540 – O Predador (1987)

predator_xlg

Predator

1987 / EUA / 107 min / Direção: John McTiernan / Roteiro: Jim Thomas, John Thomas / Produção: John Davis, Lawrence Gordon, Joel Silver; John Vallone, Beau Marks (Produtores Associados); Jim Thomas, Laurence P. Pereira (Produtores Executivos) / Elenco: Arnold Schwarzenegger. Carl Weathers, Elipidia Carrillo, Bill Duke, Jesse Ventura, Sonny Landham, Richard Chaves, Shane Black

 

O cinema de ação vivia seu auge nos anos 80. Excesso de testosterona, atores musculosos, armas poderosas, matança desenfreada, e habilidades em artes marciais fizeram surgir uma leva inteira de péssimos atores canastras que foram elevados ao status de astros de Hollywood (e que hoje fazem paródias de si próprios na franquia Os Mercenários). Indubitavelmente um dos maiores nomes do cinema de ação foi Arnold Schwarzenegger. E por isso seu sobrenome vem em uma grafia no pôster maior do que o próprio título do filme, O Predador.

Acontece que essa mistura de action movie, com guerra, sci-fi, terror e suspense é um dos grandes ícones da década de 80. Afinal, não tinha como dar errado uma película que juntasse todos esses gêneros acima metendo ainda na trama um alienígena caçador impiedoso que vem parar na Terra, é invisível, tem visão termográfica e armas avançadíssimas. Coloque Schwarzza para ser o mocinho que combate a criatura interplanetária e bingo!

E foi isso que os produtores Joel Silver (que havia trabalhado com o ex-Mister Universo em Comando Para Matar) e Lawrence Gordon pensaram ao resolver levar a frente um roteiros dos irmãos Jim e John Thomas (que surgiu como uma piada com a série Rocky e o fato que logo menos ele teria que sair na mão com um extraterrestre) e acabou encontrando seu caminho dentro da 20th Century Fox. Inspirado em Aliens – O Resgate, o roteiro ganhou sinal verde e a turma toda se mandou para Puerto Vallarta, no México para dar início às gravações.

Chumbo grosso!

Chumbo grosso!

Na real o miolo da trama não traz absolutamente nenhuma novidade com relação à maioria dos filmes de ação do período. Schwarzza é Dutch, um ex-major do exército que é contratado com seu grupo de guerrilheiros bad ass para uma missão especial em uma republiqueta de bananas comunista da América Central e resgatar uns figurões que foram sequestrados por terroristas. Uma enxurrada de clichês e atitudes primitivas de macho men (quem cospe mais longe, quem faz piada sexista mais pesada, quem tem os bíceps maiores, e por aí vai), explosões e tiros está lá para aquele espectador incauto que não imagina que um dos mais importantes monstros do cinema estaria à espreita, camuflado ali entre as árvores.

O tal predador é um caçador interplanetário ugly motherfucker (como a própria célebre frase de Arnie ao ver o visual do bicho sem máscara pela primeira vez) que viaja pela galáxia para praticar seu esporte, encontrar seus troféus e meter suas cabeças na sala de exibição de sua nave e esfolar suas vítimas. Entre suas habilidades, possui uma visão de calor (que era um desbunde para a época), armas com garras e canhões de laser (no segundo filme seria acrescentados ao seu arsenal lanças retráteis e discos cortantes), um kit de primeiros socorros extraterrestre e um reloginho bacanudo que pode tornar o visitante invisível e tem lá um botão do juízo final para quando ele quiser se autodestruir (ser derrotado, jamais!).

Um a um dos soldados grandões vão sendo caçados e mortos impiedosamente até que esperamos pelo seu aguardado final, quando Schwarzza deverá usar todos seus recursos de guerrilheiro e enfrentar o alienígena em um combate selvagem, logo após ter sua vida poupada ao descobrir que a lama diminui o calor do seu corpo e o esconde da visão termográfica do monstro.

Tirando toda essa parafernália de filme de ação e o fato que Dutch e sua equipe matam muito mais gente que o predador na tentativa de desbaratar os terroristas e resgatar os reféns (O Predador tem uma absurda contagem de cadáveres de 65 humanos – isso sem contar um javali e um escorpião), há três elementos que devem se destacar com louvor na fita de McTiernan. O primeiro são os efeitos especiais, que para a época foram incríveis. A habilidade de camuflagem da criatura e suas armas tecnológicas são interessantíssimas.

Eu não tõ aqui!

Eu não tô aqui!

O segundo é o visual emblemático do extraterrestre, criado pelo mestre Stan Winston, que teve de ser alterado do primeiro esboço, uma versão meio reptiliana e meio anfíbia apresentada pelos produtores, por não ter sido considerado assustador o suficiente. Até James Cameron deu um pitaco, sugerindo as suas famosas mandíbulas. O terceiro foi a direção de McTiernan, que, longe de comparações, mas seguindo escolas de Hitchcock e Spielberg, vai gradativamente colocando o vilão em cena e criando uma escalada de tensão e curiosidade, primeiro com o desconforto dos guerrilheiros em acreditarem estar sendo seguidos e observados, já assustados pelas vítimas destroçadas encontradas pelo caminho, depois com sua camuflagem, seu sangue verde fluorescente (“se ele sangra, pode ser morto” – outra pérola inestimável da sétima arte dita pelo Governator) até revela-lo em todo seu esplendor.

Falando no predador, não custa escrever sobre outro futuro ícone do cinema de ação, Jean-Claude Van Damme, que originalmente seria o intérprete do alienígena. Na real, uma espécie de dublê de luxo, por assim dizer. Acontece que o belga achou que a roupa vermelha (cor escolhida em contraposição ao verde da mata) que ele usava nas gravações seria seu visual, e não que era exatamente um artifício de efeitos especiais para depois ser substituído pela invisibilidade, e por isso vivia reclamando da indumentária. Depois do mal entendido resolvido, o soneto ficou pior que a emenda quando soube que ele seria um personagem invisível pela metade do filme e não poderia mostrar suas habilidades marciais e de espacate contra Schwarzenegger. Gravou apenas uma cena (que dá para ver o teste no Youtube, e também como seria diferente o visual do bicho) e abandonou o barco, sendo substituído pelo ator Kevin Peter Hall de 2,18m de altura, que vivera o Pé-Grande em Um Hóspede do Barulho e até a criatura de O Monstro do Armário da Troma.

O Predador foi um sucesso estrondoso. Faturou quase 60 milhões de dólares nas bilheterias americanas e colocou no cânone do sci-fi outro famoso alienígena para a Fox, que já tinha os alienígenas de Alien em sua propriedade. Inevitavelmente depois do encontro dos dois extraterrenos em diversas mídias como quadrinhos e videogame, eles foram metidos em dois crossovers pavorosos no cinema, mas isso nem vem ao caso. Uma segunda parte foi lançada em 1990, Predador 2 – A Caçada Continua, que é até superior ao original em diversos pontos, e a mitologia foi revisitada em Predadores, produzido por Robert Rodriguez em 2010. Um novo longa, que não será um reboot, mas sim uma sequência direta deste aqui, está sendo desenvolvido pela Fox, com roteiro e direção de Shane Black, que atuou como Hawkins no primeiro filme.

You're one ugly motherfucker

You’re one ugly motherfucker

Serviço de utilidade pública:

Compre o DVD de O Predador aqui.

E o Blu-ray aqui.

Download: torrent + legenda aqui.


Marcos Brolia
Marcos Brolia
Jornalista, editor e idealizador do 101HM, é fanático por filmes de terror (ah, vá!) desde que se conhece por gente, dos classudos aos mais bagaceiras. Adoraria ter um papo de boteco com H.P. Lovecraft e virar um shot toda vez que ele falasse a palavra “indizível”.

0 Comentários

  1. Papa Emeritus disse:

    Eu conheci o Predador num game do Nintendinho ainda nos anos 80. Na época eu nem sabia que era a adaptação de um filme pros games. Ainda nos anos 80 (acho que em 1989) eu aluguei a fita de vhs na locadora perto de casa e assisti ao filme. Só nos anos 90 que eu assistiria a ele dublado na Tela Quente da Globo. Um dos melhores filmes com o Schwarzza.

  2. Andrigo Mota disse:

    Melhor filme de ação/ficção de todos os tempos. Sem mais.

  3. Um dos filmes mais legais que vi na vida. Ainda compro o bluray. Por enquanto me contento com minha edição especial em DVD. xD

  4. […] a criação do Exterminado do Futuro, os xenomórfos de Aliens, O Resgate, a criatura invisível de O Predador, e até mais recentemente, a armadura de Tony Stark (tira onda, que é cientista espacial) em Homem […]

  5. […] também japoneses do longa, que fez parte da equipe de criação dos efeitos da criatura de O Predador, Poltergeist II – O Outro Lado, Os Aventureiros do Bairro Proibido de John Carpenter e a célebre […]

  6. […] O Predador é mó da hora. E Predador 2 – A Caçada Continua, é mó da hora também. Sequência redondinha que traz o alienígena caçador “rastafári” para a cidade grande, depois de encarar o Schwarza no meio da selva, e amplia a mitologia e o armamento do segundo extraterrestre mais bacanudo do cinema (o primeiro é o Alien… Não venha nem me falar do E.T. ou do Starman). […]

  7. […] em Um Lobisomem Americano em Londres e Videodrome – A Síndrome do Vídeo, de Stan Wiston em O Predador, e mais A Noite dos Demônios, A Hora do Pesadelo 4: O Mestre dos Sonhos e A Volta dos Mortos-Vivos […]

  8. […] vale lembrar que o mago dos efeitos visuais, responsável por Jurassic Park, Aliens – O Resgate, O Predador e O Exterminador do Futuro, entre tantos outros, é o produtor do […]

  9. […] Black (que fez parte do elenco de O Predador), foi contratado pela Fox para dirigir uma nova sequência do ugly motherfucker, a qual ele estava […]

  10. […] em um pacote de DLC (Downloadable Content), o alienígena Predador, da série de filmes de mesmo nome, e Jason Vorhees da série Sexta-Feira 13. A NetherRealm Studios e a Warner Bros. Interactive […]

  11. […] 8) “Você é um feio filho da puta” – Major Dutch – O Predador […]

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

%d blogueiros gostam disto: