TBT #04 – McFarlane Toys

Pesadelos de resina


O mercado de colecionáveis sempre foi muito amplo. A mania de guardar objetos que nos despertam uma necessidade de estudá-los, possuí-los, admirá-los e organizá-los parece não encontrar fronteiras quanto aquilo que escolhe. Figurinhas, cartões telefônicos, selos de cartas… Absolutamente tudo tem o poder de revelar esse desejo. Quando falamos de coisas que ainda por cima nos dão aquele gostoso sentimento de nostalgia essa sensação parece triplicar! Um bom exemplo disso são as Action Figures.

Geralmente feitas de plástico ou resinas, as Action Figures (no português, Figuras de Ação – ou bonequinho/ hominho se você preferir) são miniaturas de personagens vindos de diferentes mídias: quadrinhos, filmes, animações e videogames. Entretanto, como em qualquer meio que envolva criação, sempre surge alguém que trabalha com modelos alternativos daquilo que é comumente produzido. Nesse sentido, eu, como alguém que sempre teve atração pelo horror e viveu a infância inteira nos anos 1990, não sou capaz de deixar de falar da fantástica McFarlane Toys!


Quem foi Todd McFarlane?

Não podemos falar sobre a criatura sem antes falarmos do criador. Todd MacFarlane é um artista canadense que despontou na Marvel Comics nos anos 90 desenhando o Homem-Aranha – desafiando todas as leis da física e da anatomia em seu traçado do Amigão da Vizinhança (vendendo mais de duas milhões de cópias da edição Spider-Man#1), e responsável pela fase que introduziu o vilão Venom – e se tornou muito conhecido por ter dado vida ao anti-herói dos quadrinhos Spawn. MacFarlane ficou trabalhando nas histórias desse personagem, até que se desconectou, não completamente, da área da 9° arte e fundou a Todd McFarlane Entertainment, que acabou subsidiando a MacFarlane Toys. Sendo a primeira voltada para a criação de filmes e animações e a última desenvolvendo de figuras de ação.

A fantástica fábrica de brinquedos

Fundada em 1994, depois de seu criador ter um desentendimento com a Mattel que não permitiu que ele tivesse a liberdade criativa que almejava, a MacFarlane Toys teve em sua primeira linha de “brinquedos” as personagens da HQ Spawn, onde ele dava tridimensionalidade . Essas figuras de ação por si só já mostravam como seu criador estava entrando no jogo.

A riqueza de detalhes daquelas monstros vindos do Inferno era assombrosa. Garras, dentes, marcas de sangue, cortes nas vestimentas e as dobras nas peles das miniaturas dos demônios davam a eles um aspecto orgânico terrível e fascinante. Lembro perfeitamente de, na minha infância, encontrar o boneco do Violador em uma loja de brinquedos e não me conformar com aquela monstruosidade encarcerada em uma embalagem plástica. Aqueles pesadelos eram apenas o princípio de várias séries que seriam eternamente lembradas pelos fãs do horror…

Imagem_1

O soldado de plástico do inferno


Bonequinhos de Horror

Depois do sucesso da linha de figuras de ação baseados em Spawn, McFarlane decidiu dar vida a um antigo projeto: trazer a tona sua própria e assustadora versão de monstros clássicos. Então, há exatos 20 anos, em 1997, nasceu a linha Todd McFarlane’s Monsters Playset. Seres literários como Frankenstein, Drácula, o Lobisomen e o Corcunda de Notre Dame ganharam feições ainda mais distorcidas e macabras. O que mais me agradava nessa coleção eram os pequenos cenários que os acompanhavam. Sempre achei fascinante o modo como aquilo remetia a uma perspectiva cinematográfica daqueles seres e a qualidade com que eles foram produzidos. Os detalhes eram absurdos e se mantiveram nas linhas subsequentes dessa coleção.

A segunda série deste conjunto foi lançada em 2003. Chamada “Twisted Land of Oz”, ela contava com versões sádicas dos personagens de O Mágico de Oz. Dorothy, a pobre menina perdida vinda do Kansas é representada por uma mulher amordaçada e subjugada por uma criatura humanoide distorcida. Toto, o fiel cãozinho da jovem, torna-se um grotesco ser quadrúpede envolto por peles gordurosas e cinzenta. O Leão, o Homem de Lata e o Espantalho ganharam armas e contrastes nefastos. Os Macacos Voadores e os Munchkins pareciam seres vindos de experimentos insanos e nem mesmo o próprio Mágico de Oz escapou de uma representação aberrante. A série fez sucesso e abriu portas para ainda mais sequências.

Em 2004 foram personagens históricos que ganharam uma releitura sombria. “6 Faces of Madness” trouxe notórios assassinos e maníacos para as figuras. Vlad, o Empalador, Átila, o Huno e Jack, o Estripador foram alguns dos monstros da vida real retratados.A quarta série se incumbiu de mostrar versões menos palatáveis dos contos de fadas que ouvíamos quando crianças. “Twisted Fairy Tales” incorporava elementos repulsivos e cobertos de sangue que sempre caracterizaram os trabalhos de McFarlane, além de trazerem algum doentio senso de humor.Na quinta e última série lançada da coleção, tivemos o “McFarlane’s Twisted Christmas”, onde versões do Papai Noel e do Boneco-de-neve estão cobertas de garras e olhos sedentos pela carnificina.

 

Imagem_2

It’s alive!!!

Aos mestres, com carinho: Clive Barker e H.R. Giger

Em 2001 foi anunciado que haveria uma pareceria entre o escritor responsável pelo horrendo mundo de Hellraiser e a McFarlane Toys. A coleção Clive Barker’s Tortured Souls foi uma série de seis figuras de ação, acompanhadas de uma novelette estrelando-as, idealizadas por Barker. O sucesso foi tão grande que uma continuação foi feita com mais seis action figures e mais seis novelettes.Outro notório artista que teve seu trabalho transformado em colecionável foi H.R. Giger. Em 2004 foi lançada uma versão tridimensional de uma de suas pinturas clássicas. A LI II capturava toda a consistência do trabalho biomecânico lovecraftiano desse mestre surrealista. Completamente esgotada, ela se tornou artigo raríssimo.

Que venham os  Movie Maniacs!

Em 1998 MacFarlane, sabendo do sucesso que fazia com um público mais próximo do horror e depois do sucesso da primeira leva do Monsters Playset, lançou uma linha onde vários ícones do terror ganhariam suas action figures: “McFarlane’s Movie Maniacs”. Devidamente licenciados, os personagens de A Hora do Pesadelo, O Massacre da Serra Elétrica e Sexta-feira 13 foram imortalizados em resinas e se tornaram um sensação. Com o tempo, a série acabou mudando um pouco de linha, trabalhando com filmes de outros gêneros, como O Exterminador do Futuro, Robocop e Edward Mãos de Tesoura sem que com isso se perde-se a qualidade desses trabalhos.

Outros trabalhos e a McFarlane Toys nos dias de hoje

A empresa continuou trazendo vários action figures vindos de diferentes inspirações da cultura pop. Houve séries inspiradas unicamente em dragões e outras que trabalharam com ídolos da música, além de famosos atletas. A empresa também começou a se dedicar a reprodução de imagens vindas  de seriados e de videogames. Os Simpsons, The Walking Dead, Five Nights at Freddy’s hoje possuem suas próprias versões em miniatura, aumentando ainda mais o público desse grandioso negócio. Apesar de ter se enquadrado bastante ao mercado, é impossível negar a importância de McFarlane para o público crescido nos anos 90 e 2000 (e até antes, podendo ver seus personagens favoritos em representações tão impressionantes nas suas prateleiras!).

E você? Qual figura de ação da McFarlane Toys se lembra e ainda tem?

Imagem 3

Aqui de boas fazendo uns rabiscos!

 


Tauami de Paula
Tauami de Paula
Estudante de Letras e de Filosofia, esse apreciador do absurdo e do inexplicável sempre encontrou mais sentido na arte do que na vida. Sendo raramente visto fora de casa, passa os dias lendo, escrevendo e criando teorias sobre tudo aquilo que não entende.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *