81 – A Noiva do Monstro (1955)

pmg_6549915_mb


Bride of the Monster


1955 / EUA / P&B / 69 min / Direção: Edward D. Wood Jr. / Roteiro: Edward D. Wood Jr., Alex Gordon / Produção: Edward D. Wood Jr.; Donald E. McCoy, Tony McCoy (Produtores Executivos) / Elenco: Bela Lugosi, Tor Johnson, Tony McCoy, Loretta King, Harvey B. Dunn


 

Bom, para aqueles que porventura não saibam, Edward D. Wood Jr., ou simplesmente Ed Wood, é considerado o pior cineasta de todos os tempos. Com isso você mais ou menos já sabe o que esperar de A Noiva do Monstro. Só que como muitas vezes acontecesse nesse meio, o pior acaba se tornando cultuado, e principalmente também graças a um filme biográfico dirigido por Tim Burton, onde Johnny Depp (ah, quem mais seria?) faz o papel do diretor, Wood pode ser imortalizado no Olimpo dos filmes B.

Wood era fã declarado de filmes de horror, principalmente dos clássicos da Universal da década de 30, e também tiete confesso de Bela Lugosi, com quem trabalhou em dois filmes e meio (Lugosi viria a falecer durante as gravações do infame Plano 9 do Espaço Sideral, esse sim taxado o pior filme de todos os tempos). Seu sonho de ser diretor sempre passou por cima de qualquer problema estético, técnico e orçamentário, e todas os seus filmes foram feitos com uma mixórdia e com o que havia de mais precário em termos de efeitos especiais. E o pior problema de tudo era que Wood realmente levava seus filmes a sério.

Pois bem, A Noiva do Monstro é na verdade, se podemos chamar assim, o menos pior dos filmes de Wood. Porque apesar da precariedade, ele pelo menos consegue tentar manter uma certa estrutura narrativa, com um começo meio e fim, e uma certa coerência na história, diferente dos outros longas do diretor. E mesmo que tenha todos os efeitos bisonhos, não era muito diferente do que era feito no cinema trash da década de 50 em geral. Diferente por exemplo do já citado Plano 9 do Espaço Sideral, com seus discos voadores presos por barbantes e cenários de papelão.

Lobo! Não, Lobo!

Lobo! Não, Lobo!

Wood precisava de um orçamento de 60 mil dólares para fazer o filme acontecer. Claro que ele não tinha essa grana e nenhum estúdio investiria essa quantia no diretor. Por um acaso em uma festa beneficente para tentar arrecadar dinheiro para o longa, ele conheceu a atriz Loretta King, e achando que ela era podre de rica e iria financiar a produção, a colocou no papel da mocinha, Janet Lawton, personagem esse que seria de sua namorada Dolores Fuller (que faz apenas uma ponta). Mas na verdade, Wood acaba no final das contas por descobrir que ela só teria 300 dólares para contribuir.

Sem desistir, Wood conhece Donald McCoy, proprietário de uma indústria de alimentos processados, que resolve colocar grana no filme, em troca de que seu filho, Tony McCoy, fizesse o papel do herói, o Tenente Dick Craig, e que no final, houvesse uma grande explosão nuclear para advertir o público dos perigos da era atômica. Mesmo não sendo o final escrito por Wood, era o que tinha para hoje e o diretor concordou com o fato.

Na trama, Bela Lugosi (mais uma interpretação brilhante do ator, dentro de suas limitações de idade), é o Dr. Eric Vornoff, um cientista louco que está metido em experimentos de aperfeiçoamento do raio atômico para transformar pessoas em super-humanos. Com isso, ele criaria um exército que obviamente dominaria o mundo. Seu covil é uma casa abandonada no meio do pântano e seu capanga é o irracional, porém bem intencionado, Lobo, vivido pelo ator Tor Johnson, um lutador de luta livres sueco que vira e mexe fazia pontas em filmes B.

Noivo do monstro

Noivo do monstro

Com o constante desaparecimento de pessoas perto do pântano, uma repórter, Janet, resolve investigar o caso, mas é raptada por Vornoff para se tornar a tal noiva do monstro. Mas espere aí, o que é esse monstro? É um gigantesco polvo mutante de borracha que Vornoff criou com seus experimentos radioativos, que vive no laguinho do lado da choupana do cientista. Então ele queria casar o mocinha com um polvo? Não, não é bem assim. O roteiro é cheio de furos mesmo. Entre uma cena ou outra, policiais são atacados pelo polvo, o Tenente Craig vai atrás do paradeiro de sua namorada jornalista desaparecida, Lobo se revolta contra o Dr. Vornoff por sentir-se atraído por Janet e o cientista é bombardeado pelo seu raio atômico ganhando uma força descomunal.

Os efeitos especiais claro são toscos ao extremo, mas o melhor fica para as aparições do polvo mutante. Algumas cenas são utilizadas de filmagens reais do molusco (que Wood adquiriu de um estúdio que tinha feito vários tomadas ao acaso e resolveu colocá-lo em seus filmes. Plano 9 também utiliza bastante dessas cenas), mescladas com a criatura pseudo-mectarônica de borracha. Eu digo pseudo porque reza a lenda que o polvo foi roubado dos estúdios da Republic, onde havia sido usado no filme No Rastro da Bruxa Vermelha, com John Wayne. Só que os espertos esqueceram de roubar também o motor que faria o protótipo funcionar. Ou seja, quando o monstro está atacando os policiais ou mesmo Lugosi com seus tentáculos, os atores que ficam se esperneando mexendo os membros de borracha do cefalópode de mentira. É simplesmente hilário.

Originalmente, A Noiva do Monstro deveria ter ser chamado A Noiva do Átomo, tão sem sentido quanto o nome que acabou ganhando. É altamente recomendável assistir ao filme Ed Wood de Tim Burton, que conta a trajetória do diretor, suas esquisitices, seus métodos canastríssimos de direção e produção. Valeu até um Oscar® de Melhor Ator Coadjuvante a Martin Landau pela sua emocionante interpretação de um decadente e viciado Bela Lugosi em final de carreira / vida, e a Palma de Ouro em Cannes para Burton. É um ótimo filme, que já vi e revi dezenas de vezes.

Bela Lugosi is almost dead

Bela Lugos’s almost dead

Assista ao episódio do videocast do 101 Horror Movies comentando A Noiva do Monstro:



Marcos Brolia
Marcos Brolia
Jornalista, editor e idealizador do 101HM, é fanático por filmes de terror (ah, vá!) desde que se conhece por gente, dos classudos aos mais bagaceiras. Adoraria ter um papo de boteco com H.P. Lovecraft e virar um shot toda vez que ele falasse a palavra “indizível”.

0 Comentários

  1. ogrodrogo disse:

    Olá. Sempre visito seu site e tenho muita admiração pelo seu projeto. Vc realmente entende do gênero, por isso venho aqui lhe perguntar se você sabe aonde posso encontrar os exemplares atuais da Fangoria Magazine, que certamente vc deve conhecer. Sei que as edições antigas são quase impossíveis de achar (tenho muitas em scan)- mas gostaria muito de ter pelo menos as atuais… Se vc pudesse me dar qualquer dica, qualquer coisa mesmo eu ficaria muito grato. Abraço!!!

  2. ogrodrogo disse:

    Humm….vc leu o que escrevi?

    • Marcos Brolia marcosefe disse:

      Nossa, mil desculpas. Eu li mas aqui no painel do WordPress a mensagem terminou no “por isso venho…”… WordPress me trollando! 😉

      Difícil conseguir a Fangoria aqui no Brasil. Eu só vejo as edições online no site mesmo e baixo alguns PDFs. Não faço ideia de como mesmo de onde conseguir comprá-las.

      Vou ficar te devendo essa!

      Obrigado e desculpe mais uma vez!

      Abs

  3. ogrodrogo disse:

    Que isso kara, acontece. É que achei estranho mesmo, se vc tivesse lido nem que fosse pra falar que nao sabia vc iria ter resplosndido =)

    Mas obrigado, realmente é uma pena, mas vou continuar na busca. Atualmente a Fangoria está na edição 320, dessas eu já tenho da 01 a 300 (quase terminando de baixar algumas)…. Claro que eu ou qualquer outro iria prefirir ter as revistas na mão, mas ter todas aqui me deixa muito feliz, mesmo em scans.

    Quanto as recentes como disse vou continuar na busca, se eu achar alguma coisa eu te falo.

    PS: Se vc for de SP, aqui da capital, e tiver interesse nos scans, posso dar um jeito de gravar pra vc numas mídias e te arrumar….sem problemas =D

    Abraço!!!

  4. […] dá para levar nenhum sequer a sério. Tor Johnson, o ex-lutador de luta livre, que faz Lobo em A Noiva do Monstro, interpreta o inspetor Clay, que morre e volta à vida também. Vampire Girl, a esposa do Velho […]

  5. […] que consegue ainda ser mais bisonha. Claro, nada que se compare ao malfadado polvo sem motor de A Noiva do Monstro de Ed Wood, onde Bela Lugosi teve que manipular os próprios tentáculos de borracha do bicho, ou o […]

  6. […] Leia a minha resenha sobre A Noiva do Monstro aqui. […]

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

%d blogueiros gostam disto: