87 – O Planeta Proibido (1956)

forbiddenplanet


Forbidden Planet


1956 / EUA / 98 min / Direção: Fred M. Wilcox / Roteiro: Cyril Hume (baseado no conto de Irving Block e Allen Adler) / Produção: Nicholas Nayfack / Elenco: Walter Pidgeon, Anne Francis, Leslie Nielsen, Warren Stevens, Jack Kelly, Richard Anderson


 

No longínquo ano de 2008, estava eu e um dos meus grandes amigos tomando uma Erdinger no antigo Astronete, bar / balada ainda na Rua Matias Aires aqui em São Paulo. Às quartas-feiras eles costumavam fazer sessões de filmes cults / trashes / transgressores, e no meio da poluição visual decorativa do ambiente, eles tinham diversos cartazes de filmes nada convencionais. Entre eles estava um pôster de O Planeta Proibido colado na parede, esse mesmo que você está vendo aqui em cima, que logo chamou muito a nossa atenção e aguçou nossa curiosidade sobre o filme.

Sim, tenho que admitir essa enorme falha como cinéfilo. Nunca havia assistido O Planeta Proibido até então. Mea culpa. Claro que a primeira coisa ao chegar em casa foi baixar o filme. Até hoje eu e ele falamos sobre O Planeta Proibido e sobre aquele pôster naipe com Robby, o Robô carregando a donzela loira em perigo em seu colo. E para mim, sem a menor sombra de dúvida, esse é a melhor ficção científica da década de 50, e uma das mais emblemáticas e importantes produções do gênero de todos os tempos.

O Planeta Proibido tem um caráter imortal. Para mim, é mais ou menos o mesmo caso que se sucedeu com A Guerra dos Mundos. É um filme que envelheceu muito bem. Claro, aquele monte de parafernalha clichê das produções sci-fi dos anos 50, vários tubos, luzinhas piscando, cenário pintado ao fundo, pistolas de laser que parecem secadores de cabelo e mesmo o robô, hoje em dia está obsoleto e datado, mas o filme não cai no ridículo, como muitos outros filmes caíram devido ao passar dos anos. Quer um exemplo oposto? Veja Guerra Entre Planetas. O filme foi lançado um ano antes e se você assistir de novo, você acha a coisa mais patética do mundo. Já O Planeta Proibido não cai nessa armadilha.

E talvez muito disso seja por conta do esmero e capricho na produção e nos efeitos especiais, já que a MGM resolveu entrar com os dois pés no peito na ficção científica, pois já havia ficado bem para trás com relação aos outros estúdios, e gastou a bagatela astronômica para a época de 2 milhões de dólares. E principalmente pelo roteiro fantástico, inteligente e extremamente adulto, ainda mais comparando-se ao que era feito por aí. O roteirista Cyril Hume baseou-se no conto de Irving Block e Allen Adler, que por sua vez, foi inspirada na peça A Tempestade, de William Shakespeare.

Perigo, perigo... Ah, não. Isso é outro robô.

Perigo, perigo… Ah, não. Isso é outro robô.

A trama shakespeariana traz a história de uma embarcação que naufraga em uma ilha (aqui representado pelo planeta Altair IV), onde Próspero (substituído por Dr. Morbius) vivia com sua esposa e sua criada, aqui o eficiente robô Robby, um dos mais clássicos robôs do cinema, famosíssimo brinquedo até os dias de hoje e fonte de inspiração para o B9 da série Perdidos no Espaço (Perigo, Will Robinson). Em 2208 a nave C57D é enviada à Altair IV para descobrir o paradeiros dos tripulantes de outra nave espacial, a Belerofonte (nome do personagem da mitologia grega que matou a Quimera) que deveria montar uma colônia no planeta e nunca deu sinais de vida.

E veja só quem é o comandante da nave de resgate? Leslie Nielsen. Isso mesmo, o eterno Frank Drebin de Corra que a Polícia Vem Aí, famoso por seus papeis cômicos, debuta no cinema na pele do Com. J. J. Adams, com 30 anos de idade, quase irreconhecível de tão novo, tendo em vista que estamos acostumados com aquela figura simpática de cabelos brancos, pronta para soltar uma piada. Lá ele encontra o Dr. Morbius, vivido por Walter Pidgeon, único sobrevivente da Belerofonte, que vive no planeta com seu robô serviçal capaz de sintetizar comida, bebida e qualquer tipo de objeto ou elemento químico e com sua filha, a deliciosa Altaira, interpretada por Anne Francis.

E como se não bastasse toda a importância cultural e estética de O Planeta Proibido, ele ainda foi o filme que inventou a periguete. Porque a linda e loura Altaira vive para cima e para baixo com vestidos curtíssimos, lembrando os vestidos “beira cu” que vemos nas baladas hoje em dia, com suas torneadas pernas de fora, atiçando a libido dos marmanjos que pousaram no planeta e ainda toma uma banho nua em um laguinho artificial, tudo extremamente ousado para os padrões da época (mesmo ela usando um maiô cor da pele, mas o que importa é a mensagem subentendida).

Corra que o robô vem aí!

Corra que o robô vem aí!

Mas porque o tal planeta é proibido? É o que vamos descobrir no decorrer do filme, quando o Comandante Adams e o Tenente Dr. Ostrow começam aos poucos a arrancar a verdade do Dr. Morbius sobre o que se passa naquele planeta inóspito. E aí que a coisa começa a ficar realmente assustadora. Toda a tripulação da Belerofonte foi misteriosamente morta, ou melhor, despedaçada, por uma terrível força alienígena incontrolável, sobrando apenas Morbius e sua esposa, que viria a falecer por causas naturais. Altair IV era habitada por uma superiora raça alienígena, os Krells, agora uma civilização perdida que vivera no planeta e sumira sem explicação, deixando apenas sua tecnologia. Algo ao melhor estilo “Eram os Deuses Astronautas?”, com um toque meio Lovecraft (completamente não intencional, claro).

Morbius começa a estudar e controlar essa tecnologia, inclusive uma estapafúrdia máquina capaz de aumentar o seu QI. É daí então que depois de uma hora de filme, alternando momentos de suspense e expectativa e cenas cômicas com o robô e o cozinheiro pinguço da C57D, que os elementos de terror começam a se desenhar, ao sermos apresentados ao vilões do filme, criaturas alienígenas animalescas invisíveis, que primeiramente aparecem apenas deixando suas pegadas na terra para estraçalhar (off screen) um dos tripulantes da nave, seguido apenas pelo seus gritos. Depois vemos o embate da equipe do Comandante Adams tentando impedir o avanço da criatura através de um campo de energia que os protege, quando vislumbramos a animação do monstro espacial, contornado por raios vermelhos de energia, feitos de forma não creditada por animadores da Disney em um trabalho freelance (dizem por aí que Walt em pessoa pediu para qualquer menção à Disney fosse retirada do filme, devido ao seu conteúdo “não família”. Azar da Disney).

De repente, o roteiro dá uma guinada inesperada e uma penca de explicações filosóficas e psicológicas se dá curso, quando Adams em confronto com Morbius, descobre que na verdade esses monstros Id, como são chamados, são uma manifestação do subconsciente do ódio e desejo de auto destruição, exatamente como prega a teoria de Sigmund Freud, sendo responsáveis por dizimar toda uma raça alienígena extremamente desenvolvida com os Krells, e que aqui foram despertados por Morbius e seu intelecto alterado, para destruir a tripulação da nave de resgate por se sentir-se ameaçado, assim como fizera outrora com a equipe da Belerofonte.

Periguete espacial

Periguete espacial

É uma baita de uma viagem, que foge da curva de tudo que havia sido escrito no campo da ficção científica até então. Até hoje, quase 60 anos depois, é meio difícil de acompanhar a resolução freudiana de O Planeta Proibido e a discussão sobre a intrínseca natureza destrutiva do ser humano. Agora imagine para o público médio dos anos 50, acostumados à comunistas travestidos de homenzinhos verdes e feras nucleares gigantescas? E por incrível que pareça, a fita foi um sucesso de bilheteria, e fez mais de 3 milhões de dólares nos cinemas só nos EUA.

E tudo isso filmado em Cinemascope widescreen, coloridaço, com a assustadora e climática trilha sonora totalmente eletrônica do casal Louis e Bebe Barron (primeira da história do cinema), que trouxe a inovação de misturar as bandas sonoras, mesclando a música progressiva eletroacústica com os próprios efeitos sonoros, direção de arte interessantíssima de Irving Block e Mentor Hunter (reutilizando até cenários de O Mágico de Oz, também da MGM), além dos efeitos especiais indicados ao Oscar® e o imortal design do robô criado por Robert Kinoshita (o mesmo de Perdidos no Espaço).

E a contribuição absoluta de O Planeta Proibido para o cinema é inegável e escancarado aos nossos olhos. A noção de uma equipe de resgate que vai até outro planeta procurar humanos desaparecidos já foi utilizada como argumento inúmeras vezes em filmes de terror sci-fi, como o próprio Alien – O Oitavo Passageiro como um exemplo apenas. Gene Roddenberry, pai de Star Trek já afirmou que o seriado foi criado inspirado por O Planeta Proibido. Ou mesmo veja a semelhança do uniforme dos funcionários da Estrela da Morte em Star Wars e compare com os macacões e bonés da tripulação da nave C57D.

Enfim, clássico imortal e mais que obrigatório.

nononono

Altair IV, um planeta proibido



Marcos Brolia
Marcos Brolia
Jornalista, editor e idealizador do 101HM, é fanático por filmes de terror (ah, vá!) desde que se conhece por gente, dos classudos aos mais bagaceiras. Adoraria ter um papo de boteco com H.P. Lovecraft e virar um shot toda vez que ele falasse a palavra “indizível”.

0 Comentários

  1. […] Guerra Entre Planetas consegue ter tudo isso, e mais um pouco. É um daqueles filmes, que como O Planeta Proibido, foram responsáveis por criar todo um padrão clichê da ficção científica futurista (até para […]

  2. GERSON MARQUES disse:

    PERFEITO!!! Não existe outra palavra para relatar o que assisti neste filme. Digo em relação a intenção tecnológica de visão futurista / espacial. Muito bom. Acabei de assistir na TV canal TCM . Hoje, dia 27/02/2013. os efeitos não estão tão distantes visualmente do apresentado atualmente. ( resguardadas as devidas proporções e com bons olhos ). RECOMENDO.

  3. Gustavo disse:

    pena que o link nao esta dissponivel

  4. […] planeta proibido de Viagem ao Planeta Proibido não é o mesmo planeta proibido de O Planeta Proibido. Sacou? Aqui em questão, em mais esse clássico do sci-fi, é o planeta Marte. E se o cinema nos […]

  5. WILLIAM MORAES CORRÊA (GRUPO FOLIÕES - SÃO LUÍS - MARANHÃO - BRASIL) disse:

    FILME SENSAIONAL. ASSISTI QUANDO CRIANÇA, JUNTO AO MEU PAI E AO MEU TIO. UM ÍCONE. SUCESSO DE TODOS OS TEMPOS. NOTA MIL!

  6. WILLIAM MORAES CORREA - GRUPO FOLIÕES - SÃO LUÍS - MARANHÃO - BRASIL disse:

    SENSACIONAL. FANTÁSTICO. UM ÍCONE. FILME A SER LEMBRADO POR TODAS AS GERAÇÕES. MARAVILHOSO! AINDA ME LEMBRO, CRIANÇA, ASSISTINDO-O JUNTO AO MEU PAI E MEU TIO. NOTA MIL!

  7. Raphael Kaiston disse:

    Vou assistir agora…Lana Del Rey disse que se inspirou no retro-futurista dos anos 50 para ssu novo album Honeymoon que sai em Setembro….

  8. Jota Junior disse:

    Esses filmes são clássicos da Sessão da Tarde. A dos anos 80, claro. Quem chegou depois, só mesmo desse jeito pra conhecê-los. hehehe

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *