486 – A Noite do Cometa (1984)

 

night_of_comet_poster_01

Night of the Comet

1984 / EUA / 95 min / Direção: Thom Eberhardt / Roteiro: Tom Eberhardt / Produção: Wayne Crawford e Andrew Lane, Nancy Israel e Sandra Scheik (Produtores Associados), Thomas Coleman e Michael Rosenblatt (Produtores Executivos) / Elenco: Robert Beltran, Catherine Mary Stewart, Kelli Maroney, Sharon Farrell, Mary Woronov

 

Amigos e amigas, que filmeco chato! Eu nem sei por que eu decidi colocar A Noite do Cometa nesta lista. Na verdade eu sei sim. Só para ter o prazer de achincalhá-lo com gosto. Tá bom que ele tem um valor nostálgico indiscutível já que vomita os anos 80 em cada frame (figurino, cabelos, luzes de neon, músicas pop), mas eu juro que preferia meus 95 minutos de vida de volta.

Naqueles idos dos anos 80 havia uma “febre do cometa” rolando. O filme aqui citado é de 1984 e todo munda estava na expectativa da passagem do famoso cometa Halley em 1986, que frustrou uma cambada de gente que saiu na rua para ver o corpo celestial a olho nu e não viu porcaria nenhuma. Claro que isso serviu de pano de fundo para despertar a criatividade de Hollywood e explorar o fato para criar histórias de ficção científica.

O diretor e roteirista Thom Eberhardt surfou na calda do cometa (tá, foi infame) e lançou esse insosso thriller zumbi/ sci-fi/ apocalíptico que tem um potencial maravilhoso, mas que virou um filme burocrático, nada inspirado e símbolo da cafonalha oitentista. Para começo de conversa, não espere um filme zumbi gore ou splatter. Acho que se não me engano, quatro ou cinco zumbis aparecem durante TODO o longa.

A pegada aqui é mais uma cópia deslavada de A Última Esperança da Terra (aquele do Charlton Helston baseado no livro famoso Eu Sou a Lenda de Richard Matheson). Um cometa passa pela terra, deixa o céu laranja como em um crepúsculo perpétuo e dizima praticamente toda a população mundial por conta da radiação transformando-os em pó. Claro que alguns resistem e são transformados em zumbis. Assim como duas adolescentes, Regina (Catherine Mary Stewart) e sua irmã mais nova, Samantha (Kelli Maroney) que devem viver naquele mundo deserto em busca de outros sobreviventes.

Véspera do jogo da Seleção Brasileira em Copa do Mundo

Véspera do jogo da Seleção Brasileira em Copa do Mundo

Nesse meio tempo elas encontram Hector (Robert Beltran) que rapidamente se transforma na paixonte de Regina dentro da estação de rádio local. Enquanto ele precisa voltar para San Diego para checar se sua família sobrevivera, as duas moças, ao melhor estilo Despertar dos Mortos, vão para o shopping center deixar transbordar seu espírito consumista e se veem as voltas com um bando de punks que tomaram o local para eles e começam a caçá-las. Nesse ínterim também descobrimos que uma agência governamental de cientistas sobreviveu ao incidente e desesperadamente procuram por uma cura para a infecção radioativa, usando até sobreviventes como cobaias humanas (nisso inclui criancinhas) e extraindo seu sangue para estudos.

Você lendo essa resenha deve pensar: CARALHO, filmaço. Tinha tudo para tal. Mas a direção preguiçosa e o roteiro raso de Eberhardt, que erra tanto na ficção, quanto no uso dos zumbis, quanto na velha mensagem de que “os humanos são o maior perigo”, quanto nos diálogos primários, transforma A Noite do Cometa num marasmo que demorou três dias para terminar de ser visto por mim, dormindo todas as tentativas um um sono dos justos.

Fora o quanto é piegas e as soluções da trama são infantilóides, aquele finalzinho coroa tudo de ruim que o filme apresentou. Sou obrigado a cornetar então lá vai o ALERTA DE SPOILER (pule para o próximo parágrafo ou leia por sua conta e risco). Depois de todos os mocinhos se darem bem, cinco zumbis terem aparecido durante todo esse tempo e não representar absolutamente nenhum perigo de verdade e eles terem se safado dos cientistas malvados, eis que Regina, Hector e duas crianças resgatadas começam a viver como uma família com o “peso da humanidade recaindo sobre seus ombros” e Sam está entendiada, sozinha, emburrecida, quando um playboyzinho yuppie também sobrevivente aparece em seu conversível (!!!!) e a chama para dar uma volta. Sobe o crédito com uma música cafona típica daquela década: “Learn to love again” de Chris Farren. QUASE VOMITEI!

O filme ainda quase foi chamado de Teenage Mutant Horror Comet Zombies. Aí sim seria digno! Que por mais que tenha pitadas de comédia, crítica social, militar e política e algum humor negro, nada disso se sustenta e para mim, ele se leva a sério demais. Sei lá, há quem ache A Noite do Cometa um clássico, subestimado, retrato de uma década e um bom filme. Eu acho um porre. E tenho dito!

Ah, tem zumbis no filme...

Ah, tem zumbis no filme…

Serviço de utilidade pública:

O DVD de A Noite do Cometa não foi lançado no Brasil.

Download: Torrent + legenda aqui.


Marcos Brolia
Marcos Brolia
Jornalista, editor e idealizador do 101HM, é fanático por filmes de terror (ah, vá!) desde que se conhece por gente, dos classudos aos mais bagaceiras. Adoraria ter um papo de boteco com H.P. Lovecraft e virar um shot toda vez que ele falasse a palavra “indizível”.

5 Comentários

  1. Vinicius Ribeiro disse:

    Achei divertido, levei dois dia será ver também, mas não engoli o lance a irmã ressuscitar sem explicações e salvar o dia, de resto, achei um prato de inspiração, divertido, néon e um pouco de morte e ombreiras.

  2. Rudá Frias disse:

    Achei o filma muito bom, bem nostálgico. Adorei. Realmente os zumbis poderiam ter tido uma participação maior no longa, ou terem representado algum perigo de verdade. Mas de resto, achei muito bom. Me diverti bastante assistindo.

  3. Evelyn disse:

    Hahahha este filme esta disponível na Netflix… E sinceramente a única coisa boa do filme é a música (girls just wanna haven fun) que toca na cena do shopping e também não é a versão com a Cindy Lauper.

  4. gaga disse:

    Acabei de assisti-lo no Netflix e achei a sua crítica bem sensata, e olha que a minha tolerância à filmes trash é bem alta. Tosco acima do limite do suportável e completamente sem sentido. Não vejam

  5. bruno knott disse:

    considero o filme um bom divertimento justamente por ele não sr levar a sério. tem vários defeitos, mas é um guilty pleasure que merece um pouco de atenção.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

%d blogueiros gostam disto: