52 – O Filho de Drácula (1943)

son_of_dracula_1943_poster_01


Son of Dracula


1943 / EUA / P&B / 80 min / Direção: Robert Siodmak / Roteiro: Eric Taylor, Curt Siodmak (história) / Produção: Ford Beebe; Donald H. Brown (Produtor Executivo); Jack J. Gross (Produtor Executivo – não creditado) / Elenco: Lon Chaney Jr., Robert Paige, Louise Allbritton, Evelyn Ankers, Frank Craven, J. Edward Bromberg


 

Estou de volta. Depois de merecidos descansos, o blog volta com tudo em 2013 para continuar sua lista dos 1001 filmes de terror para se ver antes de morrer. Ou ser morto…

E agora Lon Chaney Jr. pode dizer que interpretou todos os monstros da Era de Ouro da Universal (afinal o ator já encarnou o lobisomem, a múmia e o monstro de Frankenstein), fazendo o papel de vampiro mor em O Filho de Drácula. Mas cá entre nós, que filmezinho vagabundo!!!

Primeiro para começar pelo título. Por que diabos ele se chama O Filho de Drácula, se não há nenhuma prole masculina do Conde? Durante o filme todo o personagem vampírico é retratado como se fosse o Conde Drácula em pessoa. Ou Alucard, um anagrama para seu nome. Nunca como filho dele! Segundo, a quem o Lon Chaney tenta enganar? É patético vê-lo assumir a capa e presa de Bela Lugosi em uma atuação terrível, usando um bigode safado de gaiato e sem a menor pinta aristocrata que o ator húngaro tinha.

Terceiro, que história mais meia boca, hein Sr. Curt Siodmak? Nem parece que antes havia escrito os bons O Lobisomem, A Volta do Homem Invisível e Frankenstein Encontra o Lobisomem. O Drácula vai parar no pântano da Louisiana, atrás da Srta. Katherine Caldwell, admiradora do oculto, herdeira de uma extensa propriedade, após ter conhecido o Conde em uma viagem à Hungria. Opa, espere um pouco. Hungria? Isso é uma afronta a Bram Stoker, e a mim e a meus descendentes romenos. A Transilvânia fica na ROMÊNIA. RO-MÊ-NIA! E não na Hungria. Porque a Universal tem essa mania escrota de deturpar nomes e lugares em suas adaptações?

Mas é o Drácula ou o Mazzaropi?

Mas é o Drácula ou o Jeca?

Ai rola toda uma trama sem pé nem cabeça, que nem vale a pena ficar gastando seu precioso tempo lendo e nem o meu escrevendo. Drácula se casa secretamente com Katherine e depois a transforma em vampira; o médico do local, o Dr. Harry Brewster contata um especialista no oculto, o Prof. Lazlo para ajudá-lo contra os vampiros; o ex-noivo de Katherine, Frank Stanley acredita que matou a moça ao atirar em Drácula e as balas passarem por ele… Um monte de bobagens que nem assusta e nem impressiona os telespectadores.

A única coisa legal, para os fãs da tosqueira, é que os efeitos especiais são os piores possíveis, não propositalmente querendo ser um filme trash, mas por limitação de época mesmo. Morcegos de borracha amarrados por fios de arame, que se transformam no Drácula em um corte, névoas translúcidas e tudo mais, estão ali para nos divertir e distrair um pouco do script horrendo, das atuações péssimas e da direção preguiçosa.

O trágico é que dentre todas as sequências dos filmes de monstro da Universal, as continuações de Drácula são as piores disparadas. Tanto O Filho de Drácula, quanto o anterior A Filha de Drácula, são duas bombas que não deveriam nem ter sido feitas. Bem diferente do que aconteceu com as duas sequências posteriores de Frankenstein, por exemplo. Até mesmo a franquia A Múmia e O Homem Invisível tiveram continuações melhores do que essa daqui. Pobre Conde…

Drácula, o galanteador

Drácula amante latino


.[youtube=http://www.youtube.com/watch?v=B0rPaeTHJmY]


Marcos Brolia
Marcos Brolia
Jornalista, editor e idealizador do 101HM, é fanático por filmes de terror (ah, vá!) desde que se conhece por gente, dos classudos aos mais bagaceiras. Adoraria ter um papo de boteco com H.P. Lovecraft e virar um shot toda vez que ele falasse a palavra “indizível”.

0 Comentários

  1. rocky gadelha disse:

    Pelo que você contou, deve ser incrível e me lembrou um filme que vi, dos anos 50, cujo nome não me recordo, mas se passava em uma ilha, não sei onde, com árvores que se transformavam em pessoas, para se vingarem. Acho que supera O Filho de Drácula.

  2. […] por escrever O Lobisomem e tantos outros filmes da Universal como A Volta do Homem Invisível, O Filho de Drácula e A Casa de Frankenstein, além do clássico de zumbis de Jacques Tourneur, A Morta-Viva. Mas isso […]

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *