631 – Sonâmbulos (1992)

sleepwalkers_poster_01

Sleepwalkers

1992 / EUA / 91 min / Direção: Mick Garris / Roteiro: Stephen King / Produção: Michael Grais, Mark Victor, Nabeel Zahid; Richard Stenta (Coprodutor); Dimitri Logothetis, Joseph Medawar (Produtores Executivos) / Elenco: Brian Krause, Mädchen Amick, Alice Krige, Jim Haynie, Cindy Pickett, Ron Perlman, Dan Martin, Lyman Ward

 

Gosto sempre de pontuar aqui quando há filmes decentes envolvendo o mestre do terror, Stephen King, porque olhe, o contrário é muito mais abundante. Sonâmbulos é um desses casos que considero um filme bastante aceitável.

Baseado em um de seus contos não publicados e dirigido por Mick Garris, que aqui iniciaria uma longa parceria com King, Sonâmbulos é mais um daqueles filmes saudosistas dos anos 90, quando eu o assistia na Sessão das Dez do SBT e depois no Cinema em Casa. Até por isso rola aquele carinho também. Mas na verdade é um filme honesto, com uma história interessante e que já pega em sua introdução e com as gravuras, fotos e ilustrações do “povo felino” durante os créditos iniciais.

Os sonâmbulos são uma espécie de metamorfos híbridos entre humanos e felinos com poderes sobrenaturais, que se alimentam da energia vital de jovens virgens, e que possivelmente, podem ter sido a origem da lenda dos vampiros (pega essa!). Talvez os últimos de sua espécie sejam Charles (Brian Krause) e sua mãe, Mary Brady (Alice Kriege), com seu relacionamento incestuoso (!!!!) e danças agarradinhos ao som de “Sleepwalk” de Santo & Johnny, que mudam-se para uma cidade em Indiana em busca de uma nova vítima para se alimentar.

Beijinho doce

Beijinho doce

Entra em cena a GRACINHA Tanya Robertson (Mädchen Amick, que já era gracinha como a garçonete Shelly Johnson de Twin Peaks), toda linda, sorriso encantador, impossível de não se apaixonar na cena em que está dançando “Do You Love Me” da banda The Contours, de vassoura e walkman limpando o hall do cinema em que trabalha. Ela será a próxima vítima de Charles, que usará todo seu charme para conquistar a ninfeta só para poder chupá-la. A essência vital, eu digo!

O mais legal de Sonâmbulos são alguns momentos com pitadas de gore, como por exemplo, quando Charles arranca a mão do professor que queria chantageá-lo em troca de favores sexuais, ou mesmo quando parte para cima de Tanya no antigo cemitério e tem um saca-rolha enfiado no olho pela garota, e depois é atacado por um gato. Aliás, por algum motivo não explicado, os bichanos são os inimigos naturais das criaturas, que os temem, e podem lhe infligir danos mortais.

Os efeitos especiais, pela época, e pelo modesto orçamento de 15 milhões de dólares, até que dão para o gasto, como a cena em que, por meio de seus poderes psíquicos, eles são capazes de tornar-se invisíveis e até mudar cor e marca de seus carros, de um Trans Am azul para um Mustang vermelho. Rola até um lance meio videoclipe do “Black or White” de Michael Jackson, que causou um furor naqueles tempos (lembra da estreia mundial no Fantástico?), quando Charles vai mudando a forma do seu rosto de humano para sonâmbulo ao avistar um gato no carro de um policial.

Loka dos gato

Loka dos gato

A direção de Garris é acomodada, sem nenhum arroubo de criatividade (como em todos os seus longas, é verdade) e a história é straight forward, sem firulas, desenvolvimento profundo de personagens e motivações, e todas as interpretações são cheias de estereótipos, mas é o que manda a trama, tirando a Mary Brady de Krige que rouba a cena, principalmente quando deixa de implorar para o filho trazer comida e resolve colocar a mão na massa com toda sua malvadeza. E tem o costumeiro toque Stephen King, com pessoas ordinárias numa cidadezinha americana tendo que lidar com eventos sobrenaturais.

Além disso, tem uma cacetada de participações mais que especiais no longa. Stephen King, Mark Hammil, Joe Dante, Clive Barker, John Landis e Tobe Hooper. Você conseguiu pegar todas? E outro detalhe bacana é que os pais de Tanya, o Sr. e Sra. Robertson (Lyman Ward e Cindy Pickett, respectivamente) são exatamente os mesmos pais de Ferris Buller em Curtindo a Vida Adoidado. Lembra?

Sonâmbulos é um filme OK, redondo dentro de sua proposta, que diverte e entretém sem muitas grandes pretensões. Mas se salva em um mar de porcarias que tem o nome de Stephen King nos créditos.

Acho que vi um gatinho...

Acho que vi um gatinho…

Serviço de utilidade pública:

O DVD de Sonâmbulos está atualmente fora de catálogo.

Download: Torrent + legenda aqui.


Marcos Brolia
Marcos Brolia
Jornalista, editor e idealizador do 101HM, é fanático por filmes de terror (ah, vá!) desde que se conhece por gente, dos classudos aos mais bagaceiras. Adoraria ter um papo de boteco com H.P. Lovecraft e virar um shot toda vez que ele falasse a palavra “indizível”.

3 Comentários

  1. MATHEUS L. CARVALHO disse:

    Um filme com selo STEPHEN KING de qualidade!!!!

    Nota 9,5!!!!

    Obs., Marcão:
    É roteiro original. Não é baseado em nenhum conto ou livro.
    Isso foi dito pelo próprio Mick Garris.

  2. Cinéfilo disse:

    Que filme tosco.

  3. Luiz Henrique disse:

    Acho esse filme muito bom. o link para o download está indisponível. por favor, atualizem. quero baixa-lo. obrigado.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

%d blogueiros gostam disto: