Review 2018: #25 – Verdade ou Desafio

Terror pra geração YouTube e Instagram


Antes de debulhar nessa desventura de jovens amaldiçoados, uma rápida enquete: aparentemente, em São Paulo, o nome da brincadeira realmente é “Verdade ou Desafio”, tradução literal de “Truth or Dare”, como visto no título. Porém, aqui em Belo Horizonte e lá em São Luís, o nome do jogo é “Verdade ou Consequência”! E aí na cidade de vocês, que nome dão ao joguete?

A infame Blumhouse conseguiu se tornar referência de qualidade no último ano, especialmente por ser o lar de Corra!. Apesar disso, o histórico da cia cinematográfica de Jason Blum continua recheado de coisinhas horripilantes. Verdade ou Desafio parece, em primeira instância, mais um ponto negativo no boletim escolar cinematográfico da produtora.

Uma trama simplória, esquemática e clichê, atuações pouco notáveis e momentos não-intencionalmente hilários compõem um filminho daqueles danados de se ver. Como é que alguém que trouxe Fragmentado à vida consegue produzir uma parada desse naipe? Pois a resposta é bem simples: público-alvo.

Na minha carreira de fã, crítico e pesquisador, já cruzei com filmes de terror de todas as formas, vindos de todo canto do mundo. Meus padrões de referência de qualidade tomam como referência mais de um século de produções, assistidas e analisadas diversas vezes, sob diversos pontos de vista. Ao assistir Verdade ou Desafio, me senti bem deslocado.

Conforme o longa se desenrolava, notei que a razão dessa sensação de não-pertencimento não advinha da incapacidade do filme em trazer uma trama realmente bem elaborada ou criar alguma atmosfera para além dos jumpscare. O que senti foi um estranhamento semelhante ao que tenho em sala de aula, quando observo as interações dos meus alunos mais novos com a tecnologia. Um estranhamento geracional.

Verdade ou Desafio não é uma obra de horror que pode se equiparar aos grandes filmes contemporâneos, como o próprio Corra!. A impressão causada por ele é de ser puro entretenimento voltado para os millennials, em que as relações são constantemente atravessadas pelas redes sociais e os smartphones. E sabe de uma coisa? That’s ok!

A cara de quem tomou um perdido no rolê

O fato da protagonista ser YouTuber já diz bastante coisa sobre o público do filme. Olivia e sua turma de jovens belíssimos viajam para o México durante o Spring Break. A ideia é curtição total durante uma semana antes de enfiar a cara nos livros novamente. O registro dos jovens é todo feito via Snapchat, Stories e coisas do tipo, tudo no próprio celular.

Durante esse rolezinho, eles vão parar em uma igreja abandonada no meio do nada com um jovem que conheceram numa festa. Aquele tipo de atitude que já fez muita gente se deparar com bastante coisa ruim por aí. Lá, eles participam de um jogo de Verdade ou Consequência – ops, Desafio* – que revela a real índole dos personagens. Ah, e também um demônio chamado Calux!

Esse demônio, do tipo brincalhão, é o responsável por deixar a turma com aquela expressão bizarra que aparece nos trailers. O hobby da entidade é forçar jovens a continuarem na brincadeira de criança até as ùltimas consequências. As regras são até simples: quem escolher verdade e mentir, morre; quem escolher desafio e não cumprir, morre; quem não participar da brincadeira, morre. E então, mortes acontecem. E também revelações e reviravoltas!

A maior surpresa por trás dessa fita fica por conta do time de roteiristas composto por quatro pessoas. O texto foi escrito a oito, OITO mãos!!! Impossível pensar que quatro mentes pensantes em conjunto não conseguiram fazer nada mais interessante. Como dito anteriormente, o foco maior é no público millennial, o que poderia ter garantido várias interações mais criativas, usando as redes sociais, por exemplo.

Apesar das possibilidades, Verdade ou Desafio ainda funciona naquilo que se propõe a fazer. As relações pessoais, os conflitos e os interesses são tão característicos e marcantes de sua época, que o resultado é bem proveitoso para esse público. É fácil imaginar o filme agradando bem aos jovens, tornando-se algo comentado entre eles. Justifica então o marketing pesado no Facebook e Instagram.

3 desafios pra Verdade ou Desafio


Daniel Rodriguez
Daniel Rodriguez
Fã de horror em suas diferentes formas, principalmente cinematográfica. Incapaz de adentrar igrejas, pelo risco de combustão espontânea, dedica sua vida pagã a ensinar inglês, escrever sobre o gênero e, mais recentemente, fazer seus próprios filmes.

1 Comentário

  1. Roberto Vasconcelos Eluan disse:

    Aqui no Acre também é verdade ou consequência.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

%d blogueiros gostam disto: