597 – Demonia (1990)

DEMONIA-Silver-Ferox-Design

1990 / Itália / 85 min / Direção: Lucio Fulci / Roteiro: Piero Regnoli, Lucio Fulci / Elenco: Brett Halsey, Meg Register, Lino Salemme, Christina Engelhardt, Pascal Durant, Grady Clarkson, Ettore Comi

Ah, Lucio Fulci. Só você mesmo para fazer um filme como Demonia. Se o auge de um dos diretores mais gore de toda a Itália já tinha ficado lá atrás no final dos anos 70 e começo dos anos 80, sua espiral de decadência o levou a fazer diversas porcarias de qualidade pífia que culmina tragicamente nesta bagaceira, um dos últimos filmes de sua carreira marcante.

Tudo bem, sabemos que o forte dos filmes de Fulci nunca foi o roteiro, o desenrolar das suas histórias. Só lembrar que, por exemplo, um dos seus clássicos, Pavor na Cidade dos Zumbis, tem uma das tramas mais toscas e estapafúrdias de toda sua filmografia, seguido de pertinho por outro membro da trilogia, A Casa do Cemitério. O lance do diretor é ser visceral, gráfico, sujo, violento ao extremo e profano até o talo. Parece que provocar a Igreja Católica, ainda mais se tratando de um país fervoroso como a Itália, era um de seus passatempos favoritos. Tanto que o sujeito até foi excomungado depois de seu padre pedófilo de O Estranho Segredo do Bosque dos Sonhos. Demonia também segue essa regra.

Mas simplesmente não dá para aguentar. É aquele caso de se assistir no fast forward ou fazer uma compilação com as cenas sangrentas e meter no Youtube, porque haja saco lidar com a chatice de seus 85 minutos com uma história tão rasa e tão cheia de buraco que você começa até a pasmar enquanto a película passa diante dos seus olhos. Outro ponto fraquíssimo de praticamente TODOS os filmes de Fulci é seu desfecho, sempre o mais nada a ver possível, deixando um monte de pontas soltas, na mais pura preguiça e displicência. Mais uma vez aqui temos o exemplo perfeito desse “estudo de caso”.

“Se não calar a boca, vou te pregar a língua”

Demonia começa com um flashback do século XV, em um monastério na Sicília, onde cinco freiras são acusadas de adoração ao demônio, orgias, depravações, sacrifícios, morte de recém-nascidos e por aí vai. Elas são crucificadas pelos locais e cinco séculos depois, uma equipe de arqueólogos do Canadá está em terras italianas para escavações, comandada pelo cético professor Paul Evans (Brett Halsey). Sua colega supersticiosa, Liza Harris (a PÉSSIMA, em letras garrafais, Meg Register) ao explorar o local descobre o monastério, e os espíritos das freiras do Tinhoso se libertam, passando a matar tanto os exploradores, quanto os moradores da região, a esmo.

Mesmo o gore sendo o “ponto alto” de Demonia (e da filmografia do diretor), até aqui vemos que Fulci perdeu a mão, principalmente por não contar mais, nessa altura campeonato, com o já parco orçamento da Fulvia Filmes do picareta Fabrizio de Angelis, somada ao fato da derrocada definitiva do cinema de terror italiano após meados dos anos 80 e perda de interesse do público americano, e o fim da parceria com o lendário maquiador Giannetto de Rossi, com quem, entre outras pérolas, fez Zumbi 2 – A Volta dos Mortos, sua capolavoro.

Então o sangue mais falso que guache vermelho e o látex emulando carne humana, que já é tão característico, aqui ainda fica mais tosco, o que acaba até dando aquele ar caricato e ridículo à produção paupérrima. Sem dúvida nenhuma, dois momentos são ímpares em Demonia, que vale a menção exatamente para ilustrar bem sobre o que estou falando. O primeiro é a antológica cena em que uma das “freiras fantasmas possuídas” está levando um moleque para o meio do mato, seu pai corre em disparada atrás do menino para tentar salvá-lo. Aparentemente não há nenhuma armadilha no campo aberto. Corte de cena para a freira e o garoto. Corta novamente par ao pai preso em uma armadilha, amarrado pelas duas pernas e dois braços estendidos. COMO? Nunca saberemos. O garoto anda, pisa em outra corda que ativa a armadilha (que também nunca estivera lá anteriormente) e o pai é separado em dois pedaços, com suas vísceras todas caindo ao chão.

A dor da separação

A dor da separação

A segunda é mais um dos famosos ataques de animais de Fulci. Ele já tentou em Terror nas Trevas, com o cachorro rasgando a jugular da cega (cópia descarada de Suspiria, BTW) e as malfadadas aranhas comendo o bonecão na biblioteca, e não deu certo. Tentou na sequência mais patética de sua carreira cinematográfica, o ataque das aves empalhadas em Manhattan Baby, e também não deu certo. Logicamente, não é em Demonia que iria funcionar. Aqui uma das velhas loucas que conta a verdade sobre o monastério e as freiras profanas para Liza é tem seu rosto atacado por seus gatos e o resultado é nada mais que cômico. E ah, claro que tem um eye popping, outra marca registrada de Fulci.

Isso sem contar outros momentos de pura sutileza cinematográfica e atuações primorosas, onde destaco a cena em que Liza demonstra todo seu pavor ao encontrar os ossos das freiras nas criptas; quando o açougueiro tem sua língua (maior e mais grossa que de Gene Simmons) pregada contra um cepo (vivido pelo ator figurinha carimbada dos filmes de terror italianos, Lino Salemme, famoso por seus papeis em Demons – Filhos das Trevas e Demons 2 – Eles Voltaram); as freiras possessas vomitando uma tinta amarela; e por último, mas não menos importante, quando um dos arqueólogos é morto em seu barco por uma mulher nua espectral que surge evanescente do nada e lhe lança um arpão no peito.

Fulci, que além de co-escrever ainda aparece em uma ponta como um inspetor de polícia, não consegue mais nessa altura do campeonato, fazer o que sabe fazer de melhor, e por isso, Demonia se mostra um filme ruim de doer, chato, repleto de erros crassos de roteiro, dramaturgia primária, efeitos especiais toscos, e as cenas de morte extremamente gráficas, que deveriam chocar ou enojar, só conseguem fazer rir. Isso resultou em uma fraca bilheteria e na péssima recepção de crítica e fãs. Uma pena, uma vez que sua filmografia foi das mais importantes para o desenvolvimento do ciclo splatter italiano e do cinema de terror em geral.

Baba, baby

Baba, baby

Assista ao episódio do videocast do 101 Horror Movies comentando Demonia:

Serviço de utilidade pública:

O DVD de Demonia não foi lançado no Brasil.

Download: Torrent + legenda aqui.


Marcos Brolia
Marcos Brolia
Jornalista, editor e idealizador do 101HM, é fanático por filmes de terror (ah, vá!) desde que se conhece por gente, dos classudos aos mais bagaceiras. Adoraria ter um papo de boteco com H.P. Lovecraft e virar um shot toda vez que ele falasse a palavra “indizível”.

8 Comentários

  1. Papa Emeritus disse:

    Sou fã de alguns filmes do Fulci, mas ele tem alguns filmes realmente muuuuuiiiiiito chatos. Que nem esse Demonia. Gosto de alguns filmes dele do período de 1979 a 1982.

  2. Vinicius disse:

    Olha, com todo respeito, vou discordar um tanto de você, Marcos. Eu não acho que todos os filmes do Fulci terminam sem pé nem cabeça…Ok, Pavor na cidade dos zumbis tem o final mais nada a ver do mundo (merece um prêmio quem me explicar o porquê do grito), mas o Fulci tem finais bem legais também. Acho o final do Zombi muito bom (fazendo link com os filmes do Romero), e o do Terror das Trevas é fodástico (SPOILER – arrastar o casal de heróis inocentes para o inferno é uma das coisas mais marcantes que já vi)

    • Oi Vinícius.

      Sim, vou me redimir. O final de Zumbi 2 – A Volta dos Mortos tem pé e cabeça sim. Mas o TODOS foi meio que uma força de expressão. Já Terror nas Trevas, ainda acho sem pé nem cabeça, mas aceitável, dá para entender e tal.

      Obrigado por comentar.

      Abs

      Marcos

  3. Vinicius disse:

    Ah, tá, nesse sentido concordo contigo. Mas, em defesa do Fulci, digamos que o próprio roteiro de Terror nas Trevas não tem muito sentido desde o começo, vai. Entra livro de Ebon, sai livro de Ebon (que não explica nada), entra cega morta, sai cega morta (que nem mostra a que veio), entra pintor zumbi, sai pintor zumbi (que no começo parece inocente, depois vira vilão), tudo isso relacionado com algum portal X do inferno…Talvez a melhor maneira de olhar Terror nas Trevas (que, pra mim, é o mais foda do Fulci) seja meio que como um pesadelo; o terror aumenta constantemente, ainda que boa parte da lógica vá pro espaço. Ou isso, ou minha paixão pelo filme faz eu “esquecer” certos detalhes sobre ele, hehehe.
    Abs

  4. […] de Um Gato no Cérebro, Fulci dirigiria apenas mais quatro filmes, entre eles, Demonia (já postado no blog, uma vez que a lista está em ordem alfabética), um não creditado e outro […]

  5. […] Leia a minha resenha sobre Demonia aqui. […]

  6. Fernando disse:

    Só eu que gosto desse filme? ahuhuahuauha

Deixe uma resposta para 601 – Um Gato no Cérebro (1990) | 101 horror movies Cancelar resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

%d blogueiros gostam disto: