Review 2016: #07 – Cabana do Inferno

Ou seria Cabana do Remake….


 

Remakes, remakes, remakes, reboots, reinvenções, reimaginações, recomeços… Já faltam palavras para descrever as inúmeras novas versões que estão aparecendo por aí em ritmo incessante. Já era de se esperar que a força dos remakes minguasse, mas a realidade mostra o contrário, parece que estes se fortificaram ainda mais e perderam todo e qualquer critério. Cabana do Inferno é um filme de 2002, dirigido por Eli Roth, e que por algum motivo sombrio (dinheiro?) acabou de ser refeito utilizando o mesmo roteiro do original.

Cabana do Remake (título que darei ao filme neste review) é dirigido por um Travis Z, que faz um trabalho tão irrelevante que poderia ser substituído por qualquer outro diretor. O roteiro é basicamente o mesmo do original, apenas adaptado para o contexto atual.

O elenco é formado por jovens pouco conhecidos e entregam performances tão pouco memoráveis, que se os atores fossem trocados no meio do filme, alguém dificilmente notaria. Diria até que a atriz Nadine Crocker pode ficar na memória de alguns já que ela é tratada puramente como objeto sexual no filme. Esse é o nível de qualidade com que estamos lidando aqui…

CABINFEVER2016REV

KILL IT WITH FIRE! 

O filme tem início com um ermitão que vive isolado em um trailer e encontra seu cachorro querido completamente dilacerado por alguma força misteriosa. Após a breve introdução, os personagens são introduzidos: um grupo de cinco jovens, três rapazes e duas mulheres, que se enquadra perfeitamente nos clichês apontados por O Segredo da Cabana. O grupo está viajando para um retiro na cabana da família de um deles. No meio do caminho, se deparam com um posto de gasolina/ mercado, cheio de pessoas estranhas incluindo o garotinho que grita “PANQUECAS” e um senhor misterioso que alerta os jovens dos perigos da região.

Já na cabana, tudo parece diversão garantida: enquanto uns transam (Nadine Crocker aparece nua pela primeira vez), outros se divertem no lago e o stoner do grupo aproveita o momento de solidão para dar uns tiros com sua metralhadora semiautomática. Aos poucos, um misterioso vírus devorador de carne humana começa a se espalhar na região, causando um banho de sangue.

Antes de começar a escrever este review pensei seriamente em fazer uma brincadeira: criar uma análise inteiramente feita com trechos de outras análises. Em uma época em que fórmulas reinam e certos filmes parecem todos iguais, Cabana do Remake conseguiu se destacar em falta de originalidade. O filme original de Roth nunca foi a última bolacha do pacote, mas se destacava no gênero pelo senso de humor bizarro e cenas nonsense. Esta nova versão despiu o filme completamente dessas características e não as substituiu com absolutamente nada! Pensando no remake de A Morte do Demônio, por exemplo, o humor negro de Sam Raimi foi substituído por uma violência insana e um tom pesadíssimo. Aqui, simplesmente abriram mão daquilo que o fazia único.

Cabin-Fever-Bunny

Cosplay de Donnie Darko

Depois que O Segredo da Cabana surgiu fazendo piada com o subgênero, era de se esperar que os filmes ao menos tentariam reformular ou melhorar certos aspectos, mas este claramente não é o caso. Os diálogos são absolutamente vergonhosos, em um nível que não serve nem para arrancar risadas. Em uma das piores cenas do filme, uma policial libidinosa dá em cima de um dos jovens após fingir não ter reparado num carro ensanguentado e com marcas de tiro. Percebe-se aí uma tentativa de fazer humor, mas é tão fora de lugar que a cena é simplesmente embaraçosa. Assim como o remake de Martyrs teve vergonha e receio em mostrar violência, Cabana do Remake também tem vergonha de partir para o humor negro e o resultado dá vergonha alheia.

Os efeitos especiais são muito bons, mas nada que impressione mais que o original ou que justifique a existência desse filme. O filme é até “assistível” e tem uma boa produção, especialmente quando o assunto são as locações. Mas simplesmente não existe um bom motivo que justifique a mera existência dele ou que o torne uma boa escolha…

1 vírus carnívoro para Cabana do Inferno Remake

 


Daniel Rodriguez
Daniel Rodriguez
Fã de horror em suas diferentes formas, principalmente cinematográfica. Incapaz de adentrar igrejas, pelo risco de combustão espontânea, dedica sua vida pagã a ensinar inglês, escrever sobre o gênero e, mais recentemente, fazer seus próprios filmes.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *