HQRROR #47 – Dylan Dog #01 – Horror Paradise

O Detetive do Pesadelo enfrenta monstros clássicos do cinema em seu retorno pela Mythos

Criado em outubro de 1986 pelo jornalista e escritor Tiziano Sclavi, com arte de Claudio Villa, que inspirou os traços do herói no ator Rupert Everet, Dylan Dog, o Detetive do Pesadelo, logo se tornou um dos personagens mais populares dos fumetti, o quadrinho italiano. O herói, um investigador particular sedutor ex-alcoólatra especializado em casos envolvendo o sobrenatural e o estranho, caiu no gosto dos leitores italianos e se tornou uma lenda. Com revistas que alcançavam mais de um milhão de exemplares vendidos, o personagem chegou até a ter seu próprio festival de cinema fantástico, o “Dylan Dog Horror Festival”

E a relação do personagem não termina por aí. Extra-oficialmente,  o herói estreou o celebrado Pelo Amor e Pela Morte, de 1994, que se baseia no mesmo livro de Tiziano Sclavi que inspirou o personagem nos quadrinhos, mas oficialmente, infelizmente, Dylan Dog chegou aos cinemas em 2010 no pavoroso Dylan Dog e As Criaturas da Noite, com o até então Superman, Brandon Routh, no papel do herói. Fã de filmes de terror, Sclavi, e os roteiristas que vieram depois dele sempre preencheram as páginas de Dylan Dog com as mais variadas referências ao cinema fantástico. E é uma destas aventuras recheadas de easter-eggs que a Mythos escolheu para celebrar o retorno do personagem à editora.

Nos quadrinhos, ninguém vai te ouvir gritar.

Horror Paradise, como textos de Michele Medda, Antonio Serra e Bepi Vigna e arte de Claudio Castellini, coloca Dylan Dog para enfrentar monstros do cinema após despertar em uma estranha espaçonave enquanto tenta se lembrar de como foi parar naquele filme de terror real. Enquanto seguimos o herói através de flashbacks, descobrimos que tudo começou com a investigação de um estranho caso onde diretores de cinema apareciam mortos como as vítimas de seus filmes. As únicas pistas eram estranhas fitas VHS de filmes fantasmas que nunca haviam sido filmados.

A partir daí o trio de escritores brinca com frases de efeito que remetem a filmes clássicos, nomes de diretores como Alfred Hotchkiss, e produtores de sobrenome Corman e Gordon, além de muitas referências a filmes como Alien, O Oitavo Passageiro, Hellraiser – Renascido do Inferno, O Monstro da Lagoa Negra e tantos outros. Até o alienígena de Guerra Entre Planetas tem uma rápida e importante aparição na história!

Mas não pense que Horror Paradise é só um desfile de easter-eggs terrorificos. O trio de roteiristas cria uma história envolvente ao melhor estilo Scooby-Doo onde o leitor vai desvendando o mistério junto do personagem. A sensação que temos é a mesma do herói, partindo da desorientação, que vai se dissipando aos poucos conforme acompanhamos as lembranças,juntando as peças do quebra-cabeça para entender como chegou ali, até à descoberta da verdadeira identidade do culpado das mortes e da tentativa de eliminar o detetive. A arte em preto e branco de Claudio Castellini é muito bonita e competente, com destaque para o uso de luz e sombra na passagem nos corredores da espaçonave, que não devem em nada para o cinema de Ridley Scott.

Here’s Freddy! Ou alguém muito parecido.

A edição da Mythos é caprichada, com papel offset de qualidade bem distante do formatinho e papel jornal da primeira série publicada pela editora na década passada e no formato italiano original. Aliás, vale a pena citar que a editora optou por reiniciar a publicação do personagem preenchendo as lacunas que ela mesma deixou ao selecionar uma história inédita publicada na edição original de número 48. Com isso, finalmente as primeiras quarenta e nove edições originais de Dylan Dog foram publicadas finalmente no Brasil. A HQ ainda conta com uma introdução de Júlio Schneider, tradutor que é figura carimbada nos editoriais de fumetti por aqui. A única ressalva fica por conta da capa, pouco atraente para uma primeira edição, mesmo que conte com a presença de ícones do cinema de horror, e pelo preço um pouco salgado que pode acabar afastando o leitor iniciante.

Com o cuidado que o personagem merece, a Mythos deu continuidade ao ótimo trabalho da Lorentz, editora que publicou o personagem no Brasil no ano passado, e programou para este ano quatro novas histórias do personagem, além de uma inédita graphic novel colorida. Estamos torcendo para que finalmente Dylan Dog volte para ficar às bancas brasileiras.

Aproveite as promoções por aí, garanta o seu exemplar  e comemore: um dos personagens mais legais dos quadrinhos está de volta!

Ficha técnica:

ISBN: 978-8578673116

Páginas: 100 (preto e branco)

Formato: 20,8 x 15,6 x 0,6 cm

Autores:  Michele Medda,‎ Antonio Serra,‎ Bepi Vigna,‎ Claudio Castellini 

Preço de capa: R$ 26,90


Rodrigo Ramos
Rodrigo Ramos
Designer, roteirista da HQ Carniça, coautor dos livros Medo de Palhaço e Narrativas do Medo. Fã e pesquisador de quadrinhos e cinema de horror. Tem mais gibis em casa do que espaço pra guardar e tempo pra ler, mas quem nunca?

2 Comentários

  1. Marcos Souza disse:

    O problema que uma editora pequena publicou em 2017 Dylan Dog por 16 reais, este preço da Myhtos está fora da realidade.

    • Rodrigo Ramos Rodrigo Ramos disse:

      O preço envolve um monte de outros fatores como funcionários, distribuidores, tiragem. A Lorentz fez um ótimo trabalho, mas a sua estrutura permitia um preço menor. Creio eu, claro. Ainda considero a melhor coleção de Dylan Dog depois da Conrad.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

%d blogueiros gostam disto: