TOPE NOVE – Melhores de 2018 por Makson Lima

Mas que maravilha de ano para os fãs de desgraceiras cinematográficas foi esse 2018!

Faço parte do coro uníssono do 101 Horror Movies quanto a tal atestado, já devidamente figurado nos anais do terror, sem a menor sombra de dúvida. Seria difícil elencar um TOPE 40, imagine só um TOPE NOVE, tanto que preciso apontar já de antemão algumas preciosidades macabras que ficaram de fora, tipo A Casa do Medo – Incidente em Ghostland, Ghost Stories, O Animal Cordial, O Segredo de Davi, The Dark, I Remember You, A Maldição da Freira, Satan’s Slaves e tantos, tantos outros.

E eis meus preferidos:

9) Possum

Não é todo dia que me deparo com cenas causadoras de gorfo, e Possum (quase) trouxe o pior de meu sistema digestivo à tona. A trama traz o veterano e irreconhecível Sean Harris como um ex-titereiro preso a seu boneco de forma excruciante. Escrito e dirigido por Matthew Holness em sua estreia em longas. Bom manter esse nome aí no radar, especialmente caso seja (assim como eu) fã de bonecos macabros.

“Chuva dourada, só que negra”


8) La Noche Del Virgen

Alex de la Iglesia e Peter Jackson (na fase – melhor fase – sangue de porco) são as inspirações máximas para Roberto San Sebastián em seu longa de estreia, La Noche del Virgen. Nesse que já é meu novo filme preferido de virada de ano, acompanhamos um jovem adulto, estranhíssimo e excitadíssimo (Javier Bodálo, de A Espinha do Diabo) ao se deparar, numa festa da virada, com sua mais nova musa (Miria Martin). Destaque para o sangue, tripa e o cenário em questão: o banheiro do apartamento de Medea (excelente nome) é nada além de nauseante.

“Curte escatologia, @?”


7) Valley of Shadows

Cinema nórdico e cinema do leste europeu, mas que preciosidades! Valley of Shadows (Skyggenes dal no original norueguês) conta uma história de amadurecimento, de realizações e aceitações. Crianças como protagonistas ou pendem pra aventura, ou pro total desinteresse, mas não aqui. É o gótico escandinavo de mãos dadas a floresta densa que nosso protagonista, o menino Aslak, resolve explorar, em busca de respostas;

“Cheira meu dedo”


6) A Mata Negra

Rodrigo Aragão tem sido exaltado ao extremo aqui neste site maravilhoso, assim como em muitos dos episódios de TRASH MODERNIZADO – e é pra glorificar de pé mesmo! O maior cineasta de terror brasileiro desde José Mojica Marins entrega com A Mata Negra sua magnum opus até então, a ser superada (muitíssimo provavelmente) por seu próximo projeto;

“Aqui é terror pt-br, porra!”


5) Hereditário

O estúdio A24, já há alguns anos, tem funcionado como uma antítese de tudo que a Blumhouse representa. E a melhor parte? Coexistência! Hereditário é um de seus últimos projetos, filme de estreia de Ari Aster, e isso é nada além de um feito gargantual. Tony Collette é Annie, vítima (assim como sua prole) do maldito mito familiar. Paimon sorri!

“Meu amigo pombo”


4) Rastros de um Sequestro

Não consigo deixar Coreia do Sul de fora de toda e qualquer lista cinematográfica a qual me proponho a fazer. E tal TOPE NOVE 2018 não haveria de ser diferente. Rastros de um Sequestro subverte, cena a cena, qual gênero ou subgênero poderia se inserir, mostrando o verdadeiro poder de um roteiro muitíssimo bem escrito, manipulando quem assiste tal qual débil fantoche.

“A serenidade no olhar de quem sabe que cinema sul-coreano é superior”


3) A Casa que Jack Construiu

Não costumo apreciar interlocuções em filmes – sempre considerei uma forma pobre de se contar uma história. Acontece que em A Casas que Jack Construiu, tal recursos narrativo funciona como manipulação dos fatos para a perspectiva, só e somente, do assassino em série mais grotesco, sórdido e misógino do cinema autoral, o autointitulado Sr. Sofisticação. Lars von Trier iguala as características de seu maníaco como bem faz questão de pontuar. A diferença é que um faz uso de arte como exercício de catarse. E preciso dizer: tenho aqui, na sequência do piquenique, o que de mais horroroso e gráfico já pude ver num cinema.

“Patinho feio e perneta”


2) As Boas Maneiras

TOPE NOVE com dois filmes pt-br é algo absurdamente inédito em minha existência. E consigo ir ainda mais além ao dizer ter em As Boas Maneiras minha história favorita de lobisomem até então! A consagrada dupla Marco Dutra e Juliana Rojas atinge seu ápice em direção de atores e roteiro, contando uma história tão macabra e horrenda, quanto terna e maravilhosa. Realismo fantástico é para poucos e As Boas Maneiras o desenvolve com maestria.

“Vai chamar Lon Chaney Jr.!”


1) Mandy

Panos Cosmatos, um gênio! Quando me deparei com o laboratório sessentista (e no cinema!) de Além do Arco-íris Negro ano passado, antecipei Mandy mais que qualquer outra produção. Expectativas devidamente alcançadas! E só mesmo Nicolas Cage se permitiria viver o protagonista desta história, mistura grotesca, do pôster ao último frame, de Black Metal queimador de igrejas ao flower power progressista lisérgico King Crimsoniano.

“Curte um Burzum?”

 

 

 


Makson Lima
Makson Lima
Produtor audiovisual e roteirista, se embrenha pelas trevas cinematográficas há tanto tempo quanto ama de paixão sorvete de morango e videogame

3 Comentários

  1. Nic disse:

    Melhor lista do site.

  2. José disse:

    La Noche Del Virgen é um dos melhores de 2018 também , foi difícil deixá-lo de fora do meu tope nove .
    O melhor filme de virada de ano sem dúvida !

  3. Eduardo Schenneider disse:

    Na minha opinião também é a melhor lista, a que mais “bateu” com o meu gosto.
    Qualquer filme em primeiro lugar que não seja MANDY, é um equívoco.

    Grande abraço e valeu!!!!

Deixe uma resposta para Nic Cancelar resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

%d blogueiros gostam disto: