Review 2016: #06 – Lake Eerie

Um filme de casa assombrada de Quinta Categoria para até quem é fã de filmes de casas assombradas de quinta categoria passar longe!


 

Lake Eerie é um filme de terror norte-americano produzido de forma independente, com apoio financeiro dos fãs, por meio de financiamento coletivo. Dirigido pelo estreante Chris Majors, o filme estrela a esposa do mesmo, Meredith Majors e ainda tem uma participação breve de Lance Henriksen, ator  que atuou em filmes como Alien – O Resgate e O Exterminador do Futuro, e estrelou a série Millenium de Chris Carter, mas que hoje só aparece para receber uma graninha em papéis ingratos e sem respaldo algum, em longas como… Lake Eerie (sem contar aquela novela da Record).

No filme, a viúva Kate se muda para uma casa antiga à beira do lago Eerie, que em português seria algo como “Lago Estranho” ou “Misterioso”, um lugar definitivamente ótimo para se morar. O que ela não esperava é que existissem forças sombrias nessa casa. Por mais surpreendente que isso pareça, este é um filme de casa mal-assombrada! Muito inovador, concordam?

A trama sobrenatural do filme gira em torno de um amuleto egípcio encontrado pelo morador antigo e que ao ser utilizado, abriu uma passagem para um mundo infernal, onde o homem acabou preso. Aparentemente, em decorrência de tal evento, a própria casa se tornou assombrada. A nova moradora vai conhecendo aos poucos os assombros de sua nova conquista imobiliária e acaba por descobrir as desventuras de seu predecessor.

O conceito parece bem interessante e diferente do convencional, certo? Mas preste atenção na descrição e tente encontrar algo de familiar: Jovem muda para uma casa nova e descobre que o antigo morador utilizou um artefato místico antigo que o levou para um inferno, onde passou a sofrer nas mãos de demônios humanoides. Se você pensou em Hellraiser – Renascido do Inferno, acertou! A única coisa que poderia ser digna de elogios no filme, se provou uma cópia disfarçada do trabalho de Clive Baker, criador de Pinhead e cia limitada.

160.jpg

De mudança para a casa do lago

A falta de qualidade deste filme é um pouco diferente do normal, já que se trata de um trabalho praticamente amador. O orçamento parece ter sido zero ou inteiramente gasto para pagar o ator Lance Henriksen. É como se tivessem deixado de lado o design de produção, a iluminação e outros aspectos técnicos, por pura falta de verba. A filmagem é péssima e a qualidade da imagem e edição ainda piores. O nível de atuação no filme é o que se espera de um aluno de cinema que coloca os amigos e a família para protagonizar os próprios trabalhos.

Quando se assiste muito filme de cinema independente e de baixo orçamento, é comum aprender a apreciar os poucos sucessos alcançados pelos envolvidos, ao invés simplesmente macetar os defeitos do mesmo. É óbvio que um filme sem recursos vai ter falhas notáveis, mas é de se valorizar que aquelas pessoas tenham se esforçado e se dedicado para alcançar tal resultado. No entanto, existem alguns fatos sobre Lake Eerie que ofuscam qualquer valor (não) alcançado pelos envolvidos.

No momento em que descobri sobre esse filme, procurei no iMDB informações a respeito e me deparei com uma incrível nota 8.3, o que na média do iMDB o tornaria um clássico. Por critério de comparação, O Iluminado tem nota 8.4 por lá. Acontece que essas notas são uma média da avaliação do público geral, ou seja, qualquer pessoa pode votar. Nesse caso, uma grande quantidade de pessoas, deu nota máxima para Lake Eerie, 10/10, com o intuito de aumentar a média do filme e torna-lo mais atrativo. Um dia depois do lançamento, a média caiu para 4.9 com uma enxurrada de usuários dando nota 1/10. Isso continuou por mais um dia, com a média subindo e descendo conforme os usuários honestos davam suas notas péssimas e outros tentavam embelezar a nota final. Uma atitude dessas deixa claro a falta de noção e percepção de si mesmos por parte de certas pessoas.

260.jpg

E eu achando que estar na novela da Record era a pior coisa que poderia me acontecer

Para piorar, a página deles contêm uma série de reviews falsos em que pessoas exaltam Lake Eerie como se fosse um filme imperdível, revolucionário, inteligentíssimo. É um tipo de ação desonesta com o espectador e que andou enganando alguns.

A própria inclusão do ator Lance Henriksen, em que se baseia parte da divulgação do filme, é uma decisão extremamente questionável e puramente marketeira. O personagem dele tem um papel minúsculo e é completamente irrelevante na trama, poderia ser removido sem alterar nada no produto final. O cachê dele poderia ter sido muito melhor utilizado no filme, seja na iluminação, maquiagem, design de set ou até mesmo num almoço para os atores ou uma rodada de cerveja com uns tremoços!

A picaretagem é tanta, que no site oficial os produtores dizem ter contratado três times de investigadores paranormais que confirmaram que o local das filmagens é realmente assombrado. Façam-me o favor! Chega a ser embaraçosa a empáfia dos envolvidos com esses reviews falsos. Lake Eerie é simplesmente patético e sem nenhum fator que possa lhe trazer redenção.

5 amuletos egípcios amaldiçoados para Lake Eerie

ERRATA:

Pessoas misteriosas tentaram falsificar a nota, o correto é:

0.5 amuletos egípcios amaldiçoados para Lake Eerie

Lake2.jpg

Chocada pelos reviews positivos do filme!


Daniel Rodriguez
Daniel Rodriguez
Formado em psicologia, professor, futuro roteirista e fã incondicional do terror, tanto no cinema, quanto na TV, literatura e quadrinhos. Mais que estudar o gênero, quer ser um historiador do horror para sua geração e futuras. E ao contrário do estereótipo do mineiro quieto, adora alimentar uma treta.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

%d blogueiros gostam disto: