606 – O Massacre da Serra Elétrica 3 (1990)

leatherface_texas_chainsaw_massacre_iii_xlg

Leatherface: The Texas Chainsaw Massacre III

1990 / EUA / 85 min / Direção: Jeff Burr / Roteiro: David J. Schow / Produção: Robert Engelman; Michael De Luca (Produtor Executivo) / Elenco: Kate Hodge, Ken Foree, R.A. Mihailoff, William Butler, Viggo Mortensen, Joe Unger, Tom Everett, Miriam Byrd-Nethery, Jennifer Banko

O Massacre da Serra Elétrica 3 é um coletânea de erros. Uma tragédia anunciada, por assim dizer. Vou ser 100% sincero com o fã do horror: eu nunca havia assistido ao filme até o fazê-lo para escrever sobre o blog, afinal né, Leatherface, Massacre, uma das mais famosas e importantes franquias do gênero, e por aí vai. Não havia perdido nada.

Claro que vamos colocar os devidos pingos nos is. A culpa não é nem do diretor, Jeff Burr, nem do roteirista, David J. Schow e nem dos atores envolvidos, que até estão bem, por sinal, e temos aí um time de respeito, como Viggo Mortensen, William Butler e Ken Foree. A culpa é toda da New Line Cinema. Todinha. Do primeiro ao último frame. Inclusive o excelente livro de Stefan Jaworzyn contando os bastidores da franquia detalha muito bem todos os problemas os quais a produção passou (que usei como base para escrever esse texto).

A ideia da New Line, que havia enchido o rabo de dinheiro com o Freddy Kruger na década passada, era criar uma nova franquia ópera-rock do terror para seguir os mesmos passos, e por isso, compraram os direitos do Massacre com a Cannon Picutes, após aquela calamidade que foi O Massacre da Serra Elétrica 2. Foi tipo começo de namoro, saca? Tudo parece ser mil maravilhas, eles chamaram Tobe Hooper para dirigi-lo, contrataram Schow para escrever o roteiro, após um primeiro esboço do que seria A Hora do Pesadelo 5 – O Maior Horror de Freddy (onde Schow não levou o trabalho) e um episódio para a série Freddy’s Nightmares, e até Ken Henkel foi chamado para reuniões se envolver no projeto.

A serra é  a família

A serra é a família

Aí a coisa meio que começou a degringolar. Os engravatados passaram a meter os bedelhos no roteiro e exigiram um novo tratamento, preocupados com excesso de violência, Hooper caiu fora para dirigir Combustão Espontânea, o envolvimento de Henkel não passou da primeira reunião, o diretor Jonathan Betuel fora contratado e desistiu para dirigir comerciais. Nomes como Peter Jackson, John McNaughton e Tom Savini foram sondados, mas ninguém aceitou e a direção caiu nas mãos de Jeff Bur, que acabara de dirigir A Volta do Padrasto. Burr foi demitido antes do começo das filmagens, ninguém quis ficar com o cargo, e ele foi recontratado. Vai vendo…

Bom, O Massacre da Serre Elétrica 3 até tem relações com os filmes anteriores. A já obrigatória narração no início do filme conta sobre os acontecidos de 1973, remetendo ao original, pincelando sobre o que aconteceu a Leatherface, os crimes sem solução, o fato de apenas um membro da família Sawyer ter sido preso e por aí vai. Até quando vemos o maníaco da serra elétrica que usa pele humana como máscara, dessa vez longe do gordinho com ares de atraso mental eternizado por Gunnar Hansen, e interpretado por um brucutu motoqueiro, R.A. Mihailoff, notamos uma prótese em sua perna, decorrente da própria perna serrada naquele que “deu origem à série”.

Mas aí somos apresentados a uma nova família canibal, com outros representantes dos Sawyer que surgiram sabe-se lá de onde. O velho vovô ainda está lá em sua forma decrépita ressecada, mas aí conhecemos Tex (Mortensen), Tinker (Joe Unger), Alfredo (Tom Everett) e a pequena “filha de Leatherface”, Jennifer Banko, proles da Mama Sawyer (Miriam Byrd-Nethery), que vive em uma cadeira de rodas e fala com aqueles aparelhos ligados a sua traqueia. Tudo bem, é uma explicação, afinal, nunca soubemos da existência de nenhuma mulher na família Massacre e claro que aquele pessoal todo não nasceu de chocadeira. Mas é muito forçada essa nova trupe, sabe? Simplesmente não desce, e claro que nunca terão a mesma química insana dos personagens de Edwin Neal, Jim Siedow, John Dugan e Hansen. Enfim…

No cerne de sua trama, O Massacre da Serra Elétrica 3 é meio que um CTRL C+CTRL V (ou COMAND C+COMAND V, se você usa Mac) dos clichês da franquia e dos filmes de terror, que culminam obviamente em uma cena de jantar. Dois jovens estão cruzando o país, Michelle (Kate Hodge) e Ryan (William Butler) e ao passarem pelo Texas, param em um posto de gasolina, que tem um dono louco (óbvio), eles ficam sabendo de um atalho por um forasteiro que pede carona (no caso do Aragorn, filho de Arathorn, que depois se mostra um dos vilões), começam a ser perseguidos na noite por uma picape dirigida por Leatherface e é isso aí. O personagem de Ken Foree, Benny, com treinamentos militares, surge para ajuda-los e depois se mostra um dos mocinhos e vai enfrentar a família Sawyer e salvar Michelle de virar o prato principal.

Pequena Miss Massacre

Pequena Miss Massacre

Mas o grande problema de tudo, mas de tudo MESMO, foi o fato do filme ser mutilado pela New Line para evitar uma censura X e isso acarretou no roteiro ter de ser reescrito diversas vezes e todo o sangue e violência, cortados. A KNB foi a responsável pela maquiagem e efeitos especiais, e se esforçaram para dar um visual sombrio, sujo e violento para O Massacre da Serra Elétrica 3, mas tudo acabou indo para a lixeira, incluindo aí uma cena em que uma mulher presa em uma árvore sofria um corte vertical e o esmagamento explícito do cérebro do personagem de William Butler. Mas com certeza, apesar do atenuante dos cortes, em duas cenas, o dedo dos executivos teve um peso arbitrário absurdo que prejudicou ainda mais a já combalida produção.

O primeiro foi a ideia de que finalmente veríamos o verdadeiro rosto de Leatheface logo na sequência de abertura, deformado, sem nariz, como já tivesse sido desfigurado no passado. O momento está lá prontinho para aparecer, com o vilão construindo sua máscara, uma preparação clara e cristalina (e até uma homenagem à sequência inicial de A Hora do Pesadelo, com Freddy construindo sua luva de garras), mas a New Line decidiu cortar a cena para guardar a verdadeira face do vilão para a próxima sequência, a parte 4, que aconteceu, mas não pela New Line. A segunda e particularmente absurda, é que vemos claramente Benny com a serra elétrica de Leatherface enterrada em seu crânio em uma batalha em um fosso. Mas, no último momento, ele reaparece para salvar Michelle do perigo. Como? Por causa das exibições testes em que o personagem caiu nas graças do público (afinal, Ken Foree é um sujeito bacana e querido, estrelou Despertar dos Mortos e Do Além) e da predileção por ele até de Bob Shaye, o presidente da New Line, que queria o sujeito nas duas próximas sequências.

Então um ridículo final feliz foi refeito, dirigido pelo editor Michael N. Knue, tudo sem avisar a Jeff Burr, que só ficou sabendo da alteração em seu filme quando o viu pela primeira vez em um cinema do Tenesse, depois de já lançado comercialmente. Aliás, o filme deveria ter entrado em cartaz em 1989, mas estreou apenas em janeiro de 1990, nesse formato que conhecemos hoje, como uma verdadeira colcha de retalhos, por conta das interferências constantes da produtora e os cortes para satisfazer o MPAA.

Resultado final de O Massacre da Serra Elétrica 3: fracasso de crítica, público (mesmo faturando mais de 5 milhões de dólares) e um desprezo massacrante (RÁ!) dos fãs. Como disse lá em cima, uma coletânea de erros crassos para satisfazer uns fulanos de terno e gravata que não conhecem absolutamente nada da atmosfera, conceitos e até mesmo da importância do seminal filme de Tobe Hooper.

Cabeça de queijo

Cabeça de queijo

Serviço de utilidade pública:

O DVD de O Massacre da Serra Elétrica 3 está atualmente fora de catálogo.

Download: Torrent + legenda aqui.


Marcos Brolia
Marcos Brolia
Jornalista, editor e idealizador do 101HM, é fanático por filmes de terror (ah, vá!) desde que se conhece por gente, dos classudos aos mais bagaceiras. Adoraria ter um papo de boteco com H.P. Lovecraft e virar um shot toda vez que ele falasse a palavra “indizível”.

0 Comentários

  1. Papa Emeritus disse:

    Não existe nenhuma “versão do diretor” pra esse filme??? Assisti ele pela primeira vez no ano 2000 na rede de canais telecine da TV a cabo. Engraçado é que esse filme não me incomoda como o 4 faz.

  2. Engraçado que eu tinha ouvido falar que das continuações e remakes, esse era o menos ruim.

  3. É um lixo mesmo, mas convenhamos, nada supera a bagaceira que foi “Massacre da serra elétrica: o retorno” aquele com a Reneé Zellweger…¬¬’

  4. […] de volta os direitos do Massacre original, principalmente depois da patifaria (e fracasso) de O Massacre da Serra Elétrica 3 produzida pela New Line […]

  5. augusto disse:

    ótimo filme

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

%d blogueiros gostam disto: