815 – Turistas (2006)

turistas-2006-poster-1.jpg

Turistas


2006 / EUA / 96 min / Direção: John Stockwell / Roteiro: Michael Ross / Produção: Marc Butan, Scott Steindorff, John Stockwell, Bo Zenga; Caíque Martins Ferreira, Raul Guterres, Dylan Russell (Coprodutores); Andrew Molasky, Rubia Negrão (Produtores Associados); Mark Cuban, Rick Dallago, Elaine Dysinger, Scott LaStaiti, Kent Kubena, Todd Wagner (Produtores Executivos) / Elenco: Josh Duhamel, Melissa George, Olivia Wilde, Desmond Askew, Beau Garrett, Max Brown, Agles Steib, Miguel Lunardi


 Esse pseudo torture porn só tem relevância mesmo para nós, brasileiros. E nem por causa do filme em si, mas claro, por conta de toda a polêmica que o filme gerou, que nem se trata de marketing negativo a meu ver, porque até gera interesse em vê-lo, mas que evidencia realmente o quanto nosso país é sensível e sofre de complexo de vira-lata.

O xiliquinho da Embratur na época, assim como aconteceu com o famoso episódio de Os Simpsons, O Feitiço de Liza, em que a família visita e esculacha o país – e que gerou até outro xiliquinho do FHC e de uma nota da FOX antes de sua exibição, lembram? – só ajudou a popularizar ainda mais o filme – sendo que foi até sugerido um boicote – e só reforça mesmo que o brasileiro médio não sabe rir de si mesmo, se acha bem superior, se ofende quando algumas de suas verdadeiras mazelas são mostradas pelos outros –mas adoram o drama de favela da Globo Filmes – e definitivamente não tem cabeça para obras de ficção.

A alegação de nota oficial do Ministério do Turismo era “elogiando a má recepção do filme na América do Norte” e afirmando que Turistas prejudicaria a imagem do Brasil e como espectadores iriam diferenciar a realidade da ficção? Ah, qual é… Por acaso ninguém sabe diferenciar a realidade da ficção de O Albergue, por exemplo? Aliás, quantas e quantas vezes o cinema americano retratou outros países e outras cultura de forma pejorativa e ameaçadora, ainda mais no cinema de terror? Mais: em quantos e quantos filmes os próprios americanos detonam o seu precioso way of life?

O grande fato consumado é que Turistas é ruim de doer, e não um retrato deturpado do país. Aliás, o que seria retrato deturpado aqui? Um maluco roubar turistas, sequestrá-los, dopá-los e roubar seus órgãos pensando no tráfico do mercado negro. Sim, é um exagero ficcional, mas gente, aquela cena do ônibus no começo do longa, se não é das mais verossímeis, eu não sei mais o que é!

1390317798_fgli6kw2iz81.png

Cirurgia no SUS

Turistas tem um roteiro péssimo, se vale de uma apropriação cultural tacanha da nossa brasilidade (incluindo aí a péssima trilha sonora), explora e exagera em arquétipos e estereótipos propositalmente caricatos e absurdos, tanto do brasileiro quanto do país em si e dos próprios turistas que visitam nossas terras a rodo atrás de praias, paraíso, bebedeira e turismo sexual. O discurso do vilão até é bem válido dentro da megalomania de um personagem do gênero: durante anos os “gringos” se aproveitaram de nosso país, e um psicopata quer fazer a forra, roubando seus órgãos para aqueles que estão na falida fila de espera no SUS.

E vamos falar a real, pelo menos a galera fala português, porque sacumé, podia ser espanhol e tudo mais. Mas voltando aqui, o ponto da questão é que Turistas é um filme ruim, com atores péssimos, história xucra, a violência gráfica, algo tão imprescindível no torture porn, é bem das fajutas, tirando uma única cena de cirurgia quando os órgãos da mina são extraídos, e depois, na fuga dos americanos cativos, vira um filme de ação qualquer nota, tipo Sessão da Tarde, que nem a claustrofobia dos mergulhos nas cavernas subterrâneas ajuda. Aliás, uma geografia completamente doida né, uma vez que os fulanos estão em Ubatuba e andando vão parar nas cavernas da Chapada Diamantina, mas belê.

Depois da polêmica toda, o ator Josh Duhamel que vive o personagem Alex, teve que se desculpar ao povo e ao governo (???!!!) brasileiro durante um episódio do The Tonight Show, do Jay Leno, dizendo que a intenção não era fazer com que turistas parassem de ir ao Brasil. Bom, isso não acabaria mesmo, queridinho. E mais: 1) era a droga de uma ficção. 2) era um filme B de terror, que foi um fracasso de bilheteria, faturando 3 milhões no final de semana de abertura (contra R$ 10 milhões de orçamento). Menos, gente.

Enfim, Turistas é completamente dispensável como obra cinematográfica, como subgênero, mas pelos motivos errados, e não por mimimi e histeria causada pelo famosíssimo complexo vira-lata nacional, mas sim por ser uma bela de uma porcaria.

05.jpg

Nativos



Marcos Brolia
Marcos Brolia
Jornalista, editor e idealizador do 101HM, é fanático por filmes de terror (ah, vá!) desde que se conhece por gente, dos classudos aos mais bagaceiras. Adoraria ter um papo de boteco com H.P. Lovecraft e virar um shot toda vez que ele falasse a palavra “indizível”.

0 Comentários

  1. Não entendi porra nenhuma nesse filme!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

%d blogueiros gostam disto: