567 – O Rato Humano (1988)

ratman_poster_01

Quella villa in fondo al parco / Rat Man / Terror House

1988 / Itália / 82 min / Direção: Giuliano Carnimeo / Roteiro: Dardano Sachetti / Produção: Fabrizio de Angelis / Elenco: David Warbeck, Janet Agren, Eva Grimaldi, Luisa Menon, Werner Pochath, Nelson de la Rosa

O Rato Humano é o trash em seu estado mais puro! PUTAQUEPARIU esse filme. Sabe aquelas fatídicas listas dos piores filmes já feitos? Esse aqui entra com louvor. Até o citei na compilação que fiz para o Judão das maiores tranqueiras para se ver no Halloween passado.

Mas também, você esperaria o quê de uma pérola feita na Itália (aonde mais?), produzida pela altamente sensacional Fulvia Films, do picareta máster Fabrizio De Angelis, dirigido por Giuliano Carnimeo (sob pseudônimo de Anthony Ascot), do lendário Os Exterminadores do Ano 3000, e escrito por Dardano Sacchetti (assinando como David Parker Jr.), aquele mesmo de praticamente todos os filmes italianos do período, de Bava a Fulci.

Mas a cereja do bolo, é o tal do Rato Humano. Seria trágico se não fosse cômico o fato de meterem no filme um sujeito com uma doença genética que tem 72 centímetros (que em 1990 figurou no Guinness como o menor homem do mundo), pulando em cima das suas vítimas para se alimentar de suas vísceras, entocado dentro de uma gaiola ou de uma mala, e até saindo da privada. O ator dominicano Nelson de La Rosa acabou até se tornando famoso em países latinos, com suas aparições em programas na televisão da Venezuela e, vejam só, até contracenou com Marlon Brando naquela versão deprimente de A Ilha do Dr. Moreau dos anos 90. E o pior ainda é que se você meter o nome do rapaz no Google Imagens descobrirá que ele é pouquíssima coisa diferente de seu personagem mutante!

Personagem esse criado por um cientista decadente que se muda para uma ilha tropical, o Dr. Olman (Pepito Guerra), que acha que estará revolucionando o mundo da ciência e mereceria um prêmio Nobel por fazer experiências de humanos com ratos, criando esse ser híbrido. Acontece que a aberração escapa de sua gaiola por conta de um capanga desastrado e começa a deixar um rastro de morte na tal vila ao fundo do parque (título original) e num resort turístico em suas proximidades.

Cutchi cutchi

Cutchi cutchi

Terry (Janet Agren), filha de um senador americano é chamada para a ilha para reconhecer o possível cadáver de sua irmã, a modelo Marilyn (Eva Grimaldi, responsável pela melhor cena do filme, que é seu banho de chuveiro) morta de forma violenta por um suposto “animal”. Mas na verdade não foi sua irmã a vítima, e sim outra modelo com quem estava trabalhando. Ao lado do escritor de livros policiais, Fred Williams (David Warbeck), com quem dividiu táxi no aeroporto, começa a investigar por conta própria o paradeiro da irmã, em detrimento da inépcia da polícia local, que se embrenhou na mata para uma sessão de fotos exóticas.

Uma a um, todos os personagens conseguem se tornar alvos bem fáceis para o diminuto mutante, que irá desafiar todas as leis da física e aparecer nas menores frestas e locais (como a privada já citada, e até dentro de uma geladeira) para derramar sangue mais falso do que guache vagabundo que sua mãe comprava para os trabalhos de educação artística da escola. Fora isso, além das já costumeiras atuações sofríveis da italianada, a fotografia é péssima, muitas das vezes tão escura que você mal consegue enxergar o que está acontecendo, e a única versão que rola aí pela Internet é das mais porcas e não ajuda em nada.

Mas realmente o final é a cereja do bolo. Eu juro que nunca vi uma película acabar de forma tão tosca. ALERTA DE SPOILER. Pule para o próximo parágrafo ou leia por sua conta e risco (se você realmente se importar como essa bomba acaba). No final das contas Marilyn acaba sendo trucidada pelo Rato Humano, o doutor nefasto também, e nossos heróis então pensam que o monstrengo foi derrotado. Mas o furtivo mutante enfia-se dentro da bolsa de Terry e é despachado no aeroporto para a América junto com eles (???!!!). Quando o avião levanta voo, a cena congela e começa-se a ouvir gritos de desespero, deduzindo que o homem roedor atacou e matou simplesmente TODOS os passageiros da aeronave. Dói até o pâncreas de tento rir!

O filme sofreu vários cortes e só foi lançado em DVD na sua versão uncut em 2008, no Reino Unido, pela Shameless Screen Entertainment. Nome mais oportuno de distribuidora não há! Agora imagine uma trasheira sem tamanho como O Rato Humano ainda com cortes, sem o pouco gore que encontramos aqui e acolá e sem a fatídica cena do vilão de voyeur vendo a gostosona Eva Grimaldi tomando banho com direito a nu frontal e tudo?  O fato é que a grande diversão desta podreira é mais uma vez admirarmos um exemplar vindo direto da lata do lixo cinematográfico italiano para os mais ardorosos fãs da bagaceira.

Fotogenia!

Fotogenia!

Serviço de utilidade pública:

Compre o DVD de O Rato Humano aqui.

Download: Torrent + legenda aqui.


Marcos Brolia
Marcos Brolia
Jornalista, editor e idealizador do 101HM, é fanático por filmes de terror (ah, vá!) desde que se conhece por gente, dos classudos aos mais bagaceiras. Adoraria ter um papo de boteco com H.P. Lovecraft e virar um shot toda vez que ele falasse a palavra “indizível”.

8 Comentários

  1. Papa Emeritus disse:

    Hahahahahaha. Eu ainda não assisti a essa bagaceira. Vou baixar e ver.

  2. Meu Deus, esse filme é minha infância! Meu tio me obrigava a assisti-lo quando eu tinha 5 anos D:

  3. Opa, eu já ouvi falar desse filme em lendas dos filmes realmente mais porcos e sem vergonha de todos os tempos, mas tenho que assistir por mim mesmo. Ótima resenha (aposto que é mlehor do que o filme em si) e abraço a todos. 8)

  4. Juro que achei o filme só para ver a cena do banho e que banho em!

  5. Demencia13 disse:

    Eu particularmente gostei do filme. É podre, sem duvida mas o que isso importa? Os caras tiveram a ideia e então tiveram culhão para rodar. Tudo sem os milhões de dólares de Róliúdi. Além do que, como dito na resenha o filme é italiano… Basta assistir dois minutos de programação da RAI para perceber que italiano não se liga muito em qualidade (Quem nunca assistiu a RAI pode acreditar; É mil vezes mais avacalhada que o SBT). E para quem gosta de podreiras italianas, assistam o esquecido e obscuro Alien Sulla Terra (Que pode aparecer como Alien 2: On Earth), consegue ser muito piro que o ratinho humano, só assustando mesmo na cena da menininha sem rosto, que foi cortada da maioria das versões.

  6. […] porrada de filmes do Fulci (incluindo aí Zumbi 2) e outros pérolas inimagináveis futuras como O Rato Humano e Killer Crocodile, resolveu colocar os dois “monstros” do cinema do momento no mesmo filme […]

  7. Matheus L. CARVALHO disse:

    Assim, repare que a casa do poster é a casa do Norman Bates.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

%d blogueiros gostam disto: