TOPE NOVE – Bonecos Assustadores

Se tem uma coisa em filmes de terror que é sinistro pacas, são aqueles bonecos ou bonecas trevosos, sinforosos, macabros e do mal. Podem ser de madeira ou de porcelana, são responsáveis por tirar o sono de muita gente, viu… E aproveitando a estreia de Annabelle 2: A Criação do Mal, segundo da boneca do Capiroto, uma das mais famosas membros desse seleto grupo, elencamos um TOPE NOVE que não é brinquedo, não!


9 – Brahms (Boneco do Mal – 2016)

Um garoto que queria ser boneco, ou um boneco que queria ser garoto? Fala a verdade, se aqueles dois velhos morando num casarão inglês vitoriano, traumatizado pela terrível perda de seu rebento, ficar tratando um boneco inanimado como se fosse um menino de verdade, não é creepy as hell?

Agora chora né, cara de pau?


8 – Bonecas do casal Hartwicke (Bonecas Macabras – 1987)

O casal de criadores de bonecas e titeteiros, Gabriel e Hillary Hartwicke, não apenas são artesãos que criam brinquedinhos manufaturados para criançada, mas sim, aprisionam neles a alma de pessoas que foram mortas para pagarem por seus crimes!

Rollin’ eyes


7 – Billy (Gritos Mortais – 2007)

A antiga lenda de Mary Shaw, uma ventríloqua que foi assassinada pela população de Ravens Fair em busca de vingança, teve sua língua arrancada e enterrada junto de seus bonecos. Um deles era Billy, e pode apostar que se você gritar, pode contar que ele também vai cortar sua língua fora!

Colecionáveis


6 – Bonecos de André Toulon (Mestre dos Bonecos – 1989)

Pinhead, Tunneler, Jester, Leech Woman e Shredder Kahn fazem parte da turminha do barulho que apronta altas confusões, do mestre dos brinquedos, André Toulon, graças aos ensinamentos egípcios de dar vida à objetos inanimados.

Olhar 43!


5 – Guerreiro Zuni (Trilogia de Terror – 1975)

O boneco tribal possuído pelo espírito de um maligno guerreiro Zuni chamado “Aquele que Mata”, inferniza a vida da pobre Karen Black, que só queria dar a feiúra de presente para seu pretê, um professor de antropologia, mas acabou num jogo de vida ou morte.

Cadê meu óleo de peroba?


4 – Hugo (Na Solidão da Noite – 1945)

Maxwell Frere lotava todos seus shows graças ao humor ácido do seu boneco de ventríloquo, Hugo. Mas detalhe que Frere é um esquizofrênico que sofre de dupla personalidade e credita ao boneco assassino o real controle de sua vida.

Vou contar aquela de como o elefante se suicida…


3 – Fats (Magia Negra – 1978)

Corky é um verdadeiro loser que vira um sucesso somente graças a seu boneco, Fats, que é desbocado, politicamente incorreto, sexista e misógino. Mas o ventríloquo que acaba se tornando a marionete de seu boneco e a pergunta que não quer calar: é tudo culpa de um transtorno psicótico de Corky ou há alguma coisa sobrenatural em Fats?

Olá, Clarice…


2 – Annabelle (Annabelle – 2014)

Se a boneca do Tinhoso aparecer três vezes nos cinemas ela pede uma música no Fantástico? Porque Annabelle, o maior fenômeno pop de madeira da década, já vem assustando uma galera por gerações nas telas, até ir parar numa redoma de vidro na casa de Ed e Lorraine Warren.

Só no relax….


1 – Chucky (Brinquedo Assassino – 1988)

Não tem pra  ninguém! É óbvio que o psicótico espírito do macumbeiro Charles Lee Ray estaria em primeiro lugar. O boneco mais assassino, mais politicamente incorreto e mais porra louca do cinema gerou uma franquia (e uma família!) e tem seu lugar cativo no panteão dos movie maniacs, e em nossos corações.

Aqui pra Annabelle!

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 


Marcos Brolia
Marcos Brolia
Jornalista, editor e idealizador do 101HM, é fanático por filmes de terror (ah, vá!) desde que se conhece por gente, dos classudos aos mais bagaceiras. Adoraria ter um papo de boteco com H.P. Lovecraft e virar um shot toda vez que ele falasse a palavra “indizível”.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

%d blogueiros gostam disto: