HQRROR #04 – O Rei Amarelo em Quadrinhos

 

A redescoberta ilustrada de Chambers.


O potencial nacional para o desenvolvimento de trabalhos de excepcional qualidade, em quaisquer ramos, muitas vezes é visto de modo receoso. O leitor brasileiro titubeia em pegar das prateleiras de uma livraria, locadora ou comic shop, composições pátrias. Uma possível justificativa para isso, seria o atraso das terras tupiniquins em chegar com trabalhos significativos em certas mídias. Coisa que, graças ao advento da internet, seu gigantesco poder de busca e sua capacidade de horizontalizar o conhecimento, tem sido remediada com a eclosão de excepcionais trabalhos artísticos criados, produzidos e finalizados por empresas brasileiras de diferentes portes.

Não posso dizer que também não vivencie essa parva dúvida à cerca do que se produz no Brasil. Mas esse pensamento tem se mostrado cada vez mais destoante da realidade. Realidade essa que me acariciou há pouco tempo com a HQ O Rei Amarelo em Quadrinhos, feita pela exponencial Editora Draco.

Sendo finalizada no final de 2015, O Rei Amarelo em Quadrinhos traz a redescoberta dos aterradores trabalhos de Robert W. Chambers, que envolvem uma misteriosa peça de teatro capaz de desencadear percepções além-mundo naqueles que a leem. Em 164 páginas, atravessamos oito histórias dotadas de uma originalidade que eu há muito não via. Todas muito bem casadas com uma arte sem igual. As releituras que esse quadrinho traz das obras de Chambers mesclam um terror crítico social e um horror cósmico.

Como exemplos das adaptações que veem em nosso cotidiano a matéria-prima do medo, temos “Fantasmas na Máquina”, uma narrativa onde acompanhamos uma modelo dependente de suas relações virtuais que em meio a sua rotina, transmitida quase em tempo real através de selfies e fotos de suas refeições, é convidada a participar de um gerenciador de redes sociais, a Carcosa-in. Logo adiante, “Maldita Rotina” conta a macabra desventura de um homem que, ao cuidar da falência de uma empresa, encontra um livro que quebra sua mente. Ainda nessa linha, na tragicomédia “Medíocre” presenciamos um crítico de literatura vislumbrar a sanidade das pessoas vir abaixo depois da leitura de uma inexpressível peça teatro.

12184117_1025641564133352_3627972247131049644_o.jpg

Nos enredos voltados a pura forma do terror, encontramos em “A boneca” uma comunidade Amish, que tem seu líder aliciado a realizar um crime inominável, pelo bem de seu povo. Seguindo, passamos por “A Rainha de Amarelo”, que tem como protagonista ninguém menos que Edgar Allan Poe, sendo forçado a enfrentar seus temores mais profundos, desencadeando consequências impossíveis. “Caninos” tratará de uma conturbada relação entre duas irmãs, seus traumas causados pelo padrasto e seus vínculos com um culto misterioso. Por fim, tanto em “O Rei dos Ratos” como em “Taxidermia Anímica”, vemos como um abominável mundo ocre, visível apenas para os sensíveis a ele, influência o universo artístico humano.

As ilustrações de TODAS as histórias são excepcionais. Elas vão de traços precisos que distorcem a anatomia humana mediante o humor do enredo, passam pela complexidade das hachuras e do realismo para terminarem em um estilo cartunesco.

Concluindo, posso dizer que fui surpreendido por essa HQ e pelo potencial artístico brasileiro nos quadrinhos. Cada uma das oito histórias são como pequenos tesouros que esbanjam originalidade e estilo. Elas traduzem para os quadrinhos com perfeição a atmosfera aterrorizante que vemos na obra literária original “O Rei de Amarelo”. Mesmo que Robert W. Chambers tenha se bandeado para o lado comercial da literatura no auge de sua carreira, ele olha de Carcosa para essa obra e sorri, satisfeito, um sorriso amarelo.

capa -rei-amarelo.jpg


Tauami de Paula
Tauami de Paula
Estudante de Letras e de Filosofia, esse apreciador do absurdo e do inexplicável sempre encontrou mais sentido na arte do que na vida. Sendo raramente visto fora de casa, passa os dias lendo, escrevendo e criando teorias sobre tudo aquilo que não entende.

1 Comentário

  1. Matheus disse:

    onde posso ler a HQ em pdf?

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

%d blogueiros gostam disto: