718 – Dagon (2001)

tumblr_nu4fxigXS61uet5oyo1_1280


Dagon


2001 / Espanha / 95 min / Direção: Stuart Gordon / Roteiro: Dennis Paoli (baseado no conto de H.P. Lovecraft) / Produção: Brian Yuzna; Carlos Fernandéz, Julio Fernandéz (Produtores Executivos) / Elenco: Ezra Godden, Francisco Rabal, Raquel Meroño, Macarena Gómez, Brendan Price, Birgit Bofarull, Uxia Blanco, Ferran Lahoz


Baita filmaço que é Dagon! Tenho que confessar que só havia assistido uma vez, em DVD, quando o aluguei lá na primeira metade dos anos 2000, e nunca mais havia revisto essa pérola desde então, baseado na obra de H.P. Lovecraft, e que traz de volta toda a turminha lovecraftiana preferida do cinema: Stuart Gordon na direção, Brian Yuzna na produção e Dennis Paoli no roteiro. Só faltou Jeffrey Combs no elenco.

Engraçado também como o filme é subestimado, a até menosprezado, sem o hype por trás de Re-Animator – A Hora dos Mortos-Vivos e Do Além, mas que em certos aspectos quanto adaptação da obra do Rei do Indizível e sobriedade visual, chega a ser superior aos mais famosos filmes da trupe. Sabemos que nos dois filmes citados foi impresso uma grande carga de humor negro (afinal, estamos falando dos anos 80). Já O Castelo Maldito, incursão anterior na obra do escritor de Providence, já perdia um pouco dessa característica em prol de uma trama mais suja, grotesca e séria.

Dagon é o terceiro longa da produtora espanhola de Brian Yuzna, a Fantastic Factory, e foi rodado todo na Galícia, com atores locais. Dennis Paoli tratou de pegar elementos de “Dagon”, segundo conto de Lovecraft e de “A Sombra Sobre Insmouth”, e adaptou para um plot ibérico, tendo de aproveitar produção, locação e atores, e mais uma vez, toda sua liberdade poética funcionou perfeitamente, mantendo sim a essência do texto de Lovecraft, apesar de sua livre interpretação.

Tô te esperando na janela ai ai

Tô te esperando na janela ai ai

O jovem novo milionário da Internet, Paul Marsh (Ezra Godden) está de férias com sua namorada, Bárbara (Raquel Meroño) e seu sócio e esposa, Howard (Brendan Price) e Vicki (Brigit Bofarull) em um barco na costa espanhola, quando uma súbita tempestade encalha o barco, e os dois vão procurar ajuda em uma ilha próxima.

O que eles não sabem é que a ilha de Inboca (o equivalente a espanhol para Insmouth) na verdade é um local maldito, povoada por criaturas híbridas entre humanos e anfíbios, seguidoras de Dagon, uma daquelas entidades pré-diluvianas que Lovecraft tanto adorava. O local era próspero outrora, mas quando os peixes começaram a desaparecer, os locais passaram a cultuar a deidade pagã, o que lhes custou sua humanidade.

Na real a galera precisa oferecer sacrifícios frequentes para Dagon, e os forasteiros são as pessoas certas para tal. O que se segue, filmado de forma exímia por Gordon, que mantem sempre o nível de tensão lá em cima com toda sua capacidade técnica e estilo dinâmico, é a fuga de Paul Marsh por sua vida. Sem dúvida, um dos grandes momentos literários de Lovecraft foi a escapada do personagem Robert Olmstead do hotel e perseguido pela população deformada em “A Sombra Sobre Insmouth”, retratado de forma tão sufocante e fidedigna pelo diretor.

Paul Marsh Master Chef

Paul Marsh Master Chef

Além disso, há um interessantíssimo subtexto explorando não só as criaturas mutantes (um lamentável grito racista e xenofóbico de Lovecraft contra a miscigenação das raças, muito por conta da experiência que teve durante sua morada na Nova York do início do século passado), mas também a ordem de Dagon, incluindo aí a presença da sacerdotisa Uxia Cambarro (Macarena Gómez), filha da entidade marinha com uma humana, que possui tentáculos no lugar das pernas, e sempre aparecia para Paul Marsh em pesadelos recorrentes, devido a um laço de sangue desvendado em seu final.

Dagon esteve durante 15 anos em estágio de produção, sem nunca sair do papel. O desejo de Gordon e Paoli em leva-los as telas remete ao ano de 1985, e provavelmente, seria feito na sequência de Re-Animator e Do Além (e provavelmente com Combs no elenco). Pelo bem da adaptação é muito mais interessante que ele não tenha sido realizado naquela época, com os vícios inerentes das produções oitentistas, podendo depois de tantos anos receber esse tratamento sério e sombrio, mesmo que derrape na questão do CGI um tanto quanto tosco, devido ao seu baixo orçamento.

Vários elementos lovecraftianos estão lá, como o Necronomicon, a Ordem Esotérica de Dagon, as criaturas híbridas, tentáculos e cânticos ritualísticos proibidos para os Antigos. Vários elementos da tríade Gordon-Yuzna-Paoli também estão lá, como o gore (notável a cena quando um pescador é esfolado vivo e tem seu rosto arrancado), o certeiro timing de ritmo e, claro, a nudez. Ou seja, Dagon é um filmaço para qualquer fã do terror, e qualquer apreciador da obra de Lovecraft.

Iä! Iä! Cthulhu fhtagn

Iä! Iä! Cthulhu fhtagn



Marcos Brolia
Marcos Brolia
Jornalista, editor e idealizador do 101HM, é fanático por filmes de terror (ah, vá!) desde que se conhece por gente, dos classudos aos mais bagaceiras. Adoraria ter um papo de boteco com H.P. Lovecraft e virar um shot toda vez que ele falasse a palavra “indizível”.

0 Comentários

  1. cleverdiego disse:

    Esse filme é fantástico e muito injustiçado! Curiosidade: quem jogou Resident Evil 4 vai curtir ainda mais o filme pois fica evidente que o game se inspirou muito em Dagon! No mais, fantástica crítica como sempre Marcos!

    • Papa Emeritus disse:

      Realmente. Esse é um dos motivos de eu gostar tanto de Resident Evil 4 (que apesar de muita gente reclamar que não tem zumbis, e que o foco ficou muito mais na ação que no Survival Horror, ainda assim é um baita jogo). Resident Evil pra mim só fica atrás de RE1, do Remake (meu favorito até agora) e de RE2. Pra mim é um dos melhores games da série, mesmo tendo se focado mais na ação.

  2. Por favor. Onde acho o link para baixar do filme?

  3. Papa Emeritus disse:

    Adoro esse filme. Uma das melhores adaptações de Lovecraft pro cinema.

  4. allanfastcore disse:

    Gosto bastante do Re-Animator e Do Além, mas devo dizer que tive que me esforçar pra chegar ao fim deste filme. Achei bem fraco, mas vou tentar dar mais uma chance e rever.

  5. Laura disse:

    Poxa, uma pena não disponibilizarem mais links para download, era um dos maiores atrativos do site, sempre vinha aqui em busca de filmes novos e com qualidade, enfim, uma pena.
    Mas boa sorte na nova política!

    • Marcos Brolia Marcos Brolia disse:

      Obrigado Laura. Espero que volte pelas notícias, vídeos, trailers, novidades e claro, as resenhas, que sempre foi o carro chefe do blog, nunca quis ser um site de download, igual tantos que tem por aí. Aliás no Pirate Bay você vai encontrar fácil os filmes que posto por aqui.

      Bjos

      MArcos

  6. […] de assistir a um filme sobre o conto? Apesar que grande parte dele já foi adaptado no excelente Dagon, de Stuart […]

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

%d blogueiros gostam disto: