616 – As Criaturas Atrás das Paredes (1991)

aPaTEbKH3cHG0BedikpYZiGyJlM

The People Under the Stairs

1991 / EUA / 102 min / Direção: Wes Craven / Roteiro: Wes Craven / Produção: Stuart M. Besser, Marianne Maddalena; Dixie J. Capp (Coprodutor); Peter Foster (Produtor Associado); Wes Craven, Shep Gordon (Produtores Executivos) / Elenco: Brandon Quintin Adams, Everett McGill, Wendy Robie, A.J. Langer, Ving Rhames, Sean Whalen, Bill Cobbs

 

Todos nós sabemos que Wes Craven mais erra do que acerta. No caso de As Criaturas Atrás das Paredes, é mais um dos felizes casos em que ele acertou (tirando aquele finalzinho…). Depois de começar a carreira de forma brilhante com nada menos que a trinca Aniversário Macabro, Quadrilha de Sádicos e A Hora do Pesadelo, o sujeito dirigiu algumas bombas memoráveis até então, como A Maldição de Samantha e Shocker – 100.000 Volts de Terror.

Então parece que As Criaturas Atrás das Paredes é uma obra de arte perto dos seus últimos filmes. Na verdade ele é bastante honesto quanto cinema de horror e Craven explora muito bem a ideia da luta de classes e desigualdade social, e aperta de novo a ferida contra a elite branca e a desestruturação da família média americana. Fora isso ele consegue manter boas cenas de suspense e tudo com uma poderosa história por trás como pano de fundo.

Craven é um sujeito que adora tirar ideias de seus filmes de reportagens de jornal. Foi assim que ele teve o insight sobre a trama de A Hora do Pesadelo (sobre crianças tailandesas que morriam durante o sono após ataques de terror noturno) e a mesma coisa neste caso. O diretor, roteirista AND produtor executivo leu sobre a história real de ladrões que invadiram uma casa e quando as autoridades chegaram, os meliantes desapareceram, mas a polícia descobriu portas trancadas com barulho vindo de seu interior. Crianças eram mantidas ali presas em seus quartos por seus pais, proibidas de saírem de casa. Sinistro né?

O gato comeu sua língua?

O gato comeu sua língua?

Então como a arte curte imitar a vida, Fool (Bobo) é uma criança negra que mora em um condomínio pobre no gueto e está preste a ser despejado junto com a irmã (que já tem um filho pequeno) e sua mãe que está morrendo de câncer e precisa fazer uma caríssima operação (com dinheiro que obviamente eles não possuem). Leroy (Ving Rhames) então vem com a ideia de invadirem a casa dos donos do condomínio, que reza a lenda são podres de ricos e tem moedas de ouro em sua propriedade (que como Silvio Santos bem ensinou, ouro vale muito mais que dinheiro), e está instalada a fábula de horror.

Acontece que os donos da residência são um esquisito casal, que nunca é dito seus nomes, e eles se tratam apenas como “Papai” e “Mamãe”, estupendamente interpretados respectivamente por Everett McGill e Wendy Robie, que também estupendamente interpretaram outro casal disfuncional na estupenda série Twin Peaks. O que vamos entender no decorrer do longa é que eles são irmãos e praticam um relacionamento incestuoso, e possuem uma filha de 12 anos chamada Alice (A.J. Langer, com 17 anos na época), que vive trancada dentro de casa sob maus tratos constantes. Só que também descobrimos que algo, ou alguém, ou alguma coisa, vive no porão do grande casarão e entre as velhas paredes.

Fool, Leroy e mais um vigarista invadem a casa e passam a ser caçados pelo casal e pelo Rottweiler deles. Para os dois adultos, a coisa não acaba nada bem, então o garotinho tentando escapar faz amizade com Alice e com uma das “pessoas embaixo das escadas”, Roach (Sean Whalen, com incríveis 27 anos de idade interpretando um pivete de 15, 16), diminutivo de cockroach, barata em inglês. Dentro daquele ambiente claustrofóbico, caçados por dois psicóticos com instintos assassinos, masoquistas e compaixão zero, se desenvolve toda a perseguição e todos os momentos de suspense e tensão, principalmente nunca ficando claro quem são aquelas crianças e adolescentes meio humanoides que vivem atrás da parede.

Nada como um banho quente...

Nada como um banho quente…

ALERTA DE SPOILER. Pule para o próximo parágrafo ou leia por conta e risco. Fool consegue sair do local maldito com algumas moedas de ouro, que poderiam pagar o aluguel pelos próximos três anos e o tratamento de câncer da mãe, e descobre pela história confidenciada pelo seu avô (Bill Cobbs) que de fato Alice não é filha dos dois irmãos, apenas mais uma das crianças pobres sequestradas pelos nefastos elitistas e a favor da higienização social, que ficam mantidos aprisionados. Daí vem a tônica a revolta de classes e todos os oprimidos moradores da perifa, liderados pelo destemido Fool com seu dever cívico de voltar ao local e salvar a nova amiga (donzela em perigo) e junto das crianças resgatadas, se voltam contra os dois vilões. Até que tudo termina de forma tosca com todo mundo fazendo uma festa (?!!!) no jardim, depois de Fool mandar tudo pelos ares e tocando um rap estilão anos 90. Por que, senhor Craven?

Parece ser impressionante que As Criaturas Atrás das Paredes funcione, e poxa, não deveríamos ter esse sentimento com relação a Wes Craven, uma vez que o cara simplesmente já foi talvez um dos mais importantes e promissores diretores do cinema de terror. Aqui ele acerta a mão por conta de se ater ao básico, sem muitas firulas, e claro, muito pela força dos dois antagonistas, completamente descompassados, cínicos, psicopatas, incestuosos, praticantes de SM (e o que é o Papai com aquela roupa de couro preta? Chupa AHS), fundamentalistas religiosos e canibais, que compensam toda e possível queda para uma desventura infantil, tipo um Os Goonies às avessas, já que o enredo tem essa pegada “contos de fadas moderno”.

Outro ponto interessante é a exploração da regressão da humanidade naqueles jovens trancafiados em um porão, que passam a se portar de forma selvagem e tem até suas feições alteradas, vítimas de maus tratos e exposição a situações adversas, assim como os moradores da periferia que são obrigados a recorrer ao crime para poder continuar vivendo com dignidade ou ajudar os familiares doentes. Invadir uma casa e roubar é errado? Sim, mas Fool é o herói do filme no final das contas, que salva toda uma comunidade de uma perversão absoluta em uma construção maniqueísta das mais básicas dos personagens.

Quando Wes Craven acerta, ele acerta de verdade, e As Criaturas Atrás das Paredes mostra que ele sabe contar a história certa quando quer (e quanto tem a oportunidade), com muito talento por trás das câmeras, na direção de atores e sequências de suspense, terror e violência. Porque quando ele erra…

Amar é...

Amar é…

Serviço de utilidade pública:

O DVD de As Criaturas Atrás das Paredes está atualmente fora de catálogo.

Download: Torrent + legenda aqui.


Marcos Brolia
Marcos Brolia
Jornalista, editor e idealizador do 101HM, é fanático por filmes de terror (ah, vá!) desde que se conhece por gente, dos classudos aos mais bagaceiras. Adoraria ter um papo de boteco com H.P. Lovecraft e virar um shot toda vez que ele falasse a palavra “indizível”.

0 Comentários

  1. Papa Emeritus disse:

    Esse é um dos filmes do Craven que mais gosto. Não lembro onde foi que eu li, mas uma vez vi uma matéria (ou crítica, não lembro) dizendo que “The People Under The Stairs” seria uma espécia de “Esqueceram de Mim” para adultos. Hehehehe.

    Enfim, ótimo filme do Craven.

  2. alucardcorner disse:

    Sou fã de Craven mas quando vi este filme achei um dos piorzinhos filme dele, talvez fosse também o estado de espírito que estava quando o vi, pois parece que as criticas são sempre para um bom filme. Claro que não bate o Shocker mas esse tá no topo e não tem rival há altura.

  3. obruzundanga disse:

    Está com um probleminha no link, parece. Não consigo clicar e baixar o torrent. Tento clicar e a aba não se abre.

  4. obruzundanga disse:

    Quando clico no link, não consigo abri – lo para fazer o download do torrent. Será que há algum problema?
    Mudando de assunto, já ouviu falar de Kenneth Anger? Ele fez várias filmes meio underground, com temática ocultista e satanista, nos anos 60 e 70. Não são filmes de horror, mas juntam psicodelia, ocultismo e satanismo. Um curta dele, chamado “Invocationf of my Demon Brother” tem uma tirlha sonora feita pelos Rolling Stones, e nele aparece o fundador da Church of Satan, Anton Lavey. Vale uma conferida. Abraços.

  5. EDU RAMONE disse:

    ”consegui comprar este filme numa loja de cd’s e dvd’s usados aqui no RIO,e para minha maior sorte a capa do dvd e do disco estão novos”

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

%d blogueiros gostam disto: