622 – Alien 3 (1992)

folderbkp

Alien³ 

1992 / EUA / 114 min / Direção: David Fincher / Roteiro: David Giler, Walter Hill, Larry Ferguson / Produção: Gordon Carroll, David Giler, Walter Hill; Sigourney Weaver (Coprodutora); Ezra Swerdlow (Produtor Executivo) / Elenco: Sigourney Weaver, Charles S. Dutton, Charles Dance, Paul McGan, Brian Glover, Ralph Brown

Você deve ter visto nas últimas semanas a notícia de que o sul-africano Neill Blomkamp (diretor do sensacional Distrito 9, do até decente Elysium e do aguardado Chappie) está envolvido na direção do próximo filme da franquia Alien, depois de ter postado umas fotos fodásticas de artes conceituais no seu Instagram no final do ano passado. E possivelmente esse novo filme será uma sequência direta de Aliens – O Resgate, com a volta da Sigourney Weaver e tudo mais (aí Ridley Scott, enfia seu Prometeus onde o sol não bate, valeu?) ignorando os últimos dois filmes da série.

Num sei se você sabe, mas eu SOU FÃ PRA CACETE DO ALIEN, e tipo a coisa mais legal que fiz no meu final de ano foi maratonas de horas gastas para zerar Alien Isolation no Xbox (QUE PUTA JOGO!) no modo hard. E eu SOU FÃ PRA CACETE DO ALIEN 3! Sério, para mim rivaliza quase de igual com Alien, O Oitavo Passageiro. Beleza, ignorar o lixo que é Alien – A Ressurreição merece respeito, agora Alien 3, é um sacrilégio.

Ele retoma o clima original do longa de 1979, mais terror e suspense com um monstro só e esquece a megalomaníaca guerra de Cameron, transportando Ripley e o xenomórfo para um ambiente sujo, grosseiro, sombrio, pesado e de quebra também é o mais gráfico e gore de todos. Fora todo o perrengue de Ripley estar no planeta prisão de segurança máxima Fiorina Fury 161, que funciona como uma mineradora para a inescrupulosa corporação Weyland-Yutani, rodeada pela escória do universo, apenas cromossomo Y duplo, assassinos, estupradores, molestadores infantis, e sem nenhuma arma para enfrentar a impiedosa criatura.

Mas realmente temos que elencar uma série de problemas que afetaram demais Alien 3, principalmente do diretor novato David Fincher, que hoje é um dos mais fodásticos de Hollywood (Seven – Os Sete Crimes Capitais, Clube da Luta, Zodíaco, Garota Exemplar, a novelona O Curioso Caso de Benjamin Button, O Homem Que Não Amava as Mulheres, A Rede Social, tá bom para você?) com a Fox, produtores e roteiristas, que resultou no abandono do projeto durante a edição (que levou UM ANO) e até do diretor “deserda-lo”.

Vai um negocinho?

Vai aí um negocinho?

Mas ele guardou consigo uma versão sem cortes que resultou na DO CARALHO versão estendida, lançada recentemente em DVD e Blu-ray com mais de meia hora de metragem, e que dá outro brilho ao filme, principalmente na cena em que trata da habilidade xenomórfica da criatura explica o porquê dela ser quadrúpede, ao ser gestada em um boi, em uma cena de nascimento completamente gráfica e nojenta, e quando Clemens (Charles Dance) encontra Ripley fora do criotubo de sua cápsula de sobrevivência, na praia, afogada e quase sem vida, ao cair no planetinha miserável, ajudando a esclarecer outra confusão sobre – ALERTA DE SPOILER – sua suposta infecção pelo facehugger.

Na real, esse filme ser concebido foi o famoso parto da montanha. Para você ter ideia, DOZE pessoas reivindicam o roteiro durante o árduo processo de produção. Nos créditos estão David Giler e Walter Hill, escritores exigidos contratualmente para Sigourney Weaver participar do projeto, o que gerou altas tretas, além de Larry Ferguson e história de Vincent Ward. Que em certo momento foi um dos diretores contratados, além de Renny Harlim, ambos abandonando o barco por diferenças criativas, até a cadeira ser ocupada por Fincher.

Entre as dezenas de versões do roteiro: alienígenas seriam usados como armas químicas pela Weyland-Yutani, a trama se passaria na Terra (que chegou a gerar pôsteres, tagline e campanhas de marketing); seria abordada a origem das criaturas (que era a ideia incipiente quando o nome de Scott estava envolvido na direção, que sabemos, virou o mote de Prometeus anos depois); Newt adulta voltando junto com Hicks ao planeta do longa anterior (utilizada no jogo de videogame Colonial Marines de 2013) e até, pasmem, um planeta monastério feito de madeira com monges vivendo como na idade média, refutando qualquer tipo de modernidade tecnológica e Ripley caindo lá com a criatura, e com direito até a um EXORCISMO! As filmagens tiveram de pararam por três meses para o roteiro ser reescrito. Muita coisa jogada fora, muita coisa aproveitada, outras ideias recauchutadas, grana indo para o ralo e um resultado onde ninguém ficou contente.

Alien 3 entrou em pré-produção diversas vezes, com maquetes e cenários sendo construídos e depois descartados e equipes inteiras demitidas devido as mudanças de roteiros e o orçamento estourou, muito na conta das refilmagens em seu final, para se aproximar do arrasa-quarteirão O Exterminador do Futuro 2 – O Julgamento Final. A bagatela ficou em nada menos que aproximadamente 65 milhões de dólares.

Tutti buona gente

Tutti buona gente

Reações negativas nas exibições testes (assim como Aliens, O Resgate) fizeram com que fosse severamente cortado para fugir do nefasto NC-17. ALERTA DE SPOILER. Temos também o final com o Alien rompendo o peito de Ripley durante seu suicídio, para que a companhia não colocasse as mãos nele, que também foi refeito, e devidamente refutado na versão de Fincher onde ela apenas se joga na caldeira quente, com os braços abertos formando uma simbólica cruz.

Mas Alien 3 mesmo com todos os problemas tem momentos emblemáticos, como a clássica cena do alienígena se encontrando com Ripley na enfermaria e ficando próximo de seu rosto, e deixando-a viva para depois descobrirmos o porquê. Foi também o primeiro a utilizar um mix de miniaturas, animatrônicos e efeitos especiais em CGI. E ali vemos um embrião do diretor que Fincher se tornaria futuramente, trabalhando com ângulos inusitados (como o POV do Alien pendurado no teto durante a perseguição), a ambiência suja e opressora, a câmera próxima dos atores e o abuso de slow motion. E também vale destacar a fotografia escura e alaranjada de Alex Thomson que dá vida a atmosfera lúgubre dos arredores de Fury 161.

Niilista, um cancro na alvorada tecnológica industrial espacial da série, sangrento, bruto e com uma Ripley resignada após viver anos e anos combatendo a criatura, o que se transformou sua vida, vítima do terrível destino desde que a Nostromo pousou em um planeta insólito e Kane foi abraçado pelo facehugger. Tanto que o final é o único desfecho que poderíamos esperar dela e da série, ainda mais com todo aquele tom messiânico de sacrificar-se para proteger a humanidade. Mas não, a Fox conseguiu depois ferrar com tudo com aquele ridículo quarto filme, e agora, ao que tudo indica, o injustiçado Alien 3 entrará em um limbo fílmico na sua própria mitologia com essa nova franquia. Talvez para Blomkamp e os produtores. Para mim, e os demais fãs, NUNCA!

Kiss me!

Kiss me!

Serviço de utilidade pública:

Compre o DVD de Alien 3 aqui.

E o Blu-Ray aqui.

Download: Torrent + legenda aqui.


Marcos Brolia
Marcos Brolia
Jornalista, editor e idealizador do 101HM, é fanático por filmes de terror (ah, vá!) desde que se conhece por gente, dos classudos aos mais bagaceiras. Adoraria ter um papo de boteco com H.P. Lovecraft e virar um shot toda vez que ele falasse a palavra “indizível”.

0 Comentários

  1. joaoprs disse:

    Chefe, essa versão para baixar é a “Director’s cut”?

  2. Matheus L. Carvalho disse:

    Eu também adoro ALIEN 3. É um filmaço – massacrado INJUSTAMENTE por todo mundo!
    Não vejo razão pra isso! É um filme legal pra caramba – cheio de suspense e gore!
    Um filme Nota 9,0

  3. Fabiano disse:

    Quanto tempo demorou para você zerar o Alien Isolation? E quando voltarão os vídeos com o Brunão?

    Abraço!

  4. Marcus Vinícius disse:

    É o Tywin Lannister? Esse tal Clemens

  5. SEMPRE SUBESTIMEI ESSE FILME, O VI NO CINEMA E SAI MUITO DESAPONTADO, ACHEI O MENOS TENSO E NENHUMA SEQUÊNCIA ME IMPRESSIONOU. SIMPLESMENTE O ESQUECI E DELETEI DA MEMÓRIA, ATÉ O QUARTO FILME ME PARECEU SUPERIOR COM TODO CGI E AS CENAS ONDE RIPLEY ENCONTRA SEUS CLONES DEFORMADOS, QUEIMANDO TODO LABORATÓRIO. QUANDO TERMINEI DE LER SUA CRÍTICA FIQUEI CURIOSO EM REVÊ-LO NESSA EDIÇÃO DO DIRETOR. CARA, REALMENTE TENHO QUE RESALTAR QUE O FILME ME PARECEU MUITO DISTANTE DAS MINHAS IDÉIAS ANTIGAS E FOI UMA GRATA SURPRESA. SOMBRIO FOI A PALAVRA QUE ENCONTREI PRA DEFINI-LO, A TENSÃO DESCONFORTÁVEL E A ADIÇÃO DE NOVAS CENAS MUDOU RADICALMENTE O FILME, DE FORMA POSITIVA. MAS FICO PRA SEMPRE COM O RANGER DOS DENTES, A CONTRAÇÃO MUSCULAR E A FALTA DE AR QUE ALIEN – O OITAVO PASSAGEIRO PROPORCIONA. GRANDE ABRAÇO.

    • Taí Alexandre, concordo com você! Que bom que você deu mais uma chance para ele, e que teve curiosidade em rever por conta da minha resenha!

      Isso que dá tesão em fazer esse blog.

      Abs

      Marcos

  6. Papa Emeritus disse:

    Odeio Alien 3. Vamos lá, me xinguem. KKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKK. E sim, eu vi a versão do diretor, e pra mim não mudou nada. Alien, o Oitavo Passageiro e Aliens O Resgate pra mim são MUITO superiores a esse filme. Já dei chance pra ele várias vezes e não consigo gostar.

  7. Eduardo disse:

    É inferior aos dois primeiros, mas não chega a ser ruim. O problema, pra mim, é a própria criatura. O alien deste aqui é um troço tosco demais, até fora de proporção em algumas cenas. Não convence! Depois daquela impressionante rainha mãe que o Cameron apresentou no filme anterior, não tem como não se decepcionar com o alien mixuruca da parte 3.

  8. Cara, seu blog é foderoso. Alien 3 também é, junto com o Oitavo Passageiro, o meu favorito. O que esse filme tem que o segundo não tem é ambientação — a fotografia é foda mesmo.

    Abraços o/

  9. […] do seminal Alien – O Oitavo Passageiro, o eletrizante Aliens – O Regaste e o sujo e grosseiro Alien 3, todos excelentes filmes (TODOS, SEM EXCESSÃO E INCLUO O ALIEN 3 SIM, LIDE COM ISSO!) Ripley tava […]

  10. […] aos melhores moldes de Alien – O Oitavo Passageiro (e com um clima que me lembra bastante Alien 3) e O Enigma de Outro Mundo de John […]

  11. […] de Noomi Rapace, e por aí vai, ou se no final, será um filme bastardo, como pode acontecer com Alien 3 por conta da sequência de Aliens – O Resgate de Neill Blomkamp que está em […]

  12. […] 5, que seria dirigido por Blomkamp (Elysium) esqueceria todos os eventos em Alien 3 e toda aquela pataquada de uma Ripley ressucitada por clonagem de DNA em Alien – A […]

  13. […] horror no Brasil, também lance a novelização dos outros dois filmes, Aliens – O Resgate e Alien 3, também escritas por […]

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

%d blogueiros gostam disto: