os slashers movies aproveitavam qualquer data comemorativa para sair trucidando gente por aí. Era Halloween, sexta-feira 13, dia dos namorados, e por aí vai. Mas aí chegamos ao ponto máximo da subversão, a festa cristã, sendo usada como pano de fundo para o banho de sangue, e olha que nem foi porque o maluco ficou ouvindo muito a enlouquecedora canção “Então é Natal” da Simone que bombardeia nossos tímpanos na ocasião festiva.

Mas o principal aspecto de Natal Sangrento foi ele ter se tornado cult exatamente pela perseguição que ele gerou por chutar o pau da barraca. Imagine o ultraje para os carolas de plantão e os defensores dos bons costumes ao ver o Papai Noel, bom velhinho símbolo máximo da bondade e do altruísmo matando gente com machadada, flechada, empalhamento, estrangulamento, cortando um sujeito com estilete, decapitando esquiadores e por aí vai?

Pendurando os enfeites de Natal

Pendurando os enfeites de Natal

Para você ter uma ideia, o filme ficou em cartaz apenas duas semanas. Pais conservadores fizeram um piquete contra a distribuidora, Tristar Pictures, coletando um abaixo assinado, tiveram apoio de importantes críticos cinematográficos como Roger Ebert e Gene Siskel, e Natal Sangrento foi retirado de cartaz depois de seis dias, proibido na Inglaterra onde nem chegou a estrear (claro que por conta do BBFC) e só viu a luz da vida novamente quando lançado em VHS em sua versão sem cortes. E um detalhe curiosíssimo é que ele entrou em cartaz no mesmo dia de A Hora do Pesadelo, e mesmo com um lançamento limitado, chegou a faturar meio milhão a mais que o filme de Freddy Krueger, que depois se transformaria no ícone que todos conhecemos (que acabou faturando mais no final das contas por ter mais tempo de exibição).

Isso só serviu para tornar Natal Sangrento icônico, cultuado e um bastião vivo anti-coxice. Mas cá entre nós, a trama é bem sórdida. O pobre garoto Billy Chapman (aos oito anos interpretado por Danny Wagner) está excitadíssimo com o Natal até seu avô maluco que vive no asilo sair da catatonia apenas para assustá-lo com uma história macabra sobre o Papai Noel. Na mesma noite ele é testemunha ocular do assassinato de seus pais (e estupro de sua mãe, diga-se de passagem) por um meliante vestido da personificação de São Nicolau. Pronto, já é motivo mais que suficiente para o guri ficar traumatizado pelo resto da vida e odiar o Natal.

Passando a infância e a pré-adolescência em um orfanato comandado por freiras, Billy agora com 15 anos (Jonathan Best) comerá o pão que o diabo amassou na mão da intolerante e severa Madre Superiora (Lilyan Chauvin) até o fatídico dia que será flagrado espiando uma freirinha dando para um rapaz e levar uma daquelas surras de cintas dolorosíssimas. A partir daí, sexo e castigo passaram a se misturar e ele incorpora os ensinamentos da Madre Superiora de que pecado merece uma punição severa.

Você não foi um bom menino!

Você não foi um bom menino!

Mas aos 18 anos (agora vivido por Robert Brian Wilson), Billy está regenerado. É um bom sujeito, não bebe, é trabalhador e tudo vai mil maravilhas em sua vida e em seu emprego em uma loja de brinquedos, onde tem até uma paquerazinha. Até que chega o fatídico Natal. Os seus chefes o vestem de Papai Noel e então o rapaz chega às raias da loucura quando na festinha da firma vê um dos funcionários tentando estuprar outra funcionária no depósito. Daí meu amigo, Billy se transforma no psicopata vestido de vermelho, preto e branco e sai por aí aplicando suas deturpadas diretrizes de punição.

Há diversas cenas emblemáticas durante o impulso assassino do rapaz. Entre elas quando ele ceifa a vida da scream queen Linea Quigley (que ADORA aparecer nua em todos os filmes, como a punk de A Volta dos Mortos-Vivos ou a biscate de A Noite dos Demônios) pregando a moça nos chifres da cabeça de um veado empalhado de troféu, ou o momento terrivelmente delicioso cheio de humor negro quando um policial, na caça do Papai Noel psicopata, descarrega o pente na pessoa errada, o padre do orfanato fantasiado que não parou aos comandos do policial por ser surdo! E ainda meta na conta do politicamente incorreto do longa o desfecho – ALERTA DE SPOILER – quando Billy vai ao encontro da Madre Superiora para se vingar e é baleado friamente na frente das criancinhas, provavelmente dando origem a diversos outros “Billies”.

Mas daí para achar que o filme influenciaria a molecada e passaria uma imagem perversa do Papai Noel é demais para minha cabeça. Reflexo do conservadorismo pungente da Era Reagan. Natal Sangrento provocou uma perseguição feroz e injusta ao melhor estilo “tochas e forcados” da inquisição e tudo bem que esse anti-marketing até ajudou no sucesso posterior do filme, mas é extremamente maléfico a qualquer sociedade esse tipo de censura. Hoje vimos até Papais Noeis assassinos em séries de TV, como na segunda temporada de American Horror Story. E apesar dos apesares, o maior vilão do filme não é Billy, e sim a Madre Superiora e seus preceitos católicos intolerantes e arcaicos que são usados de forma firme e forte até hoje.

Natal Sangrento teve mais quatro continuações e rendeu um Horrorcast natalino. Recomendo assisti-lo logo depois da ceia com a família toda reunida ou então no horário do especial do Roberto Carlos. Esse sim merecia uma punição de Billy com seu machado!

Papai Noel, filho da...

Papai Noel, filho da…

Assista ao episódio do videocast do 101 Horror Movies comentando Natal Sangrento:

Serviço de utilidade pública:

O DVD de Natal Sangrento não foi lançado no Brasil.

Download: Torrent + legenda aqui.

 

 


Marcos Brolia
Marcos Brolia
Jornalista, editor e idealizador do 101HM, é fanático por filmes de terror (ah, vá!) desde que se conhece por gente, dos classudos aos mais bagaceiras. Adoraria ter um papo de boteco com H.P. Lovecraft e virar um shot toda vez que ele falasse a palavra “indizível”.

4 Comentários

  1. Marcus Vinícius disse:

    Parece ser uma febre da época transformar datas felizes em chamarizes de assassinos. Mas quase não me impressionou no Horrorcast, se comparado com Uma Noite de Fúria, onde o verdadeiro Papai Noel passa a matar todo mundo, digno de um Horrorcast aliás.
    P S: e os Horrorview e os top 5? Tô esperando um top do Zé do Caixão.

  2. Preciso do filme completo, sem os comentario de vcs, se possivel com legenda rs. Onde consigo?

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

%d blogueiros gostam disto: