TOPE NOVE – Tarantino e Rodriguez

Parece dupla sertaneja, mas não é! Os diretores Quentin Tarantino e Robert Rodriguez são, além de parças de longa data, cinéfilos de carteirinhas. Em suas obras, conseguem transpor a essência de todos os gêneros que cresceram assistindo, sejam eles westerns, orientais e de horror, passando é claro pelos exploitations, que eram exibidos nas sessões duplas da meia-noite.

Sessões essas que inspiraram o queixudo e o tex-mex em realizar o projeto Grindhouse, com seus trailers falsos e um longa dirigido por cada – no caso, Planeta Terror e À Prova de Morte – que nesta quinta-feira, 06 de abril, comemora 10 anos de lançamento.

Aqui no TOPE NOVE, reuni algumas películas que mais inspiraram a dupla na criação de seus filmes. Confere aí!


9 – Psicose (Psycho – 1960)

Tarantino e Hitchcock são dois diretores parecidos em alguns aspectos: ambos chocam seus públicos com suas direções precisas, primam pelas trilhas sonoras e, claro, tem os cameos de ambos em seus próprios filmes. Em Pulp Fiction: Tempo de Violência, Tarantino recriou uma cena de Psicose, mas ao invés de Janet Leigh, encontramos Bruce Willis atrás do volante.

It's not a motorcycle, baby.

Whose motorcycle is this?


8 – Cidade Maldita (Incubo sulla città contaminata / Nightmare City -1980)

Rodriguez e Tarantino são fãs de filmes de zumbis, tanto os americanos quanto os italianos, e esses influências ficam claras em Planeta Terror. No entanto, Taranta deu uma entrevista dizendo ser fã confesso do diretor Umberto Lenzi e afirmando que o modo de agir dos zumbis e a contaminação química foram claramente inspirados em Cidade Maldita.

Zumbi, porém bem vestido.

Infectado, porém bem vestido.


6 – O Enigma Do Outro Mundo (The Thing – 1982)

Pessoas estranhas confinadas num espaço fechado onde o clima claustrofóbico e a desconfiança impera no ambiente: é a sinopse de Os Oito Odiados, mas podia muito bem também ser a de O Enigma de Outro Mundo. A presença do ator Kurt Russel pode não ser bem uma coincidência, mas sim uma referência direta ao filme de John Carpenter.

Ops, espirrou um pouco...

Ops, espirrou um pouco…


5 – Santanico Pandemonium (1975)

Viciados em cinema exploitation e suas variadas vertentes, é claro que os trutas não poderiam deixar de incluir uma homenagem em Um Drink no Inferno, um dos mais queridos filmes de vampiro do cinema, nomeando a belíssima personagem interpretada por Salma Hayek com o título desse nunsploitation espanhol.

Os muleque é liso! ♫

Os muleque é liso!


4 – Lady Snowblood: Vingança na Neve (Shurayukihime – 1973)

Que o queixudo é obcecado por cinema oriental todos sabemos, mas ao assistir ao clássico dirigido por Toshiya Fujita notamos as referências descaradas que ele usou em Kill Bill, desde o visual da personagem O-Ren Ishii (Lucy Liu) até a cena de sua morte, que ele copiou quadro a quadro da película japonesa.

Memórias de uma gueixa vingativa.

Memórias de uma gueixa vingativa.


3 – Foxy Brown (1974)

Desde pequeno apaixonado pelas personagens interpretadas pela atriz Pam Grier, assim que Tarantino decidiu adaptar o livro Rum Punch para as telonas, ele nem cogitou outra pessoa para o papel principal em Jackie Brown. O resultado foi uma de suas maiores homenagens ao blacksploitation.

Verdadeiro black power!

Verdadeiro black power!


2 – Thriller – A Cruel Picture (Thriller – en grym film 1973)

Taí a prova de que Tarantino é um apaixonado por cinema e utiliza em seus filmes todos os recursos que aprendeu ao longo da sua vida cinéfila. O sueco Thriller – A Cruel Picture é uma obra prima do rape and revenge que influenciou direta e visualmente a personagem Elle Driver (Daryl Hannah), em Kill Bill.

Bang bang, my baby shot me down.

Bang bang, my baby shot me down.


1 – Faster, Pussycat! Kill! Kill! (1965)

Apesar de Á Prova de Morte ser inspirado por várias produções da década de 70, como o carsploitation Corrida contra o Destino e Fuga Alucinada, com certeza Tarantino quis transportar as mulheres valentes e duronas criadas por Russ Meyer para o seu próprio filme grindhouse.

Que tiro! Não, péra...

Que tiro! Não, péra…


Niia Silveira
Niia Silveira
Mentalidade de Jack Torrance num corpinho de Annie Wilkes. Foi criada em locadoras e bibliotecas e se apegou ao universo do horror ainda pequena. Não cresceu muito em estatura de lá pra cá, mas sua paixão por sangue e desgraça aumenta a cada dia.

1 Comentário

  1. Gabriel Dantas disse:

    incrivel, adorei as referências, o queixudo é f*****

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *