661 – Mangler – O Grito de Terror (1995)

mangler_poster_01

The Mangler

1995 / EUA, Reino Unido, Austrália, África do Sul / 106 min / Direção: Tobe Hooper / Roteiro: Tobe Hooper, Stephen Brooks, Peter Welbeck / Produção: Anant Singh; Rita Marie Bartlett (Produtora Associado); Sudhir Pragjee, Sanjeev Singh, Helena Spring, Peter Welbeck (Produtores Executivos) / Elenco: Robert Englund, Ted Levine, Daniel Matmor, Jeremy Crutchley, Vanessa Pike, Demetre Phillips, Lisa Morris

Uma sentença para resumir Mangler – O Grito de Terror: UMA MÁQUINA DE PASSAR ROUPA ASSASSINA POSSUÍDA POR UM ESPÍRITO DEMONÍACO! Preciso dizer mais alguma coisa?

Preciso! Citar o nome de alguns dos envolvidos. Eu lembro da primeira vez que vi o trailer de Mangler em algum outro VHS que alugara, alardeando que três mestres do terror moderno criaram a máquina definitiva, destacando seus nomes em letras garrafais: Tobe Hooper (diretor de Poltergeist – O Fenômeno), Robert Englund (o astro de A Hora do Pesadelo) e baseado num conto de Stephen King. ORRA, diga: como poderia dar errado?

E deu, afinal, falamos de um droga de UMA MÁQUINA DE PASSAR ROUPA ASSASSINA POSSUÍDA POR UM ESPÍRITO DEMONÍACO! Não existiria uma dimensão sequer ou uma galáxia muito distante em que isso funcionaria. Uma coisa é você ler o conto “A Máquina de Passar Roupa”, dentro da coletânea “Sombras da Noite” de King (que por sua vez foi a que mais rendeu adaptações para o cinema), outra é ver isso na tela, levado já por um decadente Tobe Hooper, em um filme B típico dos anos 90 da New Line Cinema.

Passa roupa todo dia, que agonia...

Passa roupa todo dia, que agonia…

Bom, vou salvar desse naufrágio cinematográfico do gênero de horror o Robert Englund, porque para variar, sua atuação está muito bacana, apesar de caricata ao extremo (mas esse era o propósito no final das contas), como o repulsivo e ganancioso William “Bill” Gartley, poderoso dono de uma lavanderia industrial, dono da tal MÁQUINA DE PASSAR ROUPA ASSASSINA POSSUÍDA POR UM ESPÍRITO DEMONÍACO, a qual fizera um pacto, junto de todas as figuras importantes de Riker Valley, uma cidadezinha da Nova Inglaterra, oferecendo sacrifício humano (leia-se suas filhas de 16 aninhos) em troca de poder e riqueza.

Durante um puxado turno na lavanderia, a sobrinha de Gartley, Sherry Oulette (Vanessa Pike) acaba cortando a mão e jogando sangue na máquina, que traria o adormecido espírito demoníaco a vida pelo fato de ser sangue de uma virgem. Para completar a desgraceira, uma outra empregada do local, a velha senhora Adelle Frawley (Vera Blacker) deixa cair alguns comprimidos de seu antiácido na máquina, que tinha beladona em sua fórmula, e BANG!, a combinação mortal rende uma magia negra da brava e a MÁQUINA DE PASSAR ROUPA ASSASSINA POSSUÍDA POR UM ESPÍRITO DEMONÍACO começa a fazer suas vítimas, sendo a Sra. Frawley a primeira, que é triturada pela traquitana saída diretamente da revolução industrial do século XIX e depois dobrada como um lençol, virando um resto amorfo de carne e sangue.

O oficial John Hunton (Ted Levine, o Buffallo Bill de O Silêncio dos Inocentes) é chamado para investigar o caso, e com a ajuda do seu amigo teólogo e especialista no oculto, Mark Jackson (Daniel Matmor), descobrem o segredo obscuro daquela MÁQUINA DE PASSAR ROUPA ASSASSINA POSSUÍDA POR UM ESPÍRITO DEMONÍACO e o passado nefasto de Gartley, além de seus planos futuros de sacrificar a sobrinha na noite de seu aniversário, para manter o pacto com o instrumento comilão. Responda se realmente poderia ter dado certo esse filme…

Venha para o titio Gartley!

Venha para o titio Gartley!

E bem conhecemos o gênio de Tobe Hooper né? Desde O Massacre da Serra Elétrica e Eaten Alive, sabemos que ele nunca mais conseguiu fazer nada que preste (eu não gosto de Poltergeist e todo o crédito de verdade vai para o Spielberg, já que Hooper era apenas um pau mandando, e vamos dar um mínimo desconto para Pague Para Entrar, Reze Para Sair, que é divertido) e sempre se meteu em confusões e furadas com produtores (taí as bombas que ele fez para a Cannon que não me deixa mentir). Aqui o caso foi o mesmo, onde por diferenças criativas, deixou a produção após ter filmado grande parte de metragem, que teve de ser concluída pelo produtor Avant Singh. Deve ter sido durante a sequência final quando percebeu o tamanho da vergonha em dirigir uma MÁQUINA DE PASSAR ROUPA ASSASSINA POSSUÍDA POR UM ESPÍRITO DEMONÍACO se transformar em um Transformer e sair perseguindo as pessoas pela fábrica.

Mas vamos tirar o chapéu para a atuação de Englund e a excelente maquiagem de Barry R. Koper e David B. Miller (que já havia maquiado ator em A Hora do Pesadelo original, nas partes 5, 6 e em O Novo Pesadelo: O Retorno de Freddy Krueger). O sujeito está realmente detestável, escroto, envelhecido, todo enrugado, com cabelo branco, um olho de vidro, aparelho de traqueostomia e duas pernas mecânicas, tendo de se movimentar por meio de muletas. A única coisa que se salva de um filme de 108 minutos. E vai, quando temos um relance das pessoas laceradas pela MÁQUINA DE PASSAR ROUPA ASSASSINA POSSUÍDA POR UM ESPÍRITO DEMONÍACO.

Até na tradução do título de Mangler – O Grito de Terror, se perde a graça do trocadilho criado por Stephen King. O original, “The Mangler” significa triturador, enquanto o nome dessas máquinas industriais de passar lençóis em inglês é mangle, que em bom português quer dizer calandra. E ainda to mangle é o verbo para triturar, destroçar. Muito espirituoso! E só para não passar batido, ainda tiveram a pachorra de fazer mais DUAS continuações, que obviamente esse escriba não assistiu.

MÁQUINA DE PASSAR ROUPA ASSASSINA POSSUÍDA POR UM ESPÍRITO DEMONÍACO

MÁQUINA DE PASSAR ROUPA ASSASSINA POSSUÍDA POR UM ESPÍRITO DEMONÍACO

Serviço de utilidade pública:

O DVD de Mangler – O Grito de Terror está atualmente fora de catálogo.

Download: Torrent + legenda aqui.


Marcos Brolia
Marcos Brolia
Jornalista, editor e idealizador do 101HM, é fanático por filmes de terror (ah, vá!) desde que se conhece por gente, dos classudos aos mais bagaceiras. Adoraria ter um papo de boteco com H.P. Lovecraft e virar um shot toda vez que ele falasse a palavra “indizível”.

6 Comentários

  1. Papa Emeritus disse:

    Mais um filme tosco baseado em Stephen King. Stephen King tem ótimos livros, mas é impressionante como na maioria das vezes os cineastas não conseguem transpor pras telas essas obras de forma decente. Nem o próprio Stephen King consegue (se lembram do “Comboio do Terror”?). Já falei, dá pra contar em duas mãos a quantidade de filmes bons baseados em Stephen King, e isso é pouco se levarmos em conta que tem MUITO filme por aí baseado na obra dele.

  2. Um filme com Freddy Krueger e Buffalo Bill e é ruim! Puta merda!

  3. Renata disse:

    A velha saiu da máquina igual a massa de panqueca, foi levada para o IML em um balde e o legista conseguiu reconstituir o corpo inteiro! Filme ruim e muito tosco, mas eu até acho divertido!

  4. Janaina disse:

    MÁQUINA DE PASSAR ROUPA ASSASSINA POSSUÍDA POR UM ESPÍRITO DEMONÍACO. Adorei isso.

  5. Demencia13 disse:

    Não sei se esta tosqueira chegou a Portugal mas se isso aconteceu, eles, com um gosto pior que o nosso para ‘aportuguesar’ nome de filme devem ter lançado este como ‘Calandra dos infernos’ ou ‘Lavanderia das raparigas perdidas’.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

%d blogueiros gostam disto: