524 – Troll – O Mundo do Espanto (1986)

troll_1_poster_01

Troll

1986 / EUA / 82 min / Direção: John Carl Buechler / Roteiro: Ed Naha / Produção: Albert Band; Debra Dion (Produtora Associada); Charles Band (Produtor Executivo) / Elenco: Noah Hathaway, Michael Moriarty, Shelley Hack, Jenny Beck, Phil Fondacaro, June Lockhart, Sonny Bono, Julia Louis-Dreyfus

O universo fantástico de criaturas míticas como guerreiros, princesas, trolls, fadas, duendes e por aí vai, já rendeu diversos filmes sensacionais que encantaram gerações e continuam fazendo (como exemplos recentes a trilogia de Senhor dos Anéis, O Hobbit e até o seriado da HBO, Game of Thrones). Mas em compensação, esse mesmo mundo mágico é pano de fundo para uma das MAIORES PORCARIAS TRASH já feitas: Troll – O Mundo do Espanto.

Se você era uma daqueles que acompanhou a efêmera vida do Cine Trash ou Cine Sinistro da Band (onde ganhou o título de Torok: O Duende) já deve ter se deparado com a monstruosidade fílmica de John Carl Buecher (ou então com sua abominável trasheira suprassuma continuação, Troll 2 de Claudio Fragasso, mas isso fica para outro post). Esse filme é tão ruim, que chega a ser péssimo.

Mas claro que para um absurdo desses ter ganhado vida, o nome por trás só poderia ser de Charles Band e sua inigualável Empire Pictures. Band foi um dos campeões do trash que surgiu produzindo o clássico Armadilha Para Turistas e daí pra frente nos brindou com pérolas como Re-Animator – A Hora dos Mortos-Vivos, Do Além, Ghoulies, Monster – A Ressurreição do Mal, Bonecos da Morte, O Monstro Canibal e muitas outras películas desse calibre.

Garotinha levada

Garotinha levada

Mas definitivamente acho que Troll – O Mundo do Espanto é o pior exemplar de terror/ fantasia da Empire, porque não há sequer um único motivo para se dispor a perder 90 minutos da sua vida vendo isso, a não ser que você seja um doente ou esteja escrevendo algum blog para outros doentes lerem. Logo no primeiro frame você já solta um: “vixe, aí vem bomba” com aqueles desenhos de contos de fada, princesas, príncipes e duendes. E não melhora em nada até seu término.

A família Potter, cujo patriarca é o HARRY POTTER (que se mudou de Hogwarts para o subúrbio de São Francisco? – não, é o personagem de Michael Moriarty) está de casa nova com sua esposa Anne (Shelley Hack), seu filho mais velho, Harry Potter Jr. (Noah Hathaway) e a garota loirinha Wendy (Jenny Beck). No porão/ lavanderia do prédio a menina descobre que um feioso Troll que usa um anel da tropa dos Lanterna Verde mora por lá e toma posse do corpo da guria.

Claro que um Troll só poderia fazer trollagens e tocar o terror no prédio repleto de vizinhos estereotipados, com o intuito de transformar seus apartamentos em uma espécie de floresta encantada repleta de duendes malignos, orcs, elfos, ninfas e outras criaturas. Só que ele não sabe que no último andar mora uma espécie de bruxa, Eunice St. Claire (June Lockhart), única com poderes e conhecimento mágico para rivalizar com a insidiosa criaturinha peluda e nariguda. Até rola uma rixa pessoal porque na verdade, o tal Troll antes era Torok, um poderoso mago, que era seu amado, que consumido pela busca do poder começou uma guerra entre o mundo mágico e dos humanos. Torok foi transformado em um Troll como punição e passou a eternidade querendo novamente causar essa ruptura e fundir os dois mundos sendo seu governante supremo. Eunice ensina algumas dicas de magia para Harry Potter Jr. (RÁ) e ele é o único que pode salvar sua irmã e nossa realidade.

Mutação!

Mutação!

A história já é mambembe e infantilizada, mas os efeitos especiais, caro fã do horror, são os mais toscos possíveis. Enquanto o tosco Troll parece uma versão anã do Lula (vivido por Phil Fondacaro, que também aparece sem maquiagem como o portador de nanismo Malcolm Mallory, quem faz amizade com Wendy/Torok) cada um dos outros seres de stop motion que vão surgindo dos apartamentos transformados em floresta da Disney de baixo orçamento conseguem ser piores que o anterior. Isso sem contar o cogumelo cantante e cheio de expressões que vive com Eunice.

Entre as presenças ilustres no elenco de Troll – O Mundo do Espanto (e o que diabos quer dizer esse subtítulo? – que obviamente foi colocado durante a “espantomania” em que vários lançamentos ganhavam esse adjetivo) estão Sonny Bono (ex-da Cher e coisa e tal) e Julia-Louis Dreyfus, em seu primeiro papel no cinema, que mais tarde brilharia como a Elaine de Seinfield. Para queimar o filme de qualquer um.

O mais legal dessa história toda é que em 2011, Buecher puto com o sucesso do bruxinho da J.K. Rowling que “roubou” o nome de seu personagem (que vejam só, enfrenta criaturas de um mundo mágico), anunciou um remake que teria o título “Troll: The Rise of Harry Potter”, só pra trollar mesmo. Claro que não foi para frente.

A trasheira sem fim, a precariedade dos efeitos visuais somadas às interpretações caricatas dá todo o tom de humor involuntário a Troll – O Mundo do Espanto. É aquele famoso exemplar do “terrir” dos anos 80, mas que até se leva a sério em alguns momentos, mas não tem o menor cacife para isso. Vale só por aquele velho e maldito saudosismo e para aqueles que curtem mesmo uma porcaria da brava.

Companheiros e companheiras...

Companheiros e companheiras…

Serviço de utilidade pública:

O DVD de Troll – O Mundo do Espanto não foi lançado em DVD.

Download: torrent + legenda aqui.


Marcos Brolia
Marcos Brolia
Jornalista, editor e idealizador do 101HM, é fanático por filmes de terror (ah, vá!) desde que se conhece por gente, dos classudos aos mais bagaceiras. Adoraria ter um papo de boteco com H.P. Lovecraft e virar um shot toda vez que ele falasse a palavra “indizível”.

0 Comentários

  1. Diego disse:

    Esse é muito ruim, mas a continuação é ainda pior.

  2. Paulão Geovanão disse:

    John Carl Buechler dirigiu a sétima parte de Sexta-Feira 13. Mas isso é assunto pra um próximo post.

  3. […] e Brian Yuzna, outros eram verdadeiras porcarias que não dá o menor gosto de assistir, como Troll – O Mundo do Espanto. Mas o diretor e roteirista em nenhum momento leva este daqui a sério e no meio de todo seu […]

  4. […] próprio diretor John Carl Buechler (gabaritado ao cargo por ter dirigido nada mais nada menos que Troll – O Mundo do Espanto. Se você não percebeu, estou sendo sarcástico) que nos apresenta um Jason completamente […]

  5. […] começar sabe qual a ligação de Troll 2 com Troll – O Mundo do Espanto, dirigido por John Carl Buechler? Niente! Os produtores espertalhões, ao melhor estilo italiano, […]

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

%d blogueiros gostam disto: