685 – Violência Gratuita (1997)

funny-games-poster

Funny Games

1997 / Áustria / 108 min / Direção: Michael Haneke / Roteiro: Michael Haneke / Produção: Veit Heiduschka / Elenco: Susanne Lothar, Ulrich Mühe, Arno Frisch, Frank Giering, Stephan Clapczynksi, Doris Kuntsmann, Christoph Bantzer

Uma das grandes habilidade cinematográficas do austríaco Michael Haneke é sua capacidade em fazer seus filmes não passarem incólumes ao espectador. Sujeito formado em psicologia e filosofia, o diretor adora abordar temas como trauma, violência, opressão, sadismo, sexualidade e inaptidão nas relações dos indivíduos. Violência Gratuita é a prova cabal de tudo isso daí que escrevi.

Um filme controverso, com a capacidade crua de chocar o público que entra naquele grupo de produções “ame ou odeie”, simplesmente pelo fato de explorar a violência de um jeito brutal, quase como um tratado do gênero e da influência e apreço por ela no audiovisual (a inspiração e ao mesmo tempo, crítica a Laranja Mecânica de Kubrick se faz aqui presente nesses termos). O título em português, apesar de perder a força de seu original, “Funny Games”, deixa implícito exatamente esse sentimento, uma vez que também os atos de barbárie aqui praticados são simplesmente gratuitos.

Um casal rico, Anna (Susanne Lothar) e Georg (Ulrich Mühe) vai passar um final de semana em sua casa no lago, junto de seu filho, Schorschi (Stefan Clapczynski) quando dois jovens, Paul (Arno Frisch) e Peter (Frank Giering) o tomam como reféns, sem nenhum motivo aparente, apenas pelo desejo de tortura-los física e psicologicamente, e vencer uma sádica aposta. O nível absurdo de tensão psicológica crescente, a brutalidade, a ausência de trilha sonora e o fato de colocar o espectador como uma testemunha presencial, transforma a experiência de Violência Gratuita em poderosíssima e desconfortável.

Paul e seu drugue

Paul e seu drugue

Isso sem contar a intensidade da interpretação de seus atores, dando aí um destaque incrível para Lothar, que chega ao seu limite físico de uma extenuação ímpar, de esgotamento pungente, tendo de ser a força motriz daquela família em busca de sobrevivência, uma vez que desde o começo vê-se que o seu marido não tem estrutura psicológica e força física para lidar com a situação e mostra-se impotente, frágil e resignado, enquanto sua personagem vai crescendo quadro a quadro. A frieza de Frisch e Giering, misturadas com seu cinismo e niilismo, também são verdadeiramente assustadoras, mostrando-os como monstros amorais que vivem em um quase sem sentido ciclo de psicopatia.

Haneke impõe uma experiência sensorial de desgaste e abominação ao público, demonstrando que mais que um filme, Violência Gratuita é um estudo de caso sobre a manipulação do espectador, de suas emoções mais primais, causando desconforto, tanto nas cena de ameaça e violência conduzida com absurdos requintes de crueldades pelos dois jovens, que fica-se subentendido não ter nenhum tipo de moral ou convenção social, e tampouco falta de estrutura que o teriam nos levado aquela situação, quanto nos tais “jogos engraçados” que joga com o sujeito que está do outro lado da tela, como o uso da desconcertante trilha sonora heavy metal no começo do filme, sobrepujando uma outrora música clássica, ou como os momentos em que Paul literalmente quebra a quarta parede.

Aliás, esse para mim é o grande pulo do gato de Haneke. Aqui nesse momento, ele desconstrói sua fita e atinge em cheio aqueles que, como eu incluso, apreciam esse tipo de filme. Aqui toda a suspensão da descrença é derrubada e tudo torna-se ainda mais ficcional, no momento em que Paul conversa com o espectador, com você, aquele que alimenta os dois psicopatas que torturam uma pobre família indefesa simplesmente por apreciar assistir a esse tipo de coisa. É uma artifício de escape para algo bastante pesado, quando ele quebra a ilusão da sétima arte, assim como desenvolvido pelo teatro épico de Bertoldt Brecht, com o personagem dirigindo sua atenção para a plateia, tomando conhecimento que tanto eles, quanto suas ações, não são reais.

Casos de família

Casos de família

E mais ainda, dá poder aos personagens de alterar seu destino e seus acontecimentos, tanto que Paul até faz as vezes do diretor, colocando-se à parte do filme e rebobinando-o para reeditá-lo ao seu bel-prazer, para que funcione não só como seja conveniente a ele, mas também que entregue aquilo que o espectador realmente quer ver.  Daí acende a luz na sua cabeça para pensar não no atos dos dois facínoras, ou no desespero daquela família em tentar sobreviver ao inferno, mas sim ao papel que nos cabe nesse latifúndio chamado cinema e a audiência que damos para isso, e aí estão os programas policiais vespertinos para corroborar minha hipótese.

A dose cavalar de sadismo e crueldade no longa de Haneke difere muito, por exemplo, da ultraviolência da recente leva dos torture porn, que esses sim, são violência gratuita de verdade. Na real, o austríaco nunca quis que a fita fosse um filme de terror. Sua ideia era que na verdade funcionasse com um fundo moralista que comentasse sobre a influência da violência na mídia para a sociedade, um tema pelo qual Haneke é apaixonado e até se vê presente em sua filmografia. Durante as filmagens ele disse ao produtor, Veit Heiduschka, que se aquele filme fosse um sucesso, seria porque a audiência não havia entendido a razão por trás dele.

Fato é que Haneke mais uma vez tentou levar essa sua teoria a prova, e em 2007, realizou uma refilmagem americana de Violência Gratuita, quadro a quadro, diálogo a diálogo, mudando apenas os atores (incluindo aí Naomi Watts, Tim Roth e Michael Pitt). Não é ruim (como por exemplo a abominável refilmagem de Psicose de Gus Van Sant), porém perde-se o impacto ao ver o europeu primeiro, e mostra-se até desnecessário e discutível, a não ser pelo fato de atingir o público americano, que com aquele seu jeito ignorante e imperialista ao extremo, simplesmente não assiste nada que não fale sua língua.

Paul e Zé Gotinha!

Paul e Zé Gotinha!

Serviço de utilidade pública:

O DVD de Violência Gratuita está atualmente fora de catálogo.

Download: Torrent + legenda aqui.


Marcos Brolia
Marcos Brolia
Jornalista, editor e idealizador do 101HM, é fanático por filmes de terror (ah, vá!) desde que se conhece por gente, dos classudos aos mais bagaceiras. Adoraria ter um papo de boteco com H.P. Lovecraft e virar um shot toda vez que ele falasse a palavra “indizível”.

0 Comentários

  1. joaoprs disse:

    Chefe, que texto inspiradíssimo foi esse? Não que seus textos sejam pouco inspirados, mas nesse senti algo diferente.

    Para mim Haneke é difícil de assistir. Ótimo, mas difícil.

    Quando terminei de assistir ao filme “Amor” eu estava emocionalmente arrasado. O mesmo acontece com “Violência gratuita”. Quando ele rebibina o filme eu já estava com uma sensação de cansaço físico.

    O cara é foda!!!!

  2. Papa Emeritus disse:

    Também acho desnecessária a versão americana. Eu fico me perguntando pra que fazer um “remake” quadro a quadro?

    Ótimo filme e ótima resenha.

  3. Leandro disse:

    Filme foda!! Tenho o dvd do original do selo cult filmes que nem lembro qual foi a sorte que tive ao encontrar essa raridade.

  4. Gilberto disse:

    Os americanos são”ignorantes” e dominam a ciência e a tecnologia.

  5. Matheus M disse:

    Ok, só passando pra dizer que gosto muito MUITO do blog de vocês. Mesmo eu que me considero apreciador pra caralho do gênero, jamais imaginei a gama tão vasta de filmes de terror (não que esse se encaixe nos que eu jamais imaginei, mas coincidentemente eu tava aqui quando deu vontade de comentar) e o esforço que vocês fazem pra manter o blog/canal atualizados é incrível. Keep it up, gorers!

  6. […] futuras (ao ver o filme conseguiu me vir na cabeça facilmente Aniversário Macabro de Wes Craven e Violência Gratuita de Michael Haneke, por exemplo). Engraçado essa crítica conservadora, né?. Na Internet, por […]

  7. Júlia disse:

    Ei pessoal, passando para elogiar o Blog de vocês! É excelente, tem um formato cativante e as análises são ótimas. Não sou nenhuma especialista do gênero de terror (aliás de nenhum hahaha) e por vezes nem tenho coragem de ver determinados filmes, apesar de adorar. Mas já li tantas resenhas daqui (mais do que a quantidade de filmes que assisto) que elas alimentam meu imaginário, alimentam a curiosidade e ainda me instruem (vivo pesquisando os termos que você utilizam, autores, épocas, etc). Essa resenha então, que texto gostoso de se ler. Enfim, obrigada! Continuem com o ótimo trabalho!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

%d blogueiros gostam disto: