660 – Halloween 6 – A Última Vingança (1995)

halloween_the_curse_of_michael_myers_xlg

Halloween: The Curse of Michael Myers

1995 / EUA / 87 min / Direção: Joe Chappelle / Roteiro: Daniel Farrands / Produção: Paul Freeman; Malek Akkad (Produtor Associado); Moustapha Akkad (Produtor Executivo) / Elenco: Donald Pleasence, Paul Rudd, Marianne Hagan, Mitchell Ryan, Kim Darby, Bradford English, Keith Bogart, Mariah O’Brien

 

Halloween 6 – A Última Vingança ou como enterrar de vez de forma deprimente e vexatória uma das mais importantes séries slashers do cinema de terror. Pobre Michael Myers… Em que caminho você foi levado desde que John Carpenter o criara em 1978 e depois fora deixado ao mundo nas mãos do inescrupuloso produtor Moustapha Akkad?

Lembra do final do já pavoroso (no sentido pejorativo da palavra) Halloween 5 – A Vingança de Michael Myers? Quando a jovem Jamie Lloyd e nosso querido assassino mascarado são resgatados de uma delegacia de política, após uma verdadeiro massacre, por um sujeito esquisito de capote preto e chapéu? Pois bem, aqui vamos testemunhar o desenrolar desse história xula.

Começa com um salto temporal seis anos no futuro, e, claro, em uma véspera de Halloween, vemos Jamie já uma moça (interpretada por J.C. Brandy), grávida, tendo um bebê em uma espécie de hospital secreto, parte de um ritual misterioso praticado por uma seita de pessoas vestidas de longas túnicas pretas e capuz. Auxiliada por uma enfermeira, Jamie consegue escapar com a criança e volta para Haddonfield, sendo perseguida por Michael Myers, que insiste naquela sua tara, até aqui inexplicável, em matar todo mundo de sua família.

Os tios de Laurie Strode (a personagem de Jamie Lee Curtis lá no Halloween – A Noite do Terror original) moram na antiga casa dos Myers com a mocinha da vez, Kara Strode (Marianne Hagan) que tem um filho, Tim (Keith Bogart, que parece mais o Joffrey Baratheon com algum atraso mental) que são vigiados pelo vizinho da frente, os qual descobriremos mais tarde ser Tommy Doyle, o garoto que Laurie estava sendo babá na fatídica noite de Dia das Bruxas quando Myers tocou o terror pela primeira vez, vivido pelo futuro Homem Formiga, Paul Rudd, em seu debute nas telonas (Halloween 6 estreou antes de As Patricinhas de Beverly Hills).

Modus Operandi

Modus Operandi

Doyle descobre que Jamie foi para Haddonfield, encontra seu bebê escondido após ser assassinada e vai pedir ajuda a maior autoridade no assunto: o Dr. Sam Loomis, no último papel de um já velhinho e debilitado Donald Pleasence. Bom, tudo isso acontece para que o espectador de uma vez por todas decifre todo o mistério por trás de Myers e sua obsessão familiar, que se dá por meio de uma ridícula explicação envolvendo uma seita secreta celta que lançou no pequeno Michael a maldição de Thorn, um antigo druida que na noite de Samhaim (Halloween) deveria sacrificar sua família para que toda a tribo prosperasse. É mole?

O pior não é nem isso, é que como se não bastasse, toda a equipe do Sanatório de Smith’s Grove, aquele que Michael foi internado logo após matar a irmã, liderada pelo Dr. Wynn (Mitchel Ryan) fazem parte dessa seita e também são hábeis geneticistas, que pretendem fazer fertilizações in-vitro usando o DNA do maníaco e assim continuar a maldição!!!! Caso sirva de consolo, pelo menos isso explica a facilidade do psicopata em fugir do local no primeiro filme (e com que talvez ele tenha aprendido a dirigir). E calma, tem mais. O tal do filho da Kara Strode, é um dos resultados dessa manipulação genética e também passa a “ouvir a mesma voz que Michael ouvia para matar sua família”. AFE!

Aliás, é sabido que Halloween 6 – A Última Vingança teve diversos problemas de produção, brigas entre diretor, roteirista, produtores e elenco. O que com certeza deve ter afetado o resultado e decretado esse Frankenstein que a fita se tornou. Tanto que há duas versões disponíveis: aquela lançada nos cinemas e o “Producer’s Cut” (sério, nunca vi isso na minha vida, somente o “Director’s Cut”, já que os produtores são sempre os vilões e retalham as versões autorais dos diretores para o lançamento no mercado exibidor comercial, e desta vez, parece que foi o contrário), que só em 2014 foi distribuída em DVD pela Shout! Factory.

Eu quero que você seja o Homem-Formiga! Oh, wait.

Eu quero que você seja o Homem-Formiga! Oh, wait.

As famosas diferenças criativas entre os produtores e o diretor Joe Chapelle foram gritantes. Eu lembro há muuuuuito tempo, isso há mais de dez anos, havia um site bem legal sobre a série Halloween (que não me lembro mais o nome, endereço e tampouco o autor), onde eu li uma entrevista exclusiva deles com o roteirista Daniel Farrands, metendo a boca no trabalho de Chapelle, dizendo o quanto nada do roteiro dele foi aproveitado (chegou a ser reescrito ONZE VEZES!), como o enfoque era muito mais psicológico e dava uma explicação bem mais “convincente” sobre toda a questão das runas, druidas, Thorn e tudo mais.

Além disso, tivemos a grande perda de Donald Pleasence durante as filmagens, o gerou mudanças de última hora no roteiro, como o enxerto daquele final completamente estúpido e sem sentido nenhum, onde originalmente, Michael escaparia andando mais uma vez, com seu trabalho finalizado de uma vez por todas, e Loomis descobriria uma tatuagem de Thorn em seu braço, indicando que a maldição passara a ele (não que isso seja um final melhor ao meu ver…). A versão do diretor começa também com um flashback da fuga de Myers e Jamie proporcionada por um grupo de homens encapuzados, e não diretamente com Jamie já adulta em trabalho de parto.

Fato é que essa versão do produtor foi mal nas fatídicas audições testes, a morte de Pleasence e as brigas entre diretor e os Akkad originou uma série de refilmagens, edições, remendos, que são perceptíveis ao vermos o resultado final e gerou descontentamento e raiva em diversos membros do elenco e equipe, que execram a produção. E do público e fãs, diga-se de passagem, apesar de Myers estar em excelente forma carniceira com suas mortes violentas (a do tio da Laurie Strode que é empalado, eletrocutado e tem a cabeça explodida é uma das melhores da cinesérie).

Resultado de toda essa bagunça está aí em Halloween 6 – A Última Vingança, que é nada menos que um final melancólico, confuso e odioso para um vilão que tanto amamos. Mas fãs dos slasher movies já estão acostumados, uma vez que o mesmo acontecera quando resolveram tirar de cena o Jason e o Freddy, outros ícones do subgênero. Triste, mas verdadeiro.

Ah, Michael... Sempre tão expressivo!

Ah, Michael… Sempre tão expressivo!

Serviço de utilidade pública:

O DVD de Halloween 6 – A Última Vingança está atualmente fora de catálogo.

Download: Torrent + legenda aqui.


Marcos Brolia
Marcos Brolia
Jornalista, editor e idealizador do 101HM, é fanático por filmes de terror (ah, vá!) desde que se conhece por gente, dos classudos aos mais bagaceiras. Adoraria ter um papo de boteco com H.P. Lovecraft e virar um shot toda vez que ele falasse a palavra “indizível”.

12 Comentários

  1. Papa Emeritus disse:

    Esse eu lembro de ter visto em VHS. E lembro de ter odiado na primeira assistida. E olha que viria coisa pior pela frente. Não o H20 (esse eu até acho legal), mas o resurrection, o remake e a sequência do remake seriam o “canto do cisne”.

  2. Leonardo disse:

    A trama é péssima mesmo, mas o filme tem cenas tensas… isso não há como negar. Faz muito tempo que não vejo, mas me lembro de perseguições ótimas (tipo a da Jamie no começo) e as mortes estão bem violentas. Mas infelizmente não dá pra engolir o roteiro e a história. Halloween pra mim é uma trilogia, os dois primeiros e o H20, que é o meu preferido da série.

  3. Roberto disse:

    Alguém lembra do filme “As Duas Vidas de Audrey Rose”? A enfermeira que ajuda Jamie no início do filme é Susan Swift – a própria Audrey Rose

  4. Elias Pacheco disse:

    Uns dizem que a versão dos produtores é melhor. No filmow tem registro para ambas. Mas é perda de tempo, o filme é ruim das duas formas, retalhado e confuso das duas formas. Talvez o pior da série (se bem que não gosto de nada a partir do quarto filme, onde começava toda a palhaçada desse arco esdrúxulo).

  5. […] produtores então fizeram um corte completamente diferente, contratando Joe Chapelle (de Halloween 6 – A Última Vingança, olhe que excelente referência!) para finalizá-lo, filmar novas cenas e reescrever o roteiro […]

  6. […] antiga enfermeira assistente do Dr. Sam Loomis (Donald Pleasence morrera durante as filmagens de Halloween 6 – A Última Vingança e não pode retornar aqui para reprisar o papel) e assassinar um pivete Joseph Gordon-Levitt com um […]

  7. Matheus L. CARVALHO disse:

    Marcão, posso falar?

    Eu consegui encontrar a PRODUCER’S CUT, e, confesso:
    É BEM MELHOR que a versão do cinema!!!!!!!!!!! É tudo mais bem explicado, tem cenas e takes diferentes… enfim.
    A PRODUCER’S CUT é a versão definitiva!!!!

    Se quiser, eu dô o link pra você baixar.

    Certo?

    Abraço!!!!!!!!

  8. Leo Fontoura disse:

    Um link para baixar a outra versao por favor!!!!! A producers cut!!’! Sera q tem legenda em portugues?

  9. Deveriam explicar bem como a Jamie engravidou e morre em seguida e a explicação de por que persegue seus parentes , mas não sendo controlado por ela.
    Deveriam colocar um embate final entre o bebê de Jamie já adulto e o filho de Laurie que sobreviveu em H 20 depois que Laurie e morta por michael os dois se reencontraram coincidente mente e se unem para dar um ponto final em Myers

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

%d blogueiros gostam disto: