599 – O Exorcista III (1990)

exorcist_iii_xlg

The Exorcist III

1990 / EUA / 110 min / Direção: William Peter Blatty / Roteiro: William Peter Blatty (baseado em seu livro) / Produção: Carter DeHaven; Steve Jaffe (Produtor Associado); Joe Roth, James G. Robinson (Produtor Executivo) / Elenco: George C. Scott, Ed Flanders, Brad Dourif, Jason Miller, Nicol Williamson, Scott Wilson, Nancy Fish

 

O Exorcista III, a priori, é um filme subestimado. Claro que tudo que falamos a respeito das continuações, rip offs e qualquer outro filme que remeta a O Exorcista, de William Friedkin, talvez o “maior filme de terror de todos os tempos”, é complicado, exatamente pela grandiosidade e impacto do original para o gênero (e para o cinema). Qualquer desafio de levar uma continuação para os cinemas seria naturalmente elevado à enésima potência.

Falando nisso, não podemos nos esquecer da completa bomba que foi O Exorcista II – O Herege, e sua recepção avassaladora de público e crítica, e não era para menos. Fatidicamente, essa “segunda parte” acabou por atrapalhar o bom O Exorcista III, mas não tanto, quanto a ganância, sacanagem e falta de tato dos seus produtores.

William Peter Blatty, autor do best-seller e do roteiro do primeiro filme, escreveu uma espécie de continuação “não oficial” de O Exorcista em 1983 e o chamou de “Legião”, revisitando o universo que rondou os acontecidos do fatídico exorcismo de Regan McNeill em Georgetown há 15 anos. Uma trama muito mais focada em elementos policiais e investigativos e centrada no horror psicológico do que o rolo compressor gráfico e pesado do primeiro livro. O livro só saiu do papel depois do próprio William Friedkin perder o interesse em dirigir uma continuação, e com a sua saída, e também desistência de Blatty, a Warner Bros. deu com os burros n’água com O Herege.

Depois de publicado e com relativo sucesso de público, o escritor acreditou que era hora de leva-lo ao cinema. Os produtores da Morgan Creek compraram a ideia, mas com uma condição (a primeira de muitas que viriam): o título do filme não seria apenas “Legião”, como o livro, e sim “O Exorcista: Legião”, obviamente para capitalizar em cima do sucesso estrondoso do primeiro filme, mesmo com todos os pés atrás do mundo por conta de O Herege. Blatty convidou John Carpenter para a direção, que acabou recusando, então o próprio assumiu a cadeira de diretor.

Velha Aranha, Velha Aranha...

Velha Aranha, Velha Aranha…

Na trama, o velho conhecido dos fãs de O Exorcista, o Tenente Kinderman, agora vivido pelo oscarizado George C. Scott (uma vez que seria impossível Lee Cobs voltar ao papel, tendo morrido apenas três anos depois do lançamento do primeiro filme) está às voltas com uma investigação do assassinato de um coroinha chamado Thomas Kintry (James Burgess), decapitado, tendo a cabeça de uma estátua de Cristo colocada em seu lugar e crucificado em dois remos. Em seguida, temos uma nova vítima, um padre local, também decapitado após uma confissão de uma velha senhora.

As impressões digitais não batem, sugerindo que duas pessoas diferentes foram responsáveis. Kinderman é um velho amigo do Padre Dyer (Ed Flanders), o mesmo que prestou a extrema unção para Damien Karras, aquele que tirou Pazuzu na porrada de Regan e rolou escada abaixo, ou seja, outro personagem recorrente ao romance e filme original. Dyer se interna em um hospital para fazer um check-up de rotina e acorda na outra manhã morto, com todo o sangue drenado de seu corpo e colocado em pequenos potes. Os caminhos da investigação levam Kinderman a descobrir que o assassino tem o mesmo modus operandi de um serial killer conhecido como Assassino de Gêmeos (clara inspiração no assassino do Zodíaco), uma vez que alguns detalhes do crime são idênticos e de conhecimento somente da polícia. Só que o psicopata havia sido fritado na cadeira elétrica há 15 anos.

Então a revelação estarrecedora da vez, contada pelo psiquiatra do hospital, Dr. Temple (Scott Wilson) é que na ala de segurança máxima está um sujeito que chegou até lá há exatos… 15 anos (ah, vá?), com amnésia e estado catatônico, saindo desse estágio há alguns dias, exatamente quando começou a série de assassinatos. Ao visitar o tal Paciente X, eis que Kinderman descobre que na verdade ele é o Pe. Karras, e na verdade tudo que estava acontecendo não passou de uma vingancinha do Pazuzu (ou de Legião, afinal ele tem vários nomes), que ao ser expulso de Regan e brevemente tendo possuído o pároco, ordenou que o espírito do Assassino de Gêmeos (que deveria ser mais uma de suas manifestações demoníacas, algo nunca muito bem explicado) entrasse em seu corpo. De lá para cá, ele possui os pacientes idosos e catatônicos da ala psiquiátrica e os comanda para cometer todos aqueles crimes hediondos.

Só que aí entramos no detalhe que acabou com a reputação de O Exorcista III e o tornou tão malfadado. Até então, o filme é construído de forma até soberba, posso assim dizer. O clima construído por Blattey é dos mais soturnos, tétricos, misturando blasfêmia com descrição de assassinatos violentos, uma porrada de simbolismos religiosos e oníricos, e a essência do terror psicológico. Algumas cenas são realmente de arrepiar, como a arrastada sequência da morte da enfermeira Keating (Tracy Thorne), que finaliza com uma figura portando trajes sacros, munida de uma tesoura de realizar autópsia, sai do corredor e corta sua cabeça fora, ou quando uma das velhinhas possuídas faz às vezes do Homem-Aranha andando pelo teto de uma das salas.

Mas ao mostrar o primeiro corte para os famigerados produtores, os malditos não gostaram do que viram, resolveram impor a Blatty que o terceiro ato inteiro fosse refeito e que, claro, existisse um exorcismo, para inclusive, aproximar ainda mais do original. A contragosto, Blatty acatou os pedidos (afinal, se ele não o fizesse, alguém o faria, é só ver as enormes semelhanças com o que aconteceu com Paul Shcrader a sua prequela, quatorze anos depois, substituído por Renny Harlim e quase que completamente refeito).

Tête-à-tête com Pazuzu

Cara a Karras

Jason Miller foi trazido do original para reviver o papel de Karras/Paciente X, e daí acontece a grande confusão do longa, uma vez que o Assassino de Gêmeos é vivido por Brad Dourif, que teve sua participação severamente editada, inclusive seus ferinos diálogos (e o embate final) com Kinderman, e vira e mexe vemos George C. Scott contracenando com os dois, quando o Paciente X está com a personalidade de Karras ou do Assassino. E não foi só isso, o final foi completamente alterado, colocando em cena o ator veterano Nicol Williamson para viver o Padre Morning, aquele que executaria o inevitável exorcismo em Karras.

Todo o horror psicológico, o clima lúgubre e pesado e o jogo sobrenatural de Blatty vai para o espaço, e somos brindados com mais uma cena descartável de exorcismo cheio de efeitos especiais, pirotecnia, olhos amarelos, levitações, cobras e que custou mais quatro milhões de dólares ao estúdio, despencando o nível do filme e lhe dando o infame status que tem hoje, além da ojeriza de público e crítica quando em seu lançamento.

No final das contas, Blatty ficou puto com o resultado, Brad Dourif ficou puto, George C. Scott ficou puto e o muito diferente do corte do diretor/roteirista, temos uma versão medíocre, confusa e apelativa em seu final. E olha que até o exorcismo teve que ser mudado por imposição dos engravatados, uma vez que na sequência, o rosto do Paciente X ficaria alternando entre de Miller e de Dourif (que inclusive acabou entrando no trailer), mas foi tachado como confuso. Como se aquela mudança constante de um para o outro em pleno bate-papo não tivesse ficado, mas enfim.

Agora analisando O Exorcista III conhecendo todos os detalhes sórdidos, não dá para não dizer que e é um puta filme, uma sequência que faz jus ao original, com uma atmosfera soturna, bem construída e momentos realmente densos, violentos e profanos. Claro que também tem um sério problema de edição e os seus erros gritantes de roteiro, ainda mais se levarmos em consideração alguns aspectos de O Exorcista, como quando Kinderman diz que Karras era seu melhor amigo, e na verdade, se conheceram depois do assassinato de Burke Dennings e sabemos que o padre “morreria” logo depois, ou o fato que termos de engolir todas as vítimas com nome, sobrenome ou nome do meio começando com a letra K (outro M.O. do Assassino de Gêmeos), e de repente todo mundo em volta do caso coincidentemente tem a letra do alfabeto em seu RG (incluindo aí gente relacionada ao exorcismo de Regan, diga-se de passagem), como o garoto, os padres, a enfermeira, e por aí vai.

E para completar o infortúnio de O Exorcista III, o “pobre diabo” do Blatty nunca poderá nem fazer a sua versão do diretor, como aconteceu com Schrader, porque a Morgan Creek fez o favor de perder os negativos originais. O que é uma pena, porque dá uma curiosidade “dos infernos” de saber como seria o longa originalmente planejado e o embate, muito mais psicológico, tenso e acachapante, entre Kinderman e o Assassino de Gêmeos sem aquela patifaria em seu final.

Virado no Pazuzu

Virado no Pazuzu

Serviço de utilidade pública:

O DVD de O Exorcista III Está atualmente fora de catálogo.

Download: Torrent + legenda aqui.

 


Marcos Brolia
Marcos Brolia
Jornalista, editor e idealizador do 101HM, é fanático por filmes de terror (ah, vá!) desde que se conhece por gente, dos classudos aos mais bagaceiras. Adoraria ter um papo de boteco com H.P. Lovecraft e virar um shot toda vez que ele falasse a palavra “indizível”.

0 Comentários

  1. Fernando disse:

    Fora de catálogo, mas no catálogo aqui de casa. Hahahaha! Mas saiu em blu-ray, junto com todos os filmes da franquia em um box. faz quase um mês.

  2. Papa Emeritus disse:

    Eu ia fazer a pergunta “o que esses executivos tem na cabeça?”, mas a resposta é muito clara, “vontade de faturar”. E aí acontece essas merdas de retalhar o filme de um determinado diretor. O estranho é que eu ouço que a Warner Bros dá “liberdade total” a quem trabalha com ela. Sei. rsrs

  3. “Todo o horror psicológico, o clima lúgubre e pesado e o jogo sobrenatural de Blatty vai para o espaço, e somos brindados com mais uma cena descartável de exorcismo cheio de efeitos especiais, pirotecnia, olhos amarelos, levitações, cobras e que custou mais quatro milhões de dólares ao estúdio, despencando o nível do filme e lhe dando o infame status que tem hoje, além da ojeriza de público e crítica quando em seu lançamento.”

    Parece que é o mesmo problema do recente “Livrai-nos do mal”, não é? (não vi o filme ainda)

  4. […] psicológico, verborrágico entre o padre de fé renovada e o possuído da vez (como deveria ser O Exorcista III também, sem o dedo dos produtores), ainda mantém a mesma panfletagem carola. E não era de se […]

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

%d blogueiros gostam disto: