526 – A Visão do Terror (1986)

TerrorVision poster

Terrorvision

1986 / EUA / 83 min / Direção: Ted Nicolaou / Roteiro: Ted Nicolaou / Produção: Albert Band; Debra Bion, Michael Wolf (Produtores Associados); Charles Band (Produtor Executivo) / Elenco: Diane Franklin, Gerrit Graham, Mary Woronov, Chad Allen, Jon Gries, Bert Remsen

“Pessoas da Terra, seu planeta está prestes a ser destruído. Sentimos muito pelo inconveniente”. Claro que esse tipo de diálogo (que também é a tagline do pôster) só poderia vir de uma típica podreira trash dos anos 80, produzida por Charles Band em sua Empire Pictures.

Assim, talvez o superlativo grandessíssima podreira trash se encaixe melhor no caso de A Visão do Terror, dirigido e escrito por Ted Nicolaou. Sabemos que Band tinha como meta ser uma espécie de Roger Corman dos anos 80, e por isso suas produções beiravam o limite do mau gosto técnico, dramatúrgico e de roteiro. Porém há de se tirar o chapéu pela coragem em transformar o próprio gênero em escracho com produções completamente nonsense.

E a Visão do Terror é o caso perfeito disso. Enquanto os filmes da Empire dividiam-se entre o trash e o splatter interessantes, como o caso das adaptações de H.P. Lovecraft da dupla Stuart Gordon e Brian Yuzna, outros eram verdadeiras porcarias que não dá o menor gosto de assistir, como Troll – O Mundo do Espanto. Mas o diretor e roteirista em nenhum momento leva este daqui a sério e no meio de todo seu escracho incontido, serve como uma homenagem ao cinema de terror (principalmente o sci-fi das matinés dos anos 50) e uma crítica também aos exageros do gênero e dos movimentos culturais da década.

Anos 80, charrete que perdeu o condutor...

Anos 80, charrete que perdeu o condutor…

Tá, parece um pouco pretensioso demais pensar em um ensaio sociológico inserido em uma porcaria como A Visão do Terror, mas para aqueles que querem ver ou além dos efeitos especiais toscos, os personagens caricatos e a história estapafúrdia, ou além do simples e pobre cinema B (para aqueles detratores de plantão que nem deveria estar em um blog como esse), está lá nas entrelinhas.

Começa pela estrutura familiar dos Putterman, a família que acabou de comprar uma antena parabólica e fica vidrada nas maravilhas da televisão a cabo, e inadvertidamente recebe na transmissão um monstro espacial que é transformado em energia pura pela estação de tratamento de lixo de Plutão (???!!!) e enviado para os confins do universo. O casal Stanley (Gerrit Graham) e Rachel (Mary Woronov) são adeptos do swing, totalmente liberais e moram em uma casa kitsch de paredes vermelhas, quadros de pinturas eróticas e um quarto com jacuzzi; seu filho Sherman (Chad Allen) é um garoto revoltado problemático cujo sonho é servir o exército e adora brincar com metralhadoras e granadas de verdade, influenciado pelo Vovô (Bert Remsen) típico republicano armamentista da era Reagan – que tenta emplacar um negócio de alimentos sustentável baseado em rabos de lagartixa (???!!!) e sua filha Suzy (Diane Franklin) é uma afetadinha viciada em MTV (que diz que depois da música e da comida, e televisão é a invenção mais importante da humanidade) que emula roupas que misturam o visual de Madonna e Cindy Lauper (mais estereótipo impossível).

No rol dos personagens esquisitos, ainda há espaço para o metaleiro farofa mongol poser, O.D. (Jon Gries), namorado de Suzy, e a apresentadora do programa de filmes B da televisão, Medusa (Jennifer Richards), clara sacanagem com Elvira e todas as suas vertentes. Junte tudo isso a um casal que aparece na casa dos Putterman para um troca troca, o grego exagerado Spiro (Alejandro Rey) e a tapada Cherry (Randi Brooks) e temos a equação completa de “como zoar os anos 80 com propriedade”. Daí para frente é tudo pretexto para uma grotesca criatura tosquíssima aparecer da televisão e devorar os personagens com sua garra e bocarras, derramando litros de gosma verde e outras nojeiras obrigatórias nos sci-fi trash da época.

Bacanal

Bacanal

Momento ímpar do filme é quando os jovens, únicos sobreviventes da medonha criatura espacial, resolvem, hã, adestra-lo (até por ele se comportar como um cãozinho monstruoso interplanetário e chegar até a rosnar). É o cúmulo do exagero ridículo cinematográfico. Mas como o pastiche impera e ele em nenhum momento tenta se levar a sério, então está tudo bem. E os efeitos visuais do monstro, são simplesmente sem palavra. É tosco até dizer chega. E o responsável pelo extraterrestre foi R. Christopher Biggs, oriundo da equipe de Roger Corman de filmes como Galáxia do Terror e XB: Galáxia Proibida e também tem em sua filmografia Criaturas, a quarto e quinta parte de A Hora do Pesadelo e Abominável Criatura, aquela bisonhice baseada na obra do Lovectaft. Então já viu…

Quanto ao momento homenagem que citei lá em cima, um dos programas sintonizados pela novíssima parabólica dos Putterman é uma sessão de filmes de terror antigos apresentados pela tal Medusa (chamado “Terrorvision”, mesmo título do longa, e que tem uma característica música tema da banda The Fibonaccis) onde são exibidos Robot Monster, O Ataque Vem do Polo e A Invasão dos Discos Voadores, todos filmecos da época.

Deixe de lado todo seu senso crítico e a necessidade por completa seriedade nos filmes de terror, porque nada disso será encontrado em A Visão do Terror. É trasheira oitentista da brava, marca registrada de uma época de exageros e de que quase nada no gênero era muito levado a sério (para o bem ou para o mal). Caso o faça, você pode apreciar o filme e ainda pegar as tais críticas sociais que mencionei no texto.

Monstrengo lindo!

Monstrengo lindo!

Serviço de utilidade pública:

O DVD de A Visão do Terror não foi lançado em DVD.

Download: torrent + legenda aqui.


Marcos Brolia
Marcos Brolia
Jornalista, editor e idealizador do 101HM, é fanático por filmes de terror (ah, vá!) desde que se conhece por gente, dos classudos aos mais bagaceiras. Adoraria ter um papo de boteco com H.P. Lovecraft e virar um shot toda vez que ele falasse a palavra “indizível”.

0 Comentários

  1. Diego disse:

    Esse é uma tosquice total, mas muito divertido.

  2. Papa Emeritus disse:

    Esse filme eu tenho em Blu-Ray. Hahahahahahaha. Sou apaixonado por tranqueiras como essa. Filme puta divertido. O bom é que ele não se leva a sério em nenhum momento. Por isso que eu amo o cinema de terror dos anos 80.

  3. […] Andy foi adotado por uma nova família, composta pelo casal Phil e Joanne Simpson (Gerrit Graham de A Visão do Terror e Jenny Agutter de Um Lobisomem Americano em Londres, respectivamente) e vai viver na casa deles […]

  4. Hierofante1970 disse:

    Esse eu assisti no antigo cine Marabá ou foi cine Ipiranga??? Sei lá não lembro, só sei que adorei o filme, kkkkkkkkkkkkkkkkkk. E o seu texto está perfeito.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

%d blogueiros gostam disto: