TBT#06 – Fantasmas de Marte

A cafonalha sci-fi trash que acabou com a carreira de John Carpenter


Definitivamente Fantasmas de Marte tem duas décadas de atraso. Se ele tivesse sido lançado nos cinemas nos anos 80, poderia ter uma sorte melhor, já que toda sua cafonalha camp, que vai desde as atuações sofríveis de todos os envolvidos, as armas de brinquedo até as roupas toscas que eles vestem, parecem tiradas de um sci-fi B daquela década (tipo as produções da New World Pictures de Roger Corman, naipe Galáxia do Terror ou XB – Galáxia Proibida) e não de um longa de estúdio (no caso, a Screem Gems, subsidiária da Sony Pictures) que custou 28 milhões de dólares e lançado já neste novo século.

Vários elementos típicos de John Carpenter estão ali presentes. É como se Dark Star encontrasse Assalto ao 13º DP que encontrasse A Bruma Assassina que encontrasse Fuga de Nova York. Na real, o roteiro original do longa seria uma terceira continuação das aventuras de Snake Plissken, intitulada “Escape from Mars”, mas depois que Fuga de Los Angeles flopou nas bilheterias, o estúdio não topou bancar uma nova empreitada do caolha vivido por Kurt Russell, e em seu lugar, entrou o personagem Desolation Williams, vivido por Ice Cube (insira um face palm). O resto do plot foi basicamente mantido o mesmo.

Aliás, roteiro qualquer nota, escrito por Carpenter e Larry Sulkis onde na segunda metade do século XX, 84% do Planeta Vermelho já havia sido terraformado, possibilitando a colonização de Marte e a mineração de suas terras. Um detalhe interessante é que a sociedade instituída por lá é matriarcal, com as mulheres ocupando os principais cargos de chefia. Natasha Henstridge (que substituiu de último minuto Courtney Love) é a tenente Melanie Ballard, enviada junto com um grupo de policiais comandadas pela Comandante Helena Braddock (Pam Grier) para escoltar Williams, preso em uma colônia mineradora, acusado de assassinato.

Chegando lá o grupo encontra o local praticamente deserto, com várias imagens de dor e sofrimento de pessoas decapitadas ou penduradas em ganchos, para descobrir que a população de mineiros foi possuída por uma espécie de névoa alienígena marciana ancestral, libertada por uma equipe científica do interior uma caverna selada onde estava presa há séculos, que transforma aqueles que são infectados em bárbaros-selvagens-chegados-num-body modification, querendo matar todos os humanos, tratando-o como invasores de suas propriedades, reclamando Marte novamente para si.

Pânico na zona sul (de Marte)

Pânico na zona sul (de Marte)

Sério, não há sequer um momento que dê para se levar Fantasmas de Marte não como um filme trash até a medula, o que ele é de fato. Só que o dito cujo se leva a sério até demais! Gente, o figurino é péssimo, o design de produção é péssimo, a edição é péssima entrecortada em flashbacks, os efeitos especiais péssimos, a maquiagem péssima, as cenas de ação péssimas, os diálogos péssimos, as atuações são péssimas e acima de tudo, Ice Cube é o personagem principal! Detalhe que uma imposição do estúdio, uma vez que Carpenter queria Jason Statham no papel, que acabou relegado ao Sargento Jericho Butler. Só isso já é motivo suficiente para antever a bomba!

Nem a direção sempre competentíssima de Carpenter funciona, uma vez que as cenas que deveriam ser climáticas e meter um certo medo e ou suspense, falham miseravelmente, provocando o riso. Bom, salva a trilha sonora, também assinada pelo Carpinteiro, onde ele tem a colaboração de um time peso-pesado de guitarristas como Steve Vai e Robin Finck do Nine Inch Nails e ex-Guns ‘n’ Roses.

Obviamente a recepção de público e crítica foram as piores possíveis. Da bagatela gasta de orçamento, o longa arrecadou apenas 16 milhões de dólares na bilheteria, e pior que esse resultado, Carpenter acabou queimado no mercado e resolveu se aposentar de vez de Hollywood após o fiasco, enterrando sua carreira, outrora brilhante. Bem essa decisão durou até 2010, quando ele voltou à ativa só para fazer o segundo pior filme de sua carreira: Aterrorizada.

Mas é aquela coisa: se você gosta dessas bagaceiras sci-fi e se diverte horrores com esses filmes cheesy, pode até acabar aproveitando a experiência de assistir Fantasmas de Marte, mesmo sendo ruim em todos os sentidos e já nascer datado.

Atrapalhando Marte

Atrapalhando Marte

 


Marcos Brolia
Marcos Brolia
Jornalista, editor e idealizador do 101HM, é fanático por filmes de terror (ah, vá!) desde que se conhece por gente, dos classudos aos mais bagaceiras. Adoraria ter um papo de boteco com H.P. Lovecraft e virar um shot toda vez que ele falasse a palavra “indizível”.

2 Comentários

  1. MATHEUS LEITE CARVALHO disse:

    Eu gosto do filme, Marcão. É super legal.

  2. Rub.88 disse:

    Esse é o pior filme que já vi nos cinemas…

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *