708 – Dominação (2000)

lost-souls-movie-poster

Lost Souls

2000 / EUA / 97 min / Direção: Janusz Kaminski / Roteiro: Pierce Gardner / Produção: Meg Ryan, Nina R. Sadowsky; Christopher Cronyn (Coprodutor); Michael De Luca, Pierce Gardner, Donna Langley, Betsy Stahl (Produtores Executivos) / Elenco: Winona Ryder, Ben Chaplin, Sarah Wynter, Philip Baker Hall, John Hurt, Elias Koteas

 

Dia desses escrevi sobre o recente Exorcistas do Vaticano para o Boca do Inferno (onde sou colaborador também, caso você não saiba) e comecei o texto destacando que “deve ser dureza fazer um filme sobre exorcismo. Primeiro porque ele já nasce sobre a sombra de O Exorcista, que figura quase que imbatível em qualquer lista dos melhores filmes de terror de todos os tempos, e, inquestionavelmente, é o melhor do subgênero. Segundo porque ao que indica, já vimos tudo que podíamos desse tipo de produção, que sempre acaba esbarrando nas mesmas características de sempre”

Essas constatações igualmente se encaixam para Dominação, lançado 15 anos antes (para você ver como o subgênero não evolui) e que ainda assim é superior ao lançamento recente, mesmo que não seja um dos melhores exemplos de filmes sobre possessão, exorcismos e afins. Afinal, ele também é repleto dos mesmos clichês de seus pares, porém destaca-se por trabalhar um pouco mais com elementos sobrenaturais mais comedidos do que todo o exagero visual, principalmente nas cenas de exorcismo.

Lançado pouco depois da virada do milênio (o filme incialmente deveria chegar aos cinemas em outubro de 1999, mas com a explosão de filmes da mesma temática no período, como Stigmata e Fim dos Dias, teve seu lançamento adiado), Dominação foi um filme que me interessou quando vi no cinema no começo de 2001, ao chegar em nosso circuito comercial, muito mais pelo clima sombrio e pesado, e principalmente pela excelente fotografia lúgubre de Mauro Fiore – que mais uma vez atesto sua eficácia ao rever anos depois – do que por qualquer arroubo de criatividade na trama.

Teve uma vez que eu fui numa loja...

Teve uma vez que eu fui numa loja…

Influência clara de O Exorcista e até mesmo de O Bebê de Rosemary, a fita mais uma vez traz o Capeta preparando sua vinda à Terra como o alardeado Anticristo bíblico, tal qual JC fizera também nascendo como um homem. No caso, o invólucro do Coisa-Ruim é o escritor Peter Kelson (Ben Chaplin), ateu confesso, estudioso do comportamento violento de assassinos e psicopatas, cujos pais foram brutalmente mortos na infância, sendo criado pelo seu tio, o padre James (Philip Baker Hall).

Maya Lakin (Ladrona… ops Winona Ryder), uma jovem professora que faz parte de um grupo de “exorcistas” da Igreja Católica, por já ter sido vítima de possessão no passado, descobre durante um malfadado exorcismo em um criminoso insano preso em uma instituição psiquiátrica, uma série de anotações e números que ela decodifica e chega à conclusão de que Kelson é o escolhido para receber Satã no dia de seu aniversário de 33 anos.

A moça tenta se aproximar de escritor para alertá-lo do perigo, que logo a repreende e a julga como louca, porém com o desenrolar dos acontecimentos e da sua própria investigação sobre seu passado (como o caso de que ele é filho de um incesto), Kelson se vê no meio de uma satânica conspiração que vem o preparando para a chegada da Besta desde seu nascimento, orquestrada pelo seu próprio tio, e que envolve inclusive seu irmão e namorada.

Exorcismo para principiantes

Exorcismo para principiantes

O mais legal de Dominação é exatamente seu formato sóbrio, como disse lá em cima, sem apelar para espetáculos visuais, apostando muito mais em seu clima e na atmosfera construída no decorrer do longa, com algumas cenas muito bacanas, além do exorcismo no começo da fita, a cena em que Kelson visita uma igreja e uma estátua de Cristo despenca ficando de cabeça para baixa, ou quando coloca a fita K7 do exorcismo para escutar no último volume, não ouvindo nada, mas fazendo com que sua vizinha velha coroca acabe se suicidando por conta das blasfêmias e maldizeres ali contidos.

Já o pior do filme, tirando seus clichês básicos e o quanto ele acaba não prendendo e sendo impactante emocionalmente, é sem dúvida seu final apressado, subaproveitado, desapontando quem esperava um algo a mais com relação à conspiração e as terríveis descobertas de Kelson, na cara do gol em completar seu fatídico aniversário. Também poderia ter rendido uma especulação maior e deixar certa dúvida ao espectador sobre a veracidade nos fatos na cena final e na decisão tomada por Maya, mas a fita prefere apenas seguir de forma didática e até maniqueísta.

Agora sabe qual a principal curiosidade de Dominação? É que ele é produzido por Meg Ryan… Sim, a eterna atriz das comédias água com açúcar da Nora Ephron. Coisa do Demo isso aí.

Espelho, espelho meu: existe alguém mais cleptomaníaca do que eu?

Espelho, espelho meu: existe alguém mais cleptomaníaca do que eu?

Serviço de utilidade pública:

O DVD de Dominação está atualmente fora de catálogo.

Download: Torrent + legenda aqui.


Marcos Brolia
Marcos Brolia
Jornalista, editor e idealizador do 101HM, é fanático por filmes de terror (ah, vá!) desde que se conhece por gente, dos classudos aos mais bagaceiras. Adoraria ter um papo de boteco com H.P. Lovecraft e virar um shot toda vez que ele falasse a palavra “indizível”.

0 Comentários

  1. Papa Emeritus disse:

    Que curioso. Esses dias eu tava em um fórum justamente comentando que o “subgênero” de possessão demoníaca evoluiu muito pouco desde o Exorcista. O filme de 1973 continua imbatível, pelo menos nesse subgênero. E mesmo com dezenas (talvez centenas) de produções feitas depois com o mesmo tema, não há uma sequer que conseguiu ir muito além do que foi apresentado no filme de William Friedkin. E os engravatados da sétima arte continuam tentando. Cara, Exorcistas do Vaticano é ruim demais, kkkkkkkkk.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

%d blogueiros gostam disto: