541 – Príncipe das Sombras (1987)

prince_of_darkness_poster_01

Prince of Darkness

1987 / EUA / 102 min / Direção: John Carpenter / Roteiro: John Carpenter / Produção: Larry J. Franco; Andre Blay, Shep Gordon (Produtores Executivos) / Elenco: Donald Pleasence, Jameson Parker, Victor Wong, Lisa Blount, Dennis Dun, Susan Blanchard, Anne Marie Howard, Alice Cooper

Não sei se tenho uma opinião completamente formada sobre Príncipe das Sombras. Na real nem sei, no alto da minha ignorância, se consegui entender todo o samba do crioulo doido que John Carpenter enfiou em sua película.

Ao mesmo tempo em que a fita é enigmática e prende a atenção do espectador, ela se perde em um monte de baboseiras metafísicas, religiosas e científicas que não fazem o menor nexo, misturando na mesma receita de bolo esquisito o sobrenatural, o filho do capeta na forma de um líquido verde, sociedades secretas dentro da Igreja, possessão demoníaca, zumbis e viagens no tempo.

Na verdade, Carpenter detestou trabalhar para grandes estúdios, principalmente depois do resultado nada esperado de seu filme anterior, o divertido clássico da Sessão da Tarde, Os Aventureiros do Bairro Proibido, e resolveu tocar o foda-se e voltar para o terror independente, terreno que conhecia muito bem. Fechando contrato com a Alive Films, em troca de total liberdade criativa, o diretor escreveu o roteiro de Príncipe das Sombras sob o pseudônimo de Martin Quatermass, inspirado no famoso professor britânico e cientista de foguete, Bernard Quatermass e mandou ver na sua loucura criativa.

Satã para beber!

Satã para beber!

Pois bem, o Padre Loomis (que deve ser irmão gêmeo do Dr. Sam Loomis, vivido também por Donald Pleasence em Halloween – A Noite do Terror) é chamado a uma igreja para iniciar uma série de investigação após a morte de um dos párocos, quando encontrada uma chave que dá acesso a um salão secreto com um misterioso (e maligno) líquido verde dentro de um tanque de contenção. Na real, apertando aqui um pouco o fast forward, durante gerações um padre foi designado para ser o guardião do tal líquido, membro de uma sociedade secreta chamada A Irmandade do Sono (?!). O conteúdo desse recipiente nada mais é que O FILHO DO TINHOSO, muito bem preservado há dois mil anos.

Para tentar encontrar evidências científicas, Loomis recorre a ajuda do Prof. Birack (Victor Wong, que também já havia trabalhado com Carpenter em Os Aventureiros…) que reúne seus melhores físicos, entre eles Brian Marsh (Jameson Parker), Catherine Danforth (Lisa Bount) e Walter (Dennis Dun), junto com outros proeminentes estudantes e professores de suas áreas, para se encalacrarem durante o final de semana na igreja e descobrir toda a verdade sobre o líquido verde do mal.

Se a história já é bem difícil de engolir (que aquela forma fluída verdejante é o anticristo), piora quando sem o menor sentido os mendigos em volta da igreja (encabeçados por ninguém menos que o roqueiro Alice Cooper) começam a virar zumbis e sitiarem os especialistas no local, além de formigas, escaravelhos e minhocas começarem a surtar pela presença maligna. Completa o fato de que o liquido passa a esguichar na boca da galera e possui-los, até uma das estudantes tomar uma grande quantidade do, hã, filho do capiroto e tornar-se o receptáculo para sua transformação material que levará o mundo à danação. Tiro o chapéu para a maquiagem da deformação da moça, cheio de pústulas e feridas em carne viva, sem dúvida nenhuma o ponto alto do longa.

Cooper e seus zumbis

Cooper e seus zumbis

Tudo meio complicado e sem lógica? Ainda tem mais quando nos é revelado que todo mundo que dorme ali naquela igreja recebe em seus sonhos uma mensagem gravada em VHS vinda do ano de 1999 (?!), mostrando um possível futuro onde uma sinistra figura de preto, talvez o filho do coisa-ruim encarnado, está saindo da igreja para reivindicar seu apocalipse pessoal. Também tem um eclipse iminente que está para acontecer que só fica nisso e não é mais aprofundado.

Sei lá, a meu ver, com todos esses elementos díspares, não tinha como a história de Príncipe das Trevas funcionar. Talvez se Carpenter tivesse optado pelo simples da possessão e dos heróis encalacrados naquela igreja combatendo uma destruidora força das trevas, mesmo que soasse clichê, teria um resultado mais satisfatório, simplesmente porque Carpenter SABE como fazer a parada e nos entregar um belo suspense.

A partir do momento que um monte de explicações que, convenhamos, seriam esdrúxulas por natureza, começa a pipocar atirando para tudo quanto é lado, o filme fica soa pretensioso e filosófico demais. Prova cabal disso é o completo desperdício do personagem de Loomis com sua falácia e auto lamentação constante, com aquela cara de cachorro largado na chuva, ou mesmo a quantidade de verborreia metafísica e pseduo-intelectual que o próprio Birack ensina para seus alunos.

Eu vi, revi, assisti de novo e de novo e continuo me mantendo inócuo quanto ao Príncipe das Sombras, e logo isso faz ele se tornar um filme mediano, esquecível, sem impacto. Carpenter estava cheio das boas intenções, tinha uma história bombástica nas mãos, mas se perdeu em seu próprio modus operandi, uma vez que o filme começa envolvente e termina de forma risível. Uma pena.

Dermatologista urgente para você!

Dermatologista urgente para você!

Serviço de utilidade pública:

O DVD de Príncipe das Sombras está atualmente fora de catálogo.

Download: Torrent + legenda aqui.


Marcos Brolia
Marcos Brolia
Jornalista, editor e idealizador do 101HM, é fanático por filmes de terror (ah, vá!) desde que se conhece por gente, dos classudos aos mais bagaceiras. Adoraria ter um papo de boteco com H.P. Lovecraft e virar um shot toda vez que ele falasse a palavra “indizível”.

0 Comentários

  1. Papa Emeritus disse:

    Eu acho esse filme super interessante. E sim, eu gostei do final. E não estou drogado não. Hahahahahaha!

  2. Tony Sarkis disse:

    Esse filme é uma viagem total!! Seria um guilty pleasure da minha infância, não me canso de rever!! Entra num Top 5 dos melhores do mestre Carpinteiro!!!

  3. marcello rego disse:

    eu tinha videos cassete e botava para gravar filmes depois do jô soares e uma vez pegou esse filme . o ruim vire mexe as fitas que eu colocava acabavam e não conseguia ver o resto das coisas que gravava, foi o que aconteceu com esse filme . parecia bem interessante . vou procurar na locadora .

  4. […] aproveita sua fase de filmes independentes para a produtora Alive Films, que inclui o anterior Príncipe das Sombras, e dispara sua metralhadora giratória em forma de ficção científica metafórica contra a […]

  5. gustavo disse:

    a legenda não bate com o filme =/ e n econtrei nenhuma que de certo com esse realise

  6. […] Nem as mortes, em quantidade superior ao original de 1960, consegue fazer o longa valer a pena. Mesmo que o mote aqui seja o terror psicológico, Carpenter não consegue filmar uma morte decente sequer e que dê um mínimo de choque no espectador, salvo a mulher enfiando o braço dentro da panela de água fervendo, induzida por sua filha telepata. A do zelador que se joga do prédio com a vassoura para se “auto-empalar” é motivo de vergonha para o veterano mestre do terror. As cenas de suspense são bem das mais ou menos e a trilha sonora parece sampleado aquele velho toque minimalista de Carpenter de O Enigma de Outro Mundo, A Bruma Assassina e O Príncipe das Sombras. […]

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

%d blogueiros gostam disto: