666 – Um Drink no Inferno (1996)

From Dusk till Dawn

1996 / EUA / 108 min / Direção: Robert Rodriguez / Roteiro: Quentin Tarantino, Robert Kurtzman (história) / Produção: Gianni Nunnari, Meir Teper; Elizabeth Avellan, John Esposito, Paul Hellerman, Robert Kurtzman (Coprodutores); Lawrence Bender, Robert Rodriguez, Quentin Tarantino (Produtores Executivos) / Elenco: Harvey Keitel, George Clooney, Juliette Lewis, Quentin Tarantino,

 

Desde que comecei a “Fase 2” do blog, encarando a minha insana trajetória de resenhar 1001 filmes de terror, eu sempre me pegava pensando: qual será o filme da lista que elencará o mítico número 666? Juro que queria que por alguma coincidência macabra do destino, fosse um filme sobre demônios ou possessão, mas fiquei feliz em saber que ficou para Um Drink no Inferno, um dos mais legais e inventivos filmes de vampiro dos anos 90. Pelo menos o título nacional que não tem absolutamente nada a ver com o original, tem inferno…

“Eles mataram 14 policiais e 04 civis e são os heróis. Imagine os vilões?”. Sensacional uma das taglines de Um Drink no Inferno, filme da dupla apaixonada por filmes B e pela cultura grindhouse, Robert Rodriguez e Quentin Tarantino. O que se pode esperar então dessa produção? Violência gratuita, humor negro mordaz, palavrões, situações inverossímeis e vampiros, muito vampiros.

O ano era 1996 e os dois cineastas estavam despontando como o que havia de mais novo e interessante no cinema americano. Tarantino havia acabado de dirigir Pulp Fiction – Tempo de Violência e Rodriguez, A Balada do Pistoleiro. Tarantino havia produzido o roteiro da história de Robert Kurtzman (O K da K.N.B., a empresa de efeitos visuais fundada junto com Howard Berger e Greg Nicotero) e originalmente iria dirigi-lo. Porém, entregou a cadeira de diretor a seu não menos tresloucado amigo, Rodriguez e resolveu atuar no filme fazendo par com George Clooney como os irmãos criminosos Richie e Seth Gecko, respectivamente. Rodriguez foi o responsável por dar aquele “ar” mexicano ao filme e aquela cara de road movie enquanto Tarantino incumbiu-se de colocar todas suas famosas referências filmográficas.

Nosso heróis!

Nosso heróis!

A violência estilizada, os intermináveis palavrões, os propositais efeitos especiais e maquiagens toscas (desenvolvidas por Nicotero e Berger, que começaram como assistentes de Tom Savini em Dia dos Mortos e hoje ocupam o trono dos principais maquiadores do cinema de terror, sendo responsável pelos zumbis da série The Walking Dead), a sintonia entre o espetacular elenco e muita, mas muita mulher pelada faz de Um Drink no Inferno um filme divertidíssimo e inesquecível, ainda mais se você era um adolescente como eu quando o assistiu pela primeira vez.

Tudo começa quando os irmãos estão atravessando o Texas em fuga a caminho do México, matando policiais e civis e levando uma refém com eles. Em um motel barato eles encontram o ex-pastor Jacob Fuller (interpretado pelo sempre ótimo Harvey Keitel) que está também indo ao México em seu trailer, junto com a filha Kate (a até então ninfeta Juliette Lewis, antes de envelhecer e ficar acabada) e o filho adotivo Scott (Ernest Liu). Eles são as iscas perfeitas para ajudá-los a conseguir passar pela fronteira e se encontrar com seu contato do outro lado, que lhe daria cidadania mexicana e os livrariam dos problemas para sempre. O ponto de encontro deles é um bar de caminhoneiros e motoqueiros à beira da estrada, chamado Titty Twister, que fica aberto até o amanhecer (from dusk till dawn).

Até então você vê um filme ácido e violento, de humor negro e não faz a menor ideia do que espera na metade final, quando os bandidos e a inocente família refém descobrem estar em um bar rodeado de vampiros sedentos por sangue humano. Daí o filme vira outro, transformando-se num belíssimo exemplo do cinema trash, com um banho de sangue para todo o lado e criaturas das trevas tosquíssimas. Uma batalha por suas vidas se dá início, e junto com os personagens já conhecidos, se juntam Sex Machine, interpretado por Tom Savini (sim, aquele mesmo das maquiagens) e Frost, interpretado por Fred Williamson.

Machete vampirão!

Machete vampirão!

E falando do elenco, o casting do filme está simplesmente espetacular. Além de Tarantino que é um canastrão supremo, Clooney em começo de carreira nas telonas, recém-saído do enlatado Plantão Médico, ainda cheio de vícios de linguagem, porém lotado de carisma (mesmo sendo um cruel ladrão assassino) e Keitel querendo ser o fiel da balança como o pastor que perdeu a fé após a esposa morrer em um trágico acidente de carro, todos os coadjuvantes dão um enorme peso ao filme para transformá-lo nessa maravilha.

Para começar pelos atores fetiche de Rodriguez que estão todos lá, como Cheech Marin (o Cheech de Cheech & Chong) que faz o host do bar, gritando que ali dentro os visitantes encontrarão todos os tipos possíveis e imagináveis de bucetas (que depois virou até uma música eletrônica que tocava na minha época de matinê) e o eterno Danny “Machete” Trejo. E claro, não podemos nos esquecer de Salma Hayek como a dançarina Satanico Pandemonium. Ahhhhhh, a cena em que ela faz a sua dança sensual é definitivamente a maior contribuição que Salma já deu para toda a história do cinema. Quiçá, a única! Aliás, você sabia que esse nome é inspirado no filme nunsploitation mexicano, Satanico Pandemonium que já rendeu até Horrorcast?

E o grande golaço de Um Drink no Inferno é que nós simpatizamos demais com os vilões (ou anti-heróis?) do filme. Isso pode até ser amoral de nossa parte, mas essa brincadeira de sentimentos é sensacional, pois no final do longa, você torce pelos bandidos, que se transformam nos mocinhos e fica até com dó deles, por terem passado por tudo que aconteceu naquele bar e até, quem diria, se emociona com suas perdas. Valeu Tarantino e Rodrigues pelo filme de número 666 do blog!

Com uma vampira como essas…

Serviço de utilidade pública:

O DVD de Um Drink do Inferno está atualmente fora de catálogo.

Download: Torrent + legenda aqui.

[youtube=http://www.youtube.com/watch?v=jNuIn4T-CLk]


Marcos Brolia
Marcos Brolia
Jornalista, editor e idealizador do 101HM, é fanático por filmes de terror (ah, vá!) desde que se conhece por gente, dos classudos aos mais bagaceiras. Adoraria ter um papo de boteco com H.P. Lovecraft e virar um shot toda vez que ele falasse a palavra “indizível”.

10 Comentários

  1. […] contra-indicado para quem quer ver um banho de sangue aos moldes de Vampiros de John Carpenter, Um Drink no Inferno e 30 Dias de Noite. É preciso ter uma boa dose de tato e apreço cinematográfico para entender […]

  2. Jonathan disse:

    O link ja não esta mais disponivel

  3. Matheus L. Carvalho disse:

    Façam um Horrorcast desse filme.

  4. Papa Emeritus disse:

    E pensar que um ano depois desse filme o Clooney iria estar na bomba “Batman & Robin” que curiosamente não afundou a carreira dele. Que sorte a dele. Hahahahahahahaha!

  5. Leonardo disse:

    Excelente mesmo, um dos melhores dos anos 90. Tenho o Bluray e não me canso.

  6. Outro filme que serviu de inspiração para Tarantino foi Vamp. Quem, inclusive, tem aqui no blog: http://101horrormovies.com/2014/09/18/525-vamp-a-noite-dos-vampiros-1986/

  7. Filme fodão d+, me lembro que na versão dublada pussys viraram pombinhas. Já vi chamarem por muitos nomes, mas pombinhas foi uma novidade pra mim haha.

  8. andre dias disse:

    interessante o filme, e um passa tempo legal, george clooney e tarantino trabalhando junto bem legal, achei a em algumas partes do filme um pouco falho na transformação dos vampiros, da pra nota algumas falhas kkk, acho que o orçamento do filme foi baixo, mas é um filme que fica na memoria da gente, vlw galera

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *