646 – A Dança da Morte (1994)

vrmP9QL5DWwqXiH6DO6iURttfT4

The Stand

1994 / EUA / 366 min / Direção: Mick Garris / Roteiro: Stephen King (Baseado em seu livro) / Produção: Mitchell Galin; Michael Gornick (Produtor Associado); Peter R. McIntosh (Supervisor de Produção); Stephen King, Richard P. Rubinstein (Produtor Executivo) / Elenco: Gary Sinise, Molly Ringwald, Jamey Sheridan, Laura San Giacomo, Ruby Dee, Ossie Davis, Miguel Ferrer, Rob Lowe, Ed Harris

 

Olhe, precisa-se de um saco do tamanho do Maracanã para aguentar assistir as SEIS HORAS insuportáveis de A Dança da Morte. E por favor, Stephen King bitchies, não há argumento plausível contra minha opinião! Ou estou errado e a minissérie é agradabilíssima de se ver e algo sensacional?

Bom, vamos lá que sei que talvez eu tome pau de um monte de gente aqui no post por causa disso, mas qual é? Por mais que os defensores digam: ah, mas a adaptação é fiel ao livro (que por sinal é considerado um dos melhores da carreira do escritor do Maine), eu preferia mil vezes algo que não tentasse ser ipsis literis e que vai, tivesse no máximo umas três horas, mesmo com suas infinidades de personagens, locais e situações (ô King, entende aí que audiovisual é audiovisual e literatura é literatura, duas mídias completamente diferentes) porque ficar na frente da tevê vendo seis horas disso aqui é uma tarefa hercúlea. E convenhamos, dava para ter jogado no mínimo umas duas horas na lata do lixo da sala da edição, fácil.

A grande sacada do livro, é que mais uma vez King mostra aquilo que faz de melhor, que é colocar pessoas comum em situações escabrosas, e em suas mais de mil e cem páginas vai costurando os dramas pessoais daqueles poucos sobreviventes de um poderoso vírus criado em um laboratório de um complexo militar, que praticamente dizima toda a população do planeta. Mas obviamente isso não funciona na minissérie exibida na ABC. E explico o porquê:

Primeiro de tudo vamos colocar na conta de Mick Garris, que sempre foi um diretor série B e nunca nem em seus melhore dias conseguiria tirar o melhor de seu ofício e muito menos de seus atores, ainda mais em uma empreitada tão megalomaníaca e ousada como a adaptação de A Dança da Morte. E ah, falando em atores, é uma constelação de gente ruim ocupando os papeis principais, passando pelo inexpressivo Gary Sinise, que vive o herói Stu Redman, seu par romântico, a sonsa Frannie Goldsmith (a musa dos filmes teens de John Hughes dos anos 80, Molly Ringwald), até chegar a um péssimo Jamey Sheridan como o vilão Randall Flagg. Nem vou falar de uma personagem chave, a vira-casaca duas vezes, Nadine Cross de Laura San Giacomo que nem vale a pena de tão péssimo que a moça atua.

Mortinho da Silva

Mortinho da Silva

Tirando tudo isso, como se não fosse o bastante, apesar do esforço da produção e de seus números nababescos (460 páginas de roteiro, gravações em seis estados, 100 dias de filmagens, 125 papeis com falas, 225 sets de filmagens construídos, e por aí vai) a cara de “made for TV” é gritante demais, e o uso dos efeitos especiais acaba mais atrapalhando do que ajudando no final das contas (e gente, o que é aquele confronto final – apressadíssimo, diga-se de passagem – em Las Vegas contra Flagg e a aparição da “mão de Deus”?). E para finalizar, o excesso de momentos dramáticos desnecessário (com atores ruins que potencializa a coisa para pior), excesso de melodrama com suas trilhas sonoras piegas e pregação evangélica exagerada ajudam a fazer com que A Dança da Morte seja um exercício de paciência e obstinação para os bravos.

E sabe o que dá mais pena? Que a história é simplesmente fantástica! Nesse ambiente pós-apocalíptico depois da hecatombe causada pelo super vírus, um grupo de sobreviventes é atraído por um sonho em comum ao encontro da Mãe Abigail Freemantle (Ruby Dee) uma velha senhorinha negra que vive em um milharal, que guiará “seu povo” para o Colorado, onde irão instituir uma região chamada “Zona Livre”, governada por um conselho, tentando restaurar as engrenagens do mundo. Do outro lado das Montanhas Rochosas, em Las Vegas, Flagg (que se tornaria um vilão recorrente de histórias de King, principalmente na série A Torre Negra) reúne um bando só com os maus elementos, governando com sua tirania bélica, cujo mote principal de é o poder totalitário, que deseja acabar com o outro grupo, que constitui uma constante ameaça contra seus planos de dominação.

Há espaço então para mensagens religiosas transbordando aos borbotões, esperança, fé, opressão, traições, maldade, mortes e a luta de algumas pessoas contra o seu trágico destino em começar tudo do zero. Esse é o ponto central de A Dança da Morte, que seria qual a reação de cada indivíduo, como se portaria a humanidade, as tomada de decisões, as relações humanas e seus sentimentos, do altruísmo ao egoísmo, de convivência pacífica ou busca por poder, que acabam sobrepujando qualquer elemento sobrenatural, de forma acertada. Mas configurada essa luta, o que atrapalha demais seu desenrolar é King e Garris constantemente jogarem o velho maniqueísmo clichê desgastado da dualidade infinita da luta contra o bem e o mal na nossa cara a todo instante, em um exacerbado tom carola afetadíssimo.

The Walking Dead?

The Walking Dead?

Por muito tempo foi desejo de ninguém menos que George A. Romero levar A Dança da Morte para as telonas. King fez dezenas de rascunhos do roteiro para tentar encaixá-lo em um longa metragem (o que aparentemente seria impossível), mas não conseguiu chegar a um denominador comum, a não ser que quebrasse o filme em duas partes. Mas antes disso se tornar viável, foi oferecida pela ABC a chance de transformar o livro em uma minissérie para a televisão, o escritor abocanhou e como bem sabemos, o resto é (longa) história.

Porém, já deve ser de conhecimento geral do fã do horror que a Warner Bros. fará uma nova adaptação de A Dança da Morte, dessa vez para os cinemas. O diretor será Josh Boone (de A Culpa é das Estrelas, oi?) mas ainda não se sabe muito sobre os detalhes de produção (falam-se de dois a QUATRO filmes) e já foi até especulado que Matthew McConaughey faria o papel de Randall Flagg. Se isso de fato acontecesse, aí sim eu veria vantagem, para nos ajudar a esquecer de vez o sofrível Jamey Sheridan com seus mullets e jaqueta jeans (sem contar as toscas transformações em Coisa-Ruim).

Fato é que eu sou fãzaço de Stephen King como vocês bem sabem, o sujeito foi efetivamente o primeiro escritor de terror que eu li, fazia maratonas de seus filmes nas madrugadas e pirateava os VHS alugados nas locadoras para sempre poder assistir suas obras. Nunca, nem me meus jovens anos gostei de A Dança da Morte. Lembro-me no colegial quando perdi praticamente um dia arrastado inteiro tentando assistir às duas fitas com meus amigos e já tinha achado uma bela droga. Agora então, com meus trinta e poucos anos e só podendo assistir à noite, foi um verdadeiro martírio. Devo ter levado pelo menos uma semana para terminar, pois assistia vinte, trinta minutos de filme e já dormia de tão insuportável. Mas fazer o quê, ossos do ofício…

Espantalho do mal

Espantalho do mal

Serviço de utilidade pública:

O DVD de A Dança da Morte está atualmente fora de catálogo.

Download: Torrent + legenda aqui.

 


Marcos Brolia
Marcos Brolia
Jornalista, editor e idealizador do 101HM, é fanático por filmes de terror (ah, vá!) desde que se conhece por gente, dos classudos aos mais bagaceiras. Adoraria ter um papo de boteco com H.P. Lovecraft e virar um shot toda vez que ele falasse a palavra “indizível”.

8 Comentários

  1. Vinicius disse:

    Em defesa desse filme, acho genial o começo, com a câmera vagando pelo laboratório, mostrando os cientistas mortos ao som de “Don´t Fear the Reaper”. E uma vantagem da era VHS: como eram duas fitas, o filme tinha “só” 4 horas hehehe.

  2. alucardcorner disse:

    Aguentar tanto tempo a ver esse filme é de herói, eu aguentei 30m e nunca mais me lembrei dele, já agora só existem filmes do King nos anos 90? 😀

  3. Papa Emeritus disse:

    Eu tô com o Marcos. Eu aluguei essa joça em VHS nos anos 90, assisti em um final de semana, uma fita no Sábado e outra no Domingo. Tentei re-assistir esse ano de 2015 (baixei via torrent), tem uns 3 meses, mas não deu. Cheguei a uma hora e já estava cansado. Não é nem porque é grande, é porque é cansativo mesmo. Ano passado eu assisti ao filme Satantango do diretor húngaro Béla Tarr e esse filme tem 7 horas de duração, e consegui assistir ele inteiro numa tacada só. Então eu pensei que conseguiria assistir A Dança da Morte de novo. Mas não deu. Satantango é grande mas flui facilmente, quando você dá por si já passaram as 7 horas num piscar de olhos. A Dança da Morte é arrastado pra burro em vários momentos. É mais uma obra do King pras telas que não me desce. Eu gosto de algumas como O Iluminado, Sonho de Liberdade, Carrie, Louca Obsessão, It…. mas a maioria não desce.

  4. Esse espantalho mais tá parecendo mais o demônio do porão de Evil Dead HAHAHAHAHAHAHA

  5. Eu li esse seu texto pensando em “The Walking Dead”, aí eu vejo a legenda de uma das fotos e aí… Bingo!

  6. […] King já aprontou anteriormente nesse quesito ou que já aprontaram com ele, como os execráveis A Dança da Morte ou Tommyknockers – Tranquem Suas Portas, para ficar só nesses dois […]

  7. […] um eterno coadjuvante que aqui tem a chance de ser um protagonista – e já havia atuado em A Dança da Morte, também de King, e fez a voz do pai de Jack Torrance no rádio, na versão televisiva de O […]

  8. Mas este não é um filme, a ideia não é assistir 6 horas seguidas, é uma mini série pensada pra televisão, pra ser assistida picado. sei lá, na época eu curti, hoje não devo curtir o mesmo tanto, mas não tem como analisar como se fosse um filme.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

%d blogueiros gostam disto: