535 – A Maldição – Raízes do Terror (1987)

the-curse-movie-poster-1992-10202333131

The Curse

1987 / EUA, Itália / 92 min / Direção: David Keith / Roteiro: David Chaskin (baseado no conto de H.P. Lovecraft) / Produção: Ovidio G. Assonitis; Lucio Fulci (Produtor Associado); Moshe Diamant (Produtor Executivo) / Elenco: Wil Wheaton, Claude Atkins, Malcom Danare, Cooper Huckabee, John Schneider, Amy Wheaton

O obscuro filme B A Maldição – Raízes do Terror inicialmente chama a atenção pelo seguinte fato: é baseado em um conto de H.P. Lovecraft. Isso já é motivo para gerar curiosidade suficiente para se assisti-lo, ainda mais se tratando de uma de suas melhores histórias: “A Cor que Caiu do Céu”. Mas na verdade o filme trata-se de uma boa surpresa.

Vale lembrar que o mesmo conto já fora adaptado anteriormente para o cinema nos anos 60, no filme Morte Para um Monstro, estrelado por ninguém menos que Boris Karloff. Essa fita ítalo-americana foi produzida por Ovidio G. Assonitis, conhecido dos fãs do horror por pérolas como Tentáculos e Piranha 2 – Assassinas Voadoras. Também é o primeiro filme como diretor do ator David Keith (aquele de Chamas da Vingança, baseado no livro de Stephen King) e traz no elenco um adolescente Wil Wheaton, muito antes de se tornar a nêmese de Sheldon Cooper. Mas talvez a informação mais interessante ou estranha dos créditos, é que temos um tal Louis Fulci como produtor associado, que sim, é nosso velho chapa Lucio Fulci, que também foi diretor de segunda unidade (e inicialmente cotado para dirigir o longa – o que instantaneamente já nos faz pensar como poderia ter sido diferente o filme entregue).

Pois bem, o começo de A Maldição – Raízes do Terror é extremamente misterioso e eficiente em prender a atenção do espectador, onde um sujeito alterado com pústulas nojentas no rosto é preso por policiais gritando que “algo está na água”. Elipse para um passado recente para nos contar o que se sucedeu em Tellico Plains, no Kansas, mais precisamente na fazenda de Nathan Crane (Claude Akins) um bronco e religioso fundamentalista que passa por uns maus bocados por conta da recessão que atingia as fazendas familiares americanas na era Reagan.

O ovo que caiu do céu

O ovo que caiu do céu

Nathan é casado com Frances (Kathleen Jordon Gregory), viúva com dois filhos, Zack (Wheaton) e Alice (Amy Wheaton, sua irmã também na vida real). Além disso, ele também tem um filho de seu primeiro casamento, Cyrus (Malcom Danare) um verdadeiro matuto rude com o QI menor que uma doninha. Nathan é aquele sujeito grosso patriarcal que bate no enteado por usar o nome de Deus em vão, recita frase da bíblia em todas as situações e não comparece com a esposa, pois é pecado fornicação por motivos que não sejam reprodutivos. Também deve votar no Levy Fidelix por concordar que aparelho excretor não reproduz. Partidão!

Até que uma noite, com fogo na bacorinha, Frances resolve dar para o empregado da fazenda que está abrindo um poço no local e eis que do céu, um meteoro brilhante cai durante a noite bem nos arredores da fazenda de Nathan. Inicialmente o Dr. Alan Forbes (Cooper Huckabee) é chamado para analisar o fragmento espacial (com seu contador Geiger, afinal não sabia que os médicos dos consultórios do interior americano possuíam o equipamento em seu escritório) e quando decide procurar alguma ajuda técnica, é impedido por Charley Davidson (Steve Carlisle), presidente da junta comercial e da câmara municipal da cidade, interessado na especulação imobiliária e doidinho para comprar a propriedade de Crane, que se recusa em vendê-la. Paralelo a isso, um funcionário do departamento hídrico do estado está em visita ao local para estudos da construção de uma barragem.

Pois bem, um belo dia o meteoro brilhante derrete e sua composição química adentra o poço, fazendo com que a água fique contaminada e toda a plantação irrigada e animais comecem a adoecer ou apodrecer. No caso dos humanos que beberem a água, como Frances, Cyrus e o próprio Nathan, um comportamento insano surgirá junto com terríveis deformações na pele. Frances é a primeira afetada, mas Nathan recusa procurar qualquer tipo de ajuda, pois acredita que Deus a está castigando pelo adultério. Zach e Alice salvam-se já que o moleque, ao perceber o gosto estranho na água, para de toma-la e vai buscar água na casa do Dr. Forbes, assim como alimentos na cidade, que dá também a sua irmã.

Wheatoooooooooooon!!!!

Wheatoooooooooooon!!!!

Há três aspectos que compromete o andamento de A Maldição – Raízes do Terror. O primeiro e evidente é a falta de verba que acabou afetando consideravelmente na parte técnica do filme e principalmente nos efeitos especiais. O segundo é alguma inépcia da direção de David Keith, dando um desconto por ser seu debute atrás das câmeras. O terceiro e principal, é o maldito alívio cômico completamente desnecessário e situações esdrúxulas, como o insuportável personagem de Carlisle, completamente exagerado e caricato e a esposa dondoca do Dr. Forbes, Esther (Hope North), colocando na conta dela uma cena patética onde tenta convencer o bom médico a ceder à pressão de Davidson em não buscar por ajuda, seduzindo-o com um baby-doll provocante e passando óleo nas pernas.

A conclusão infelizmente é apressada e novamente por conta da verba, fica obviamente muito aquém da resolução do próprio conto de Lovecraft, que seria impossível de ser adaptado. Mas há algo que se deva tirar o chapéu: a atuação de Frances quando começa a se transformar em uma criatura mutante disforme. Uma cena em particular vale por toda e qualquer deficiência do filme: o momento em que Davidson entra no porão da fazenda, sem saber que Frances foi confinada ali pelo marido. É realmente assustadora, climática e muito bem conduzida até seu desfecho sangrento. Seu final também é pessimista e interessante e nos mostra (logo na primeira cena na real) que a barragem fora construída e a “cor que caiu do céu” irá se espalhar e contaminar mais pessoas.

Apesar dos apesares, A Maldição – Raízes do Terror é um bom filme. Teve uma péssima recepção, sendo muito criticado (inclusive por Wheaton que diz que a única coisa boa do longa é que ele pode atuar com sua irmã) e subestimado, mas mesmo pecando na técnica e em sua condução, tem um roteiro interessante e momentos assustadores e nojentos. Vale a pena conferir.

Ruth Romcy

Ruth Romcy

Serviço de utilidade pública:

O DVD de A Maldição – Raízes do Terror não foi lançado no Brasil

Download: torrent + legenda aqui.


Marcos Brolia
Marcos Brolia
Jornalista, editor e idealizador do 101HM, é fanático por filmes de terror (ah, vá!) desde que se conhece por gente, dos classudos aos mais bagaceiras. Adoraria ter um papo de boteco com H.P. Lovecraft e virar um shot toda vez que ele falasse a palavra “indizível”.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

%d blogueiros gostam disto: