94 – O Cérebro do Planeta Arous (1957)

brain_from_planet_arous_poster_01


The Brain from Planet Arous


1957 / EUA / P&B / 71 min / Direção: Nathan Juran / Roteiro: Ray Buffum / Produção: Jacques Marquette, Dale Tate (Produtor Associado), Joy N. Houck e J. Francis White (Produtores Executivos – não creditados) / Elenco: John Agar, Joyce Meadows, Robert Fuller, Thomas B. Henry


 

Outra pérola incomparável dos filmes B sci-fi da década de 50. O Cérebro do Planeta Arous é aquela podreira deliciosa de se assistir, cultuada e um dos grandes sucessos dos drive-ins daquela época. Afinal, a ideia de um cérebro gigante vindo de outro planeta que pretende escravizar a humanidade é ou não é fantástica?

Dirigido por Nathan Juran (diretor de vários episódios das séries de Irwin Allen como Viagem ao Fundo do Mar, Túnel do Tempo, Terra de Gigantes e Perdido no Espaço), o filme é produzido e tem como diretor de fotografia Jacques Marquette, que com sua produtora, a Marquette Productions, lançou outros clássicos do sci-fi, entre eles O Ataque da Mulher de 15 Metros e The Teenage Monster.

E apesar de ser declaradamente um filme B com efeitos tosquíssimos, O Cérebro do Planeta Arous destaca-se de outras calamidades da época exatamente por sua excelente direção, fotografia e pela interessantíssima atuação do cansastrão John Agar (vista já em Tarântula e A Revanche do Monstro, por exemplo), com o papel do cientista Steve March, o “possuído” por Gor, o tal cérebro interplanetário, principalmente quando ele utiliza o seu terrível olhar destruidor e sua risada maléfica. Um detalhe interessante é que Gor gerou um fenômeno de exploração de merchandising inesperado, com a criação e venda de camisetas, pôsteres, chaveiros, e diversos tipo de memorabília do filme para os jovens da época.

nononono

Direto de Arous para o corpo de um cachorro

A estapafúrdia história traz dois cientistas, March e seu assistente Dan Murphy (Robert Fuller), que descobrem uma alta intensidade de radiação vinda do Monte Mistério, localizado no condado de Jefferson, em Washington. Ao investigar o ocorrido, eles descobrem uma estranha caverna na montanha, inexistente até então, e em seu interior esconde-se o terrível e poderoso cérebro gigante alienígena megalomaníaco translúcido, que acaba por matar Dan e possuir o corpo de March para que tenha um hospedeiro terráqueo a fim de por em prática seu plano maquiavélico. Detalhe é a hilariante cena onde ocorre a “possessão”, com cérebro sobreposto na tela voando até o corpo do cientista e “entrando” dentro dele.

Pois bem, ao voltar para sua namorada Sally Fallon (Joyce Meadows) e seu pai John Fallon (Thomas B. Henry), March / Gor dá a esfarrapada desculpa que do nada, Dan tinha ido para Las Vegas jogar. Claro que os dois não acreditam muito na história, ainda mais por conta do indolente e agressivo comportamento de March após ele ter voltado do Monte Mistério. Fora que como Gor não está acostumado com as mulheres, ele fica com um tesão danado em Sally, querendo traçá-la na pele de Steve de qualquer jeito, e fica toda hora falando para o mocinho que está procurando por esse novo prazer indescritível e que ela será sua refém (sexual) para sempre, usando o cientista como hospedeiro. É genial!

O plano de Gor é se infiltrar no alto escalão do exército americano e de outros países, governando-os e assim escravizar toda a humanidade para construir poderosas armas atômicas, a fim de iniciar uma invasão a partir do planeta Arous e assim poder conquistar todo o universo, fazendo com que a massa encefálica gigante seja o imperador de toda a galáxia!

Laser eyes!!! Literalmente...

Laser eyes!!! Literalmente…

Afinal, Gor na pele de March tem uma terrível capacidade psicocinética de destruir aviões com a força do pensamento, o qual ele faz gratuitamente apenas para testar sua força, e também queimar pessoas com sua radioatividade só de olhar para elas, com um olhar maligno em que seus olhos ficam negros, sempre seguidos de uma gargalhada sarcástica após sua vil demonstração de poder. Sem dúvida é um dos piores vilões que esse planeta já viu.

Mas para impedi-lo, outro visitante do mesmo planeta, Vor, resolve se aliar a Sally e a John, possuindo George, o cachorro do casal (???!!!) e ensinando para a garota a única forma de destruir o cérebro maligno, que é atingi-lo em seu ponto fraco, a Fissura de Rolando, que fica vulnerável nos breves momentos que Gor precisa sair do corpo de March para absorver oxigênio.

E ainda há tempo para na cena final, quando o cérebro gigante finalmente está fora do corpo de March sem ser uma forma etérea e sendo atacado pelo cientista com um machado, vermos os fios de arame pendurando o bonecão desengonçado do cérebro com olhos. Impagável. Fora que ao Vor não se manifestar após Gor ser derrotado, quando Sally conta a história dele estar dentro do cachorro, March não acredita na namorada que ainda termina o filme com pecha de louca.

O Cérebro do Planeta Arous merece todos os méritos. É engraçado, tosco, porém incrível. Não tem como não adorar esta película. E seu status de cult pop é tamanho, que provavelmente você já deve ter visto alguma cena do cérebro gigante voando por aí. Para citar uma, foi utilizada, por exemplo, na abertura do seriado de sucesso Malcolm, da Fox, com Frank Muniz.

nononono

Um grande cérebro

Assista ao episódio do videocast do 101 Horror Movies comentandoO Cérebro do Planeta Arous:



Marcos Brolia
Marcos Brolia
Jornalista, editor e idealizador do 101HM, é fanático por filmes de terror (ah, vá!) desde que se conhece por gente, dos classudos aos mais bagaceiras. Adoraria ter um papo de boteco com H.P. Lovecraft e virar um shot toda vez que ele falasse a palavra “indizível”.

0 Comentários

  1. […] a direção com o pseudônimo de Nathan Hertz). Em seu currículo, podemos destacar filmes como O Cérebro do Planeta Arous e The Deadly Mantis, que são duas pérolas do gênero, além de vários episódios dos seriados […]

  2. […] Trollenberg Terror, que não ganhou título em português, é um daqueles filmes que lembram O Cérebro do Planeta Arous, por exemplo: Vilões espaciais completamente toscos, mas que não deixam de ser adoráveis para os […]

  3. […] Leia a minha resenha sobre O Cérebro do Planeta Arous aqui. […]

  4. […] e na história final, presença ilustre do Rei dos Filmes B, Roger Corman e John Agar (de O Cérebro do Planeta Arous). Conseguiu pegar […]

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

%d blogueiros gostam disto: