493 – Dia dos Mortos (1985)

day_of_dead_poster_01

Day of the Dead

1985 / EUA / 103 min / Direção: George A. Romero / Roteiro: George A. Romero / Produção: Richard P. Rubinstein, David Ball (Coprodutor), Ed Lammi (Produtor Associado), Salah M. Hassanein (Produtor Executivo) / Elenco: Lori Cardille, Terry Alexander, Joseph Pilato, Jariath Conroy, Anthony Dileo Jr., Richard Liberty, Sherman Howard

 

Eis que depois da noite, do despertar, e principalmente, depois do ciclo italiano de zumbis, George Romero volta aos seus monstros mortos-vivos favoritos para concluir o que seria a sua trilogia da hecatombe zumbi em Dia dos Mortos.

Antes de analisar Dia dos Mortos é necessário fazer uma linha do tempo do cinema zumbi desde que Romero reinventou o terror moderno em A Noite dos Mortos-Vivos nos anos 60. Bem sabemos que até então o zumbi era produto de feitiçaria caribenha e só mesmo em 1968 que ele se transformou em um cadáver ambulante canibal (trazido à vida por meio de radiação) e afastou-se da luta de classes nas Antilhas para se tornar seu vizinho ou ente querido. Na década seguinte, Despertar dos Mortos mais uma vez inovou o gênero e deu início a insurreição que vemos até hoje em filmes, seriados de TV, videogames e quadrinhos.

Nesse meio tempo entre Despertar e Dia dos Mortos (um hiato de sete anos) eis que Lucio Fulci transformou o morto-vivo em um ser maltrapilho, putrefato e expôs todo o potencial visceral splatter que essas criaturas míticas poderiam alcançar desde seu Zumbi 2 – A Volta dos Mortos (que nada mais é que inspiração rasgada de Despertar dos Mortos). Uma infinidade de filmes de zumbis italianos surgiram na esteira explorando cada vez mais o fetiche pelo gore e pela carne. Era um caminho sem volta que acabou por influenciar o mestre em seu retorno retumbante.

Em Dia dos Mortos, após os acontecidos de Despertar dos Mortos a humanidade perdeu a batalha e o mundo tornou-se um lugar inóspito tomado por zumbis. Tom Savini em seu auge retoma a maquiagem, deixando de lado todo o ar cartunesco dos zumbis de Despertar e mostrando-os como seres em decomposição afetados pelo tempo (como um dos emblemáticos zumbis sem maxilar da sequência inicial). A selvageria e a brutalidade gráfica atingem seu auge na filmografia de Romero, dando direito as sequências mais grosseiras da trilogia, como um zumbi que “deixa cair” todos seus órgãos internos ao se mover em uma maca, ou os terríveis ataques em seu final quando cabeça, tronco e membros são separados de um dos soldados por uma horda de mortos.

Bub mais educado que os funkeiros no ônibus

Bub mais educado que os funkeiros no ônibus

A crítica social inerente à sobrevivência humana continua ali escancarada, violando códigos de ética, conduta, raça e credo, mas o tom do longa dessa vez é muito mais depressivo, soturno. Esqueça os delírios de consumo de um shopping center só para você. Aqui os heróis, que muito se misturam com os vilões, vivem às raias da loucura, cercados por uma estafa mental e um descontrole emocional, como se manter o fardo da humanidade fosse uma bomba relógio prestes a explodir. E também há de se reparar que o começo do filme se passa exatamente na Flórida, o ponto mais próximo dos EUA das ilhas caribenhas, mais uma volta que o ciclo do monstro dá em torno de sua própria origem, mesmo que subentendido.

Um grupo díspar de cientistas e militares estão às turras em um bunker enterrado no subsolo. Sarah (Lori Cardille) é a suposta mocinha da trama, que faz parte da junta científica junto de Fisher (John Amplas) e o Dr. Logan (Richard Liberty) mais conhecido pelo infame apelido de Dr. Frankenstein. Suas missões é tentar entender a epidemia e possivelmente encontrar uma cura, algo que vem se mostrando extremamente infrutífero. Enquanto Sarah e Fisher tentam buscar resposta por meio de pesquisas, o carniceiro Dr. Logan faz todo tipo de experimento visceral com os mortos e insiste na teoria de domesticação (leia-se escravidão, voltando mais uma vez ao ponto alto da crítica de Romero) e tem uma cobaia, a icônica figura do dócil zumbi Bub (Sherman Howard), que tenta controlá-lo e fazer se lembrar de experiências de vida passada, como ouvir música, fazer a barba e ler Stephen King, em troca de pedaços de carne humana.

Do outro lado da moeda estão os militares liderados pelo ditatorial Rhodes (Joseph Pilato) que estão começando a ficar impacientes com seus homens sendo mortos na busca por mais cobaias para testes, a falta de resultados concretos e está a um passo de estourar com os cientistas, aumentando exponencialmente cada vez mais o rastilho de pólvora enquanto eles brigam entre si sem parar. Neutros entre os dois grupos estão John (Terry Alexander), negro espirituoso e com sotaque carregado que mais uma vez remete ao Caribe, lar da origem do mito, único capaz de pilotar o helicóptero e McDermott (Jariath Conroy), especialista em comunicações.

Como de praxe na obra morta-viva de Romero, o grande mal à humanidade não são os zumbis e sim os próprios homens. Mais uma vez, como acontecera em A Noite dos Mortos-Vivos e Despertar dos Mortos, o que coloca tudo a perder e desestabiliza o status quo para a catástrofe final é a mesquinharia, a intolerância e as atitudes impensadas dos próprios homens. Enquanto em A Noite a inconsequência da explosão da bomba de gasolina misturada ao descontrole emocional do personagem de Karl Hardman decretam o fim do grupo e em Despertar a invasão dos motoqueiros ao shopping é seguida pelo ataque dos zumbis, aqui em Dia o latino Miguel (Anthony Dileo Jr.), namorado de Sarah é que em um estágio avançadíssimo de estresse manda tudo às favas e abre os portões para que os cadáveres invadam o complexo e façam seu banquete.

De cair o queixo!

De cair o queixo!

Mas o mais interessante de Dia dos Mortos, tendo em visto a gama de atitudes estúpidas humanas, é como Romero inverte o papel do mocinho e do bandido fazendo com que simpatizemos com os zumbis, principalmente por conta de Bub, uma vez que seus pares são vivissecados (quer dizer, sei lá se essa palavra se aplica pois eles não estão tecnicamente vivos), explorados, humilhados e trucidados. Chegando próximo de sua conclusão você passa a torcer para os mortos. Mas apesar do tom pesado, de todos os três filmes, esse é o primeiro que de fato traz uma mensagem de esperança em seu final aberto e “feliz”, sugerindo que talvez, apesar dos apesares, as praias do Caribe sejam a verdadeira solução para que esse ciclo se feche.

Mas para efeito imediato de conversa, Dia dos Mortos não agradou o público e nem crítica, principalmente por sua intensa deliberação sobre mazelas humanas e papel dos homens na antiga e nova sociedade, seu ritmo lento e sua mensagem extremamente depressiva. Com orçamento de três milhões de dólares, diversas dificuldades durante as filmagens pela falta de verba e por ter sido lançado em um período em que o cinema de terror era descompromissado e nem um pouco crítico, o longa afundou nas bilheterias faturando somente 5 milhões de dólares e tendo um resultado um pouco melhor no mercado internacional. Fora também que naquele ano de 1985, o teor apocalíptico sem um pingo de esperança que remetia ao cinema zumbi de Romero havia sido completamente substituído pelos zumbis dançarinos do videoclipe de Thriller de Michael Jackson e os comedores de miolos piadistas de A Volta dos Mortos-Vivos de Dan O’Bannon, que ajudaram ainda mais para que o público repudiasse o longa de Romero.

O resultado catastrófico enterrou a carreira de Romero que nunca mais conseguiu dirigir nada de relevante depois e levou quase vinte anos até que ele finalmente voltasse ao gênero e lançasse a última parte que completaria sua agora tetralogia, Terra dos Mortos, reaproveitando elementos que estariam no roteiro original de Dia dos Mortos mas que tiveram de ser cortados pela falta de verba.

Modo de preparo

Modo de preparo

Serviço de utilidade pública:

O DVD de Dia dos Mortos está atualmente fora de catálogo. Compre o Blu-ray aqui.

Download: Torrent + legenda aqui.

 


Marcos Brolia
Marcos Brolia
Jornalista, editor e idealizador do 101HM, é fanático por filmes de terror (ah, vá!) desde que se conhece por gente, dos classudos aos mais bagaceiras. Adoraria ter um papo de boteco com H.P. Lovecraft e virar um shot toda vez que ele falasse a palavra “indizível”.

14 Comentários

  1. Ivan disse:

    Foi um filme que destestei quando criança e passei a amar quando adulto. Realmente é um filme lento, mas procura explicar os fatores psicologicos dos personagens diante de uma situação complicada. Realmente cheguei a torcer pelos zumbis no final, e supondo que algo assim acontecesse na realidade, não seria muito diferente do que ocorre nesse filme, pois a mesquinharia humana não tem limites. Dos filmes com zumbis eu acredito ser o mais crítico e social. É uma pena que a época não o favoreceu.

  2. Paulão Geovanão disse:

    E depois de “Terra” “Diário” e “Ilha dos mortos”

  3. Marcus Vinícius disse:

    Um filme legal, mas quando fui ger pensei que ia ter mais personagens. Também que eu estou com a visão zoada, sem conseguir focar bem em algumas cenas dos filmes, aí minha análise ficou prejudicada.

  4. Marcus Vinícius disse:

    Tô me inspirando a fazer no futuro um filme de zumbi se passando em São LuisdoMaranhão, minha cidade natal. Os zumbis serão uka metáfora do caos em que a capital infelizmente está. Aguardem para a lista!!!!!

  5. pedro disse:

    Po!, tudo bem que gosto é gosto e não se discute, mas pera ai querer dizer que Zombie-O despertar dos mortos é um farapo de enredo do
    despertar dos mortos exagerar na doze de Dolly, Charrua Cola ou Guarana Jesus porque por favor Zombie embora tenha seus efeitos toscos é 10 vezes melhor do que Dia dos mortos é tem um enredo totalmente diferente de Despertar dos mortos. E em tão por favor não fiquem dizendo que um filme é melhor do que o outro só poe causa de um diretor, ator etc

  6. […] então sua trilogia dos mortos, que contou com A Noite dos Mortos-Vivos, Despertar dos Mortos e Dia dos Mortos, e deixando de lado os zumbis putrefatos canibais, resolveu encarar a empreitada de um terror […]

  7. […] filmes de terror que chegavam ao país, como O Massacre da Serra Elétrica, A Morte do Demônio e Dia dos Mortos, não submetendo o filme para avaliação do órgão regulador do […]

  8. Braiam Carati disse:

    O Miguel não é o namorado da Sarah, hehe

  9. […] Everett Burrell (que trabalhara na equipe de Kevin Yagher e de Stan Winston e tem em seu currículo Dia dos Mortos, Vamp – A Noite dos Vampiros, Aliens – O Resgate, O Escondido, Dois Olhos Satânicos, a […]

  10. […] toscas (desenvolvidas por Nicotero e Berger, que começaram como assistentes de Tom Savini em Dia dos Mortos e hoje ocupam o trono dos principais maquiadores do cinema de terror, sendo responsável pelos […]

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

%d blogueiros gostam disto: